39.º Festival de Almada no CCB | FALAISE - companhia Baro d’evel 15 e 16/7

Espetáculo inserido no 39.º Festival de Almada e  apresentado no âmbito da  Temporada Portugal-França 2022



«Um espetáculo visualmente deslumbrante que questiona estado do mundo eda
 humanidade. Durante o colapso, o lirismo do presente torna a queda mais bela.»
Romain Rouge, PUTSCH Media, 22 janeiro 2020

Baro d’evel
Falaise


Espetáculo inserido no 39.º Festival de Almada e 
apresentado no âmbito da 
Temporada Portugal-França 2022


CCB. 15 e 16 julho . sexta: 21h00 . sábado: 19h00 . Grande Auditório

Autoria e encenação Camille Decourtye, Blaï Mateu Trias
Em palco Noëmie Bouissou, Camille Decourtye, Claire Lamothe, Blaï Mateu Trias, Oriol Pla, Julian Sicard, Marti Soler, Guillermo Weickert, um cavalo e pombos
Assistência de encenação María Muñoz – Pep Ramis / Mal Pelo
Apoio à dramaturgia Barbara Métais-Chastanier
Cenografia Lluc Castells
Assistente de cenografia Mercè Lucchetti
Colaboração musical e criação sonora musical Fred Bühl
Desenho de luz Adèle Grépinet
Figurinos Céline Sathal
Música gravada Joel Bardolet

Na escuridão das cavernas, o som funcionava como um compasso para a humanidade. Uma luz para guiá-la através da cegueira. Uma canção para iluminar as paredes. Eram necessários gritos para indicar o caminho. Eram necessárias canções para iluminar a escuridão. Também aqui humanos e animais gritam, procuram, tateiam. Avançam o melhor que podem no túnel dos tempos. É a base da parede ou o topo do mundo? A vida aqui morre ou renasce? Caem e erguem-se com a mesma clareza, a mesma inocência, a mesma insistência. Querem sobreviver. A qualquer custo. São um rebanho. São uma multidão. Quase uma família. E nas brechas deixadas por um mundo em ruínas inventam algo novo. É possível um outro fim do mundo — até já começou. É isto que os estes corpos dizem. Os de uma vida que brilha, os de uma vida que bate.

A companhia Baro d'evel é dirigida por Camille Decourtye e Blaï Mateu Trias. O que os motiva e desafia é colocarem-se em perigo artisticamente, buscarem uma forma de arte total. Procuram cruzamentos e encontros ao mesmo tempo que têm como objetivo a excelência em cada disciplina. É um trabalho árduo e diário que mistura movimento, acrobacia, voz, música e matéria, mas a maior singularidade da companhia é incorporar a presença de animais neste processo.

💢💢💢

Segunda parte do díptico iniciado por Là, Falaise não é bem uma sequela. É mais o seu lado oposto. O seu lugar real. A luva virou. Mudámo-nos para o outro lado do muro, o outro lado do mundo. Esta vida fervilhante, transbordando pelas paredes. Aqui está, à nossa frente. Preocupada. Frágil. Obstinada. Teimosa. Plural. Ela não está bem acabada. Ela ainda tem coisas a dizer. Ela vem de muito, muito longe. Ou fala para depois. Ela não tem certeza se sobreviveu ao desastre ou se está à frente dele. Simplesmente, ela não sabe. Mas uma coisa é certa: ela treme — de alegria, ternura, medo e desejo — com vontade de seguir em frente, de não ceder, de não voltar atrás, de saber como, de agonizar, de culpar, de ser culpada, horrivelmente culpada de ser esse soluço do mundo, ela hesita, hesita e não se importa, procura montar, interpreta os papéis e depois perturba as expectativas que têm dela. O quer que seja. Ela treme. Como se estivesse viva. Afinal, ela é a própria vida. A que insiste.
Barbara Métais-Chastanier, Lorient, 23 fevereiro 2019
Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !