7.º Bate-papo entre Roberto Carlos e eu – O Rei na conquista da Terrinha





Por: Armindo Guimarães
Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins



O REI NA CONQUISTA DA TERRINHA


10 de Fevereiro de 2006, quinta-feira, 22,00h.
Em minha casa o telefone toca
Trrrimmm, trrrimmm, trrrimmm...

Atende a Helena, minha cara-metade.
-    Sim. Boa noite.
-    Alô! Tô falando com a filha do Armindo?
-    Não! Está a falar com a esposa.
-    Ah! Muito prazer... Dá pra falar com Armindo?
-    Sim. Aguarde só um momento, por favor. Vou chamá-lo.
-    Brigado, viu!
Porque eu estava na cave a ouvir o último CD do RC enquanto ensaiava novos passes com as minhas 8 pombas mágicas que só lhes faltam falar, a Helena eleva o tom de voz exclamando:
-    Ó Mindo está um brasileiro ao telefone pra falar contigo e diz que é o Roberto Carlos! Deve ser algum teu amigo do Portal Clube do Rei a pegar contigo. Eheheheheh

Deve ser o Marlos, pensei eu, enquanto corria para o telefone.

ARMINDO – Estou! Quem fala?
ROBERTO – Sou eu, bicho!
AMINDO – Não há engano, pá?!
ROBERTO – Porque você diz isso, cara?
ARMINDO – Da última vez que me telefonaste deixaste-me sem palavras com aquela tua gozação de identidade.
ROBERTO – Gozação de identidade, cara?
ARMINDO – Sim, pá! Disseste-me que eu tinha dupla identidade e perguntaste-me se eu estava pensando que tu não sabias que eu eras tu...
ROBERTO – Oi, cara! Você devia estar contente por ter a primazia de eu lhe telefonar, e em vez disso você me recebe com uma pedra na mão, bicho?
ARMINDO – Deixa de te armares em vítima, Roberto. A primazia é recíproca e eu sei que tu não consegues passar muito tempo sem bateres um papo com o teu amigo portuga que já te conhece de ginjeira. Eheheheheh
ROBERTO – Ginjeira? Que é que é isso, menino?
ARMINDO – Então não eras tu que te gabavas de saber termos e expressões da gíria portuga?
ROBERTO – Isso é verdade, cara. Mas isso não significa que eu saiba tudo, né? Além do mais, nem você sabe tudo de gíria portuguesa e muito menos da brasileira. Estou falando certo?
ARMINDO – A propósito de gíria, eu e o Everaldo (Evefrc), combinamos cada qual fazer um pequeno dicionário de gíria portuga e brasuca. Porém, lamentavelmente, ainda não levamos a ideia à prática, ocupados que sempre estamos no Portal Clube do Rei. Eheheheheh
ROBERTO – Essa ideia de vocês é genial. Mas você está se esquecendo de me dizer o que significa “ginjeira”, né?
ARMINDO – Conhecer de ginjeira é o mesmo que conhecer demais, ou seja, ao pormenor.
ROBERTO – Então, você quer dizer que me conhece demais, cara?
ARMINDO – Claro, pá! Tenho 51 e há 44 que estou contigo. É obra!
ROBERTO – Você me está chamando de velho, cara?
ARMINDO – Ó Roberto, deixa-te de te armar em vítima, pá! Sabes bem que jamais te chamaria de velho.
ROBERTO – Me diga uma coisa, bicho. Como está correndo as reservas de ingressos para meus concertos em Lisboa e Guimarães?*
ARMINDO – Estamos a um mês dos concertos e já está tudo esgotado, pá. É sempre assim quando vens cá. É o delírio!
ROBERTO – E você reservou seu ingresso, bicho?
ARMINDO – Claro, pá!
ROBERTO – Você reservou lugar VIP?
ARMINDO – Lugar VIP? Como é que eu ia reservar lugar VIP se eu não sou VIP, pá?
ROBERTO – Pra mim, você é VIP, cara!!!
ARMINDO – Obrigado, Roberto. Eu sabia que me tinhas como uma pessoa importante, mas sabes como é, pá... Eu fazendo parte da tua galera, só poderia estar num local: na Galeria. Não sei se estás a topar, pá! Galera, igual a Galeria. Eheheheheh
ROBERTO – Você quer dizer que quem reservou VIP, Plateia ou Balcão, não pertence à galera, bicho?
ARMINDO – Nada disso, Roberto. Acontece que num momento tão significativo como vai ser a tua presença em palco, eu não consigo imaginar-me preso a uma cadeira, limitado ao convívio com um restrito número de fãs que me circundam e, pior ainda, sem ter espaço de manobra para te assobiar e, quem sabe, atirar-te uns tomates e uns ovos podres. Eheheheheh
ROBERTO – eheheheheh Você não faria isso, cara!
ARMINDO – Claro que não, pá. Sabes isso. Faria pior! Eheheheheh
ROBERTO – eheheheheh Olhe aí, cara. Você vai nos dois shows?
ARMINDO – Não, pá! Apenas reservei ingressos para o de Guimarães. Vou eu, a minha mulher e a minha filha e outra malta que sei que vai estar lá batida. Um gajo que não vai estar lá e que é um louco por ti do carago, é o Nelo (Leonel). Estive com ele há dias pra combinar irmos juntos mas o gajo não pode pois por esses dias a filha dele vai dar à luz um seu netinho e o gajo quer assistir ao nascimento. Eheheheheh Estamos a ficar velhotes, pá! Eheheheheh
ROBERTO – É pena o Nelão não ir nos concertos, pois gostaria de revê-lo. Mando pra ele aquele abração, viu?
ARMINDO – Está bem, pá. Quando estiver com o Nelo dou-lhe o teu abraço. Sabes, Roberto? Estou com um dilema do carago, pá.
ROBERTO – Como assim, bicho?
ARMINDO – É que pode muito bem acontecer que eu esteja nos teus dois concertos de Lisboa e Guimarães, sem contudo poder assobiar-te e muito menos atirar-te tomates e ovos podres.
ROBERTO – Você quer dizer que pode acontecer não ir a nenhum dos concertos e estar lá apenas em pensamento, cara?
ARMINDO – Não, pá. Se acontecer o que acontecer o que desejo, estarei nos dois ao vivo.
ROBERTO – O que você deseja? Não tô entendendo, cara! Se explique melhor, viu?
ARMINDO – Não posso dizer agora nada e se a coisa se concretizar pode até acontecer que nunca possa dizer mais nada. Afinal, segredos de bastidores não são só tu que os tens, pá! Eheheheheh
ROBERTO – Olhe aí, Armindo. Tô até ficando tramado com seus enigmas. Me conte tudo, aí, mora!
ARMINDO – Ó pá, já te disse que agora não posso falar sobre o assunto, pois o mesmo está ainda em curso. De qualquer forma, posso dizer-te que nada acontecerá sem que tu saibas primeiro.
ROBERTO – Você me vai dizer na hora, é?
ARMINDO – Eu não, mas alguém já tratou disso. Por isso, se ainda não sabes, estarás a saber a todo o instante.
ROBERTO – Tudo bem, cara. Desisto de ouvir mais seus enigmas. Agora, me conte como vai a galera no Portal.
ARMINDO – Ó Roberto, tu és um gajo do carago, pá! Estás a perguntar-me o que podes muito bem saber? Ou pensas que eu não sei que tu de vez em quando estás batido no Portal Clube do Rei pra saberes o que a malta diz de ti?
ROBERTO – É claro que eu vou lá no Portal, bicho. Mas dá pra entender que meu tempo não permite saber tudo quanto quero, né?
ARMINDO – No Portal continua tudo porreiro, ou não tivéssemos lá o “Testa de Ferro” e o “Enciclopédia Ambulante”!
ROBERTO – Você tá falando do Carlyle e do Jotaefe (João Francisco), bicho?
ARMINDO – Claro, pá! Os gajos estão sempre em cima do acontecimento.
ROBERTO – É isso aí, cara. Eu bem que já topei isso aí. Mas me conte mais, mora!
ARMINDO – Tem calma, pá! Eu te conto.
ROBERTO – eheheheheh
ARMINDO – Estás a rir-te de mim, Roberto?
ROBERTO – Me estou rindo por você ter falado numa de brasuca. Eheheheheh
ARMINDO – Eu falei brasuca, pá?
ROBERTO – É isso aí, cara! Você disse: “Eu te conto” ao invés de dizer: “Eu conto-te”, como dizem os portugas. Eheheheheh
ARMINDO – Vai-te lixar, pá! A culpa é tua e não é por acaso que a malta do Portal até já me chama “o portuga mais brasuca que conhecem”.
ROBERTO – Se deixe de entretantos e passe logo aos finalmente, cara!
ARMINDO – Como estava dizendo, ou melhor, como estava a dizer eheheheheh, o Carlyle e o Jotaefe estão sempre no Portal atentos a tudo e a todos. Quanto à galera, tá tudo normal, ou melhor, quase normal.
ROBERTO – Quase normal? Me explique, bicho!
ARMINDO – Por exemplo, o Pila continua a ser o poeta que já conheces…
ROBERTO – Pere aí, cara! O Pila? Quem é esse cara, bicho?
ARMINDO – É o Pilattis, pá! Não me digas que já te esqueceste do gajo, carago!!!
ROBERTO – Você me desculpe mas eu não sabia que Pilattis tinha Pila, quero dizer, que Pilattis também se chama de Pila!!!
ARMINDO – Não confundas as coisas, Roberto! Pila é a abreviatura de Pilattis, que ele costuma usar entre amigos…
ROBERTO – Original abreviatura que Pilattis está usando pra seus amigos né, Armindo? Eheheheheh
ARMINDO – eheheheheh
ROBERTO – eheheheheh Dê um abração ao Pila por mim, viu?
ARMINDO – Ó Roberto, há um gajo no Portal que me anda a preocupar, pá!
ROBERTO – Quem é ele, bicho?
ARMINDO – É o Marlos Ribeiro, pá! Desconfio que o gajo anda doente com uma apaixonite aguda, que lhe tem impedido de participar no fórum como antes participava.
ROBERTO – Tô vendo que apaixonite aguda é sinónimo de paixão louca, né? Se a doença do nosso Amigão Marlos for essa, deixe estar ele doente, viu? E nem mesmo você deseje a ele suas melhoras. Eheheheheh Afinal, você e eu sabemos o que isso é, mora! Ehehehehehe
ARMINDO – Agora o que eu sempre tenho notado é muita malta a registar-se no Portal. Sabes quantos membros já estão registados, pá? Mais de 4.700! Agora anda lá um membro novo, o DICO, que se registou em 1 de Fevereiro e já conta mais de 100 mensagens no fórum, a maior parte delas com fotos tuas no sentido de incentivar a malta a acertar que música cantas nesta e naquela foto.
ROBERTO – Para quem se registrou no Portal há 9 dias, bem que isso é obra, cara!
ARMINDO – Pois é, pá. Mas não deixa de ser estranho tanta coisa de uma só vez. Além disso, costuma-se dizer que quando a esmola é grande o pobre desconfia, ou seja, eu temo que tanto empenho de rajada se fique por aí.
ROBERTO – Deixe pra lá, bicho! Respondo pra você também com outro ditado; “Não há sol que sempre dure”. eheheheheh
ARMINDO – Tens razão, pá!
ROBERTO – E quanto a outros você tem mais pra me dizer?
ARMINDO – Está tudo numa boa, pá! André, Cultseries, Santosbh, Súdito, Tina Gaspar, Pai, Landa, Edgar, Iatrever, Fabiano Cavalcanti, VMariaHelena, Fabinho, todos sempre na onda. O AAPMoura continua com as suas pesquisas, o Paulinho igual a ele próprio, o CMarley sempre com a sua nobreza (o gajo deve ser de sangue azul eheheheheh), a Rosangela sempre a reclamar se alguém não responder a uma sua mensagem no fórum, a Luci (Reibeto) a apoiá-la (estão as duas feitas, está na cara!) e o Templário-prt (eu) a desculpar-se por isto e por aquilo. Conclusão: o Portal é uma família. Às vezes acontece uma ovelha tresmalhar-se e outras vezes surgir um filho pródigo. É o que acontece no melhor Portal do mundo!
ROBERTO – Legal. Tô vendo que tudo corre bem no Portal, mora!
ARMINDO – Ó Roberto, ouvi dizer que estás a preparar-te para escrever um livro autobiográfico. É verdade, pá!
ROBERTO – Pois não, bicho! Só que é tanto o que tenho pra dizer que um livro só não vai chegar, não!
ARMINDO – Se precisares da minha colaboração, é só dizeres.
ROBERTO – Essa aí nem pensar. Cara! Você chegaria no final e logo botaria seu escrito (Aviso: O texto que acabaram de ler é fictício. Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência. A ficção revela verdades que a realidade omite - Jassemin West). E essa eu não quero, não, bicho! Minha autobiografia não será ficção, não!
ARMINDO – Claro que não, Roberto. E sabes bem que tudo que escrevo e mando para o fórum do Portal sobre os nossos bate-papos não é ficção e se digo pra galera do Portal que é ficção, sabes bem que o faço por ti para que nenhum fã se julgue no direito de reclamar receber também os telefonemas que me fazes. Afinal, foi isso que os dois combinamos e eu até cheguei a pensar em deixar de publicar no fórum os nossos bate-papos e tu é que insististe comigo para que eu os publicasse. Por isso…
ROBERTO – Tudo bem, Armindo! Agora não vá para o fórum do Portal contar pra todo mundo o que nós combinamos, senão vou ter que ouvir a galera querendo eu lhes telefonar. Ehehehehehe
ARMINDO – Está descansado, Roberto. Eu não vou contar pra ninguém. Para todos os efeitos os nossos bate-papos serão sempre pura ficção. Eheheheheh Estás comigo, estás com Deus, pá!
ROBERTO – É isso aí, mora! Tenho certeza disso. Você nunca me enganou! Eheheheheh
ARMINDO – Estou agora a lembrar-me do seguinte: como em Março vais estar 4 dias em Portugal, vê se arrumas um tempo para irmos beber uns copos e comer umas francezinhas.
ROBERTO – Comer umas francezinhas?
ARMINDO – Não é isso que estás a pensar, pá! Francesinhas é um prato típico da Cidade do Porto, à base de pão, queijo, fiambre, linguiça, salsicha fresca, bife e com um molho especial, picante, que lhe dá toda a originalidade. A acompanhar a francesinha costuma-se beber umas canecas de cerveja bem tiradas e a rematar um caldo verde à moda do Minho, região a que pertence a cidade de Guimarães - o berço de Portugal, distrito de Braga, o teu apelido de família.
ROBERTO – Puxa vida! Você está bancando uma de historiador, bicho? Eheheheheh
ARMINDO – Outra coisa que me lembrei: quando vieres, não te esqueças de me trazer uma garrafa de caipirinha, ok? Eu em troca ofereço-te uma de Vinho do Porto que é de beber e chorar por mais.
ROBERTO – Tudo bem, cara! Vou até levar pra você mais do que uma garrafa de caipirinha, viu? Agora tem uma coisa, bicho: meu celular tá ficando sem bateria. É o que acontece sempre que telefono pra você. Por isso, vamos terminar nosso bate-papo, viu! Mando aquele abração pra você e pra toda a galera do Portal, tá legal?
ARMINDO – Obrigado, Roberto! Adorei este nosso bate-papo. Em Março encontramo-nos, pá! Vai ser o delírio! Um abração.

* Concertos no Pavilhão Atlântico, Lisboa, dias 8 e 9 e no Pavilhão Multiusos, Guimarães, dias 11 e 12 de Março de 2006.

AVISO:

O texto que acabaram de ler é fictício.
Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

A ficção revela verdades que a realidade omite
Jassemin West
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário