Roberto Carlos e o curió do bico doce

 


Por: Carlos Marley 

O canto de um pássaro é algo extraordinário. Segundo o Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, os pássaros são conexões entre o Céu e a Terra, assim como intermediários entre a Terra e o céu. 

O curió é uma ave passeriforme da família dos emberizídeos, nativa do Brasil e muito apreciada pelo seu canto, cujo nome científico é Oryzoborus angolensis. Existem outros pássaros de cantos mais apreciados pelos passarinheiros, mas o curió é detentor de um belo canto. 

Já o representante do belo canto na espécie humana e que possui uma voz melíflua com a capacidade de conquistar é Roberto Carlos, nativo do Cachoeiro do Itapemirim, Espírito Santo, Brasil. Uma espécie raríssima da família musical brasileira.

Canção em um ritmo ainda inédito na voz do rei

Durante o seu voo pela região Norte do Brasil, mais precisamente na cidade de Belém, capital do estado do Pará, no dia do seu aniversário de 77 anos, o rei Roberto Carlos agraciou o povo paraense com a interpretação de uma canção em um ritmo ainda inédito na sua voz. A canção fez parte da trilha sonora da novela “A força do querer”, como um dos temas de Ritinha, personagem de Ísis Valverde. 

No Hangar, local da apresentação do show, a temperatura subiu e a plateia frenética vibrou, quando Roberto Carlos soltou na sua voz o curió do bico doce, um carimbó de autoria de Gonzaga Blantez, ritmo musical amazônico e também uma dança de roda de origem indígena, típica da região norte do estado do Pará, no Brasil. Fico a imaginar a emoção do autor da música ao ouvir em sua terra natal, o seu curió ter o seu canto na voz do maior artista brasileiro.

Se vocês ficaram curiosos e desejarem matar a curiosidade, acessem os vídeos disponíveis no Youtube. É só buscar curió do bico doce Roberto Carlos. 

Segue abaixo a letra da música, pois sei que vocês vão querer cantar também. 

Curió do bico doce
Curió do bico doce, passarinho
Quem te trouxe pra chamar meu carimbó
Foi Verequete Verê, foi Verequete Verê
Foi Verequete, foi Lucinda e Cupijó

Na sombra do cajueiro, ô, ô, ô, ô
Lá no fundo do quintal a moça que roda a saia
É mimo de Marambaia na roda de carimbó

Na sombra do cajueiro, ô, ô, ô, ô
Lá no fundo do quintal a moça que roda a saia
É mimo de Marambaia na roda de carimbó

Curió do bico doce, passarinho
Quem te trouxe pra chamar meu carimbó
Curió do bico doce, passarinho
Quem te trouxe pra chamar meu carimbó

Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Comentários

4 comentários :

  1. Mais uma excelente matéria do nosso Nobre, digo, do nosso Carlos Marley. Já fui ouver (ouver é uma nova palavra que junta a visão e a audição) o vídeo e fiquei maravilhado com a música e a letra que não conhecia. Quem sabe o Roberto nos presenteia com a gravação desta tão linda música. Era o delírio Robertocarlistico! Parabéns pelo texto e por teres avisado a malta, digo, a galera deste valioso achado Robertocarlistico. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nobre colega Armindo,

      Agradeço suas palavras e parabenizo pelo neologismo ouver.

      Um forte abraço

      Eliminar
  2. Maravilhoso, isso so fortalece a nossa cultura paraense parabéns ao Rei Roberto Carlos e ao nosso grande cantor e compositor da musica curió do bico doce Gonzaga Blantes, viva o nosso carimbó

    ResponderEliminar
  3. Gostaria de ver o nosso amado Norte sendo representado pela música "CURIÓ DO BICO DOCE" no show do Roberto Carlos,no final do ano.E se pudesse dividir o palco com Gonzaga Blantez,o autor, seria um sonho do tamanho do céu.

    ResponderEliminar