ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/11/2020

Flacidez nos joelhos: saiba quais os tratamentos disponíveis para dar fim ao problema

Flacidez nos joelhos

 

Esquecidos durante os cuidados diários, joelhos são um dos principais indicadores de idade, apresentando sinais decorrentes do envelhecimento como flacidez e rugas.


São Paulo – 11/09/2020 - O rosto é o principal foco da preocupação feminina na hora de investir em tratamentos estéticos. Porém, é cada vez mais comum o interesse das mulheres em outras áreas do corpo que também são grandes delatoras da idade, como os joelhos. “Com o passar dos anos, a pele vai sofrendo um desgaste natural e o seu aspecto vai se modificando, tornando-se menos elástica e apresentando sinais como flacidez. Este fenômeno ocorre devido a fatores como exposição excessiva ao sol e alteração na produção de colágeno, além de perda de massa muscular e mudanças no peso, que também podem alterar ainda mais o aspecto da região”, explica a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.


É possível prevenir o problema com cuidados como manter uma dieta saudável, sempre se lembrar de aplicar um fotoprotetor na área quando for sair com roupas que deixam os joelhos expostos e caprichar na hidratação diária da região, apostando em produtos com fórmulas ricas em ingredientes nutritivos e ativos umectantes, como ureia, manteiga de karité, óleo de amêndoas e aveia, que vão garantir uma aparência mais saudável e evitar que a pele do joelho resseque, escureça e fique flácida. Mas, segundo a especialista, para quem já apresenta o excesso de pele sobre os joelhos, existem diversos tratamentos não invasivos que são indicados para dar fim ao problema. Procedimentos estes que devem ser indicados de acordo com a causa, sendo que a intervenção cirúrgica não é aconselhável. “A cirurgia consiste no lifting de toda a pele da coxa e não apenas do joelho. O problema deste tipo de operação é a dificuldade em esconder as cicatrizes do procedimento, que acabam ficando aparentes”, afirma a cirurgiã.


Mas existem outras alternativas para combater a flacidez dos joelhos através do  estimulo da produção de colágeno, como realizar sessões de radiofrequência, que consistem na aplicação de energia de radiofrequência sobre a região, onde o calor produzido estimula os fibroblastos a produzirem fibras de colágeno e elastina que melhoram o aspecto da pele. O ultrassom microfocado também pode ser usado para estimular a produção de colágeno. Além disso, bioestimuladores injetáveis como o Sculptra também são eficientes para a área. O produto é injetado na região afetada, seguido de massagem intensa, sendo necessárias de 2 à 4 sessões com intervalos de 6 semanas.


Já para quem sofre com excesso de gordura na face interna dos joelhos o procedimento mais indicado é a criolipólise, um procedimento que congela as células de gordura, que entram em processo de apoptose (morte celular). “Com a combinação de hábito saudáveis, dieta e o uso de tecnologias associadas, o aspecto da região melhora muito”, diz a médica. Há ainda a a opção da lipoaspiração para esta gordura interna dos joelhos, onde uma cânula é inserida no tecido adiposo para remover a gordura localizada. “Mas é importante destacar que todo mundo tem certa quantidade de pele em excesso acima do dos joelhos, pois, caso contrário, não seríamos capazes de dobrá-los. Por isso, você deve consultar um médico qualificado que avaliará o seu caso e indicará o melhor procedimento para seu problema”, finaliza a Dra. Beatriz Lassance.


Fonte: Dra. Beatriz Lassance - Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo