LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/19/2009

ROBERTO CARLOS: 50 ANOS DE QUÊ?


Por Armindo Guimarães

Com o título supra, li no Blog Afinsofhia uma reportagem intempestiva (para usar um dos chavões que usa) acerca do Roberto Carlos, designadamente
desvalorizando e, pior ainda, achincalhando toda a trajectória dos seus 50 anos de carreira.


Não fosse o facto de estar perante um site que segundo diz actua a partir da Inteligência Coletiva das pessoas e dos dizeres de filósofos e como tal com pessoas com mais responsabilidades naquilo que dizem e escrevem, e eu nem sequer teria perdido tempo a escrever sobre tal reportagem, não pelo facto de desvalorizar a obra de Roberto Carlos pois todos sabemos que é dificil agradar a gregos e a troianos, mas por entender que não agradar não é o mesmo que vilipendiar que é o que acontece na matéria em questão e à qual passo a responder:

Mas que filosofia é essa!? Filosofia do bota abaixo? Filosofia da dor de cotovelo?

Como é possível que alguém da AFIN (Associação Filosofia Itinerante) “uma entidade sem fins lucrativos que atua em Manaus, há seis anos burocraticamente constituída, e que trabalha com os fluxos comunitários filosóficos, buscando promover encontros ético-estético-afetivo-políticos para discussão da existência das pessoas no mundo, sua rua, bairro, cidade, estado, país, etc,” e que possui “entre seus membros pessoas que trabalham com o teatro comunitário, teatro de rua”, venha a terreiro dissertar sobre alguém que foi menino da rua, do bairro e da cidade? Um menino que pese embora as contrariedades que teve na infância, soube subir a corda a pulso à sua custa e não a expensas de subsídios estatais como acontece por aí como muita gente adstrita a associações ditas sem fins lucrativos.

Se tudo o que Roberto Carlos canta é ruim, o que querem que ele cante? A algum filósofo? Como por exemplo a Friedrich Nietzsche que disse: “Um filósofo: é um homem que experimenta, vê, ouve, suspeita, espera e sonha constantemente coisas extraordinárias; que é atingido pelos próprios pensamentos como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, como por uma espécie de acontecimentos e de faíscas de que só ele pode ser alvo; que é talvez, ele próprio, uma trovoada prenhe de relâmpagos novos; um homem fatal, em torno do qual sempre ribomba e rola e rebenta e se passam coisas inquietantes”? Se é esse o problema, Roberto Carlos é tudo o que Nietzsche disse. Por isso, não fazia sentido cantar a ele próprio.

Quem foi o filósofo da AFIN que escreveu só por escrever, para apresentar trabalho feito? Quem foi o filósofo da AFIN que escreveu sobre alguém sem primeiro estudar a sua obra?

Se estudasse antes de escrever, constataria que afinal durante os 68 anos de vida e 50 de carreira, Roberto Carlos não teve só momentos lindos e os que teve muitos deles foram e continuam a ser, por exemplo, participando em shows de beneficência Pró Criança Cardíaca, Criança com Câncer, etc.

Se estudasse antes de escrever, jamais faria as afirmações gratuitas, atoardas e baboseiras ridículas que faz.

Se estudasse antes de escrever, saberia que a obra de Roberto Carlos é multifacetada pois tanto canta o amor, como a amizade, a fé, a ecologia e até cantou sobre alguns pretensos filósofos que querem acabar com ele, quiçá por ser do povo, este sim, o verdadeiro detentor da filosofia da vida, para quem Roberto Carlos canta baseado na sua experiência da vida, sem o conceito dos filósofos mas do seu, o popular.

Se estudasse antes de escrever, saberia da existência do Portal Clube do Rei, com sede em Manaus, e teria a oportunidade de verificar que Roberto Carlos não é só Rei na República Federativa do Brasil mas em muitas outras repúblicas, monarquias e outros sistemas de governo espalhados por esse mundo fora.

Deixo-vos com “Querem acabar comigo”, de Roberto Carlos, ou melhor, do Rei Roberto Carlos, como o povo quis que fosse chamado. E todos sabemos que o povo é quem mais ordena. Nessa sua composição, Roberto Carlos sabe que querem acabar com ele mas não sabe porquê. Mas sabe que o povo está com ele e que por isso não teme ninguém.

Querem Acabar Comigo
Composição: Roberto Carlos

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir

Querem acabar comigo
Isso eu não vou deixar
Me abrace assim, me olhe assim
Não vá ficar, longe de mim

Pois enquanto eu tiver você comigo
Sou mais forte para mim não há perigo
Você está aqui, e eu estou também
E com você eu não temo ninguém

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir

Pois enquanto eu tiver você comigo
Sou mais forte para mim não há perigo
Você sabe bem de onde eu venho
E no coração o que eu tenho
Tenho muito amor que é só o que interessa
Fique sempre aqui pois a verdade é essa

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir

Querem acabar comigo
Isso eu não vou deixar
Me abrace assim, me olhe assim
Não vá ficar longe de mim

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque


8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Nobre colega Armindo.

    Parabéns pela defesa. A resposta para esse tipo de comentário pode ser simplificado no ditado que diz: Enquanto os cães ladram, a carruagem passa. Eu Complemento o ditado,transportando o maior cantor brasileiro de todos os tempos.

    No link abaixo escrevo um pequeno texto sobre os 50 anos de carreira desse artista inigualável.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  3. Nobres colegas,

    Agora sim, segue abaixo o link omitido na mensagem anterior.

    http://www.clubedorei.com.br/articles/detail.asp?iData=636&iCat=823&iChannel=2&nChannel=Articles

    ResponderEliminar
  4. Oi, Guta!

    Caramba, tás uma fera!

    Essa da múmia fez-me lembrar a múmia paralitica.

    Se calhar é o caso. ehehehehe

    Abração

    ResponderEliminar
  5. Grande, Marley!

    Nem estou em mim, carago!

    Finalmente voltaste. E voltaste em grande pois já li o teu belo artigo postado no Portal e deixei comentário.

    Grande abraço, pá!

    ResponderEliminar
  6. Oi Armindo!

    Entrei faz pouco tempo na internet, e estou tendo dificuldade de acessar o Splis,Splash, por isso estou engatinhando aqui nos meus comentários, é que comento um e cai a conexão e demora pra conseguir entrar novamnete.

    Mas pelo que li da sua postagem em repúdio a pessoa que escreveu discrinando o nosso Roberto e faltando com repeito até como ser humano, dar para observar mesmo sem eu ter ido ao blog desse indivíduo, que ele não tem conhecimento de nada sobre o ser humano que é o nosso Roberto.

    Se este rapaz, tivesse ouvido alguma canção do Rei, ele iria perceber que está equivocado como o seu ponto de vista em relação ao maior cantor nacional e mundial da história da musicalidade.

    Pra entender e gostar de Roberto e de suas músicas, tem que ser gente, ter que ter Deus no coração, tem que amar e respeitar o individualismo e a criação de cada compositor, mas parece-me que ele não soube ainda que Roberto há 50 anos faz sucessos sem interrupções e ele agrada a todas as gerações, onde cada geração vindoura, está gravando as suas músicas e podemos observar que elas estão fazendo parte do repertório de trilhas sonoras de várias novelas globais e que este homem que ele rebaixa, menospreza, contesta seu posto de Rei, é porque também ele é um leigo da nossa lingua materna que é o Português, onde uma palavra tem vários significados e não podemos intrpretá-las ao pé da letra como se diz.

    Pra o nosso ídolo ter o título de Rei, não é necessário responder pelo comando de uma nação, mas ele é rei porque o povo quis que o fosse e Roberto fez por merecer, diante de suas composições que ecoam ao longe, levando amor aos corações, deixando centenas de milhares de espectadores embalados pelas emoções ao ouvir uma estrela que brilha num palco reluzente e recepicionado com aplausos carinho e uma alegria imensa por estar vivenciando as suas canções que são de muia sensibilidade que nos tocam o coração, pois este nosso Rei fala de uma diversidade de assuntos desse planeta e dos mais relevantes que se eu for citar aqui, passaria o restante da noite escrevendo.

    Mas tenho que dizer pra essa rapaz que o amor para Roberto carlos, está acima de qualquer outro valor que um ser humano deve ser dotado pra que possa viver bem em uma sociedade humanitária, onde todas se amam e sentem o calor do que é gostar do rei, amar e ser seu seguidor, pois nós somos os seus súditos eternamente.

    E VIVA O REI ROBERTO CARLOS!

    Parabéns Armindo, pelo seu ato de defeza em prol do nosso ídolo maior, pois eu também não poderia deixar de vir aqui e fazer o meu protesto diante de tanta injustiça.

    Obrigada e um beijo grande!

    Mazé Silva

    ResponderEliminar
  7. Olá Armindo!

    Ainda estou uma fera, mas uma fera mais mansa.

    Se o nobre colega Marley, sumidinho, permitir,vou copiar as palavras dele:
    "Enquanto os cães ladram a carruagem passa, transportanto o maior cantor brasileiro de todos os tempos." E eu digo, não haverá outro igual nunca mais.

    Obrigada Marley. Já li e comentei seu artigo lá no Portal.

    Patrãozinho,perdão,tá?

    Beijos mil,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  8. Moçada splish-splashante,
    Reiberto não nos interessa enquanto ser, mas enquanto subjetividade, discurso molar que paralisa os afetos na dor, rancor, ressentimento.
    Também nada temos contra ninguém, quanto mais aos que ouvem Reiberto, como nossos avós, nossos pais, talvez sobrinhos, primos, irmãos. Também ouvimos Reiberto, senão não teríamos como analisar.
    O comentário da companheira Carmem está perfeito para nós: "não haverá outro igual nunca mais". Mas acreditamos na formação de outras subjetividades, de outras músicalidades.
    Outra coisa que nos agrada e que estamos de pleno acordo é que: "Roberto Carlos é tudo o que Nietzsche disse." Humano Demasiado Humano.
    Toca, Reiberto!

    ResponderEliminar

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo