Doenças neurológicas: Saiba quando procurar ajuda médica

O Dia Mundial do Cérebro foi instituído em 22 de julho para alertar à população sobre as questões que envolvem este órgão tão poderoso e as doenças que o acometem.


Especialista explica os principais problemas que afetam esse importantíssimo órgão e formas de cuidar dele

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, atualmente, pelo menos um bilhão de pessoas no mundo convivem com algum tipo de doença neurológica. Assim, o Dia Mundial do Cérebro foi instituído em 22 de julho para alertar à população sobre as questões que envolvem este órgão tão poderoso e as doenças que o acometem. O neurocirurgião Leonardo Zapata, que atende no Tumi Espaço Clínico, no Órion Complex, em Goiânia, esclarece sobre a importância de cuidar bem desse órgão essencial.

Segundo ele, as principais doenças que podem acometer o cérebro são  problemas vasculares como o acidente vascular cerebral (AVC), popularmente conhecido como derrame; aneurismas cerebrais e malformações arteriovenosas. Existem as doenças neurodegenerativas como Alzheimer, distúrbios do movimento como o Parkinson, infecções como meningites e tumores cerebrais. “Outras doenças neurológicas seriam os distúrbios do sono, esclerose múltipla e epilepsia. Ocorrem também os traumatismos de crânio (provocados por acidentes automobilísticos, quedas, violência) e hidrocefalia (acúmulo de líquido no sistema ventricular do cérebro)”, destaca.

Apesar de uma quantidade considerável dessas doenças surgirem de maneira esporádica, algumas estão relacionadas à hereditariedade. “Fatores de risco como hipertensão arterial sistêmica, diabetes ou dislipidemia tem forte correlação familiar e predispõe a acidentes vasculares cerebrais. Os aneurismas cerebrais, principalmente quando múltiplos, tornam necessária uma investigação familiar através de exames de imagem”, explica o  neurocirurgião, citando que nesses casos é preciso um acompanhamento anual, na maioria dos casos.

Para ficar atento
Leonardo Zapata destaca que os sinais de alerta para as pessoas procurarem um médico são: dores de cabeça de forte intensidade ou sem melhora com analgésicos comuns; alterações na consciência; crises convulsivas; perda de força em um dos lados do corpo; alterações na fala ou na visão; vômitos não precedidos de náuseas e dores e rigidez na nuca. Ele revela que para cada doença cerebral existem grupos de risco diferentes. “Doenças como AVC, Parkinson e demências têm prevalência maior em idosos. Já as hidrocefalias e alguns tipos de deformidade craniofaciais ou da coluna podem se apresentar logo ao nascimento. Os tumores podem aparecer tanto na infância quanto em outras idades”, explica o especialista.

Os tratamentos das doenças neurológicas podem envolver medicações, procedimentos como injeções, cirurgias convencionais, cirurgias endoscópicas, procedimentos por cateterismo arterial, quimioterapias e radioterapias. Os tratamentos clínicos em geral, são da área de atuação do neurologista. Os procedimentos cirúrgicos são de responsabilidade de um neurocirurgião.

Para ter um cérebro saudável, Leonardo Zapata destaca que é preciso evitar, álcool, tabaco e outras drogas, praticar atividades físicas regularmente, ter boas noites de sono e uma alimentação balanceada, evitando alimentos industrializados, com excesso de conservantes, açúcar e sal. “A chamada dieta do Mediterrâneo, composta por azeite de oliva, nozes, amêndoas, grãos integrais, tomate e espinafre, podem adiar o avanço do Alzheimer. Além disso, aprender coisas novas com atividades mentais como música, artes e jogos ajudam a estimular o funcionamento do cérebro”, detalha o neurocirurgião, que também é especialista em cirurgias da coluna vertebral.

 

Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !