HOMEOSTASE @ THE WRONG recebe obras em realidade virtual inéditas na América Latina

Divulgação

São Paulo, janeiro de 2017 - De 20 a 28 de janeiro, a exposição Homeostase @ The Wrong recebe no CCSP pela primeira vez na América Latina a instalação em realidade virtual, “Rainbow”, do artista dinamarquês Olafur Eliasson, assim como "Aquaphobia", do também dinamarquês Jakob Kudsk Steensen, ambas disponibilizadas através de uma parceria da Homeostase com a empresa britânica Acuteart. 

Em Rainbow, Olafur Eliasson gera um fenômeno natural efêmero, um arco-íris por meio de processos digitais. Assim como um arco-íris só aparece quando a luz, as gotas d’água e o olho do espectador estão posicionados em certo ângulo, a versão virtual só pode ser vista quando o movimento do espectador produz uma correlação entre esses três pontos. Ele desliza dentro e fora da vista por uma cortina de gotículas que caem lentamente enquanto o espectador se move no espaço virtual. Os controladores de mão permitem uma camada adicional de interação com a água virtual. A obra também é inerentemente social: vários usuários são convidados a se juntar ao espaço ao mesmo tempo. Embora geograficamente estejam distantes, as interações com as gotas são visíveis umas às outras, permitindo o reconhecimento da presença do outro e o movimento sobre o espaço virtual com participantes remotos e presenciais. Os interesses de longo prazo de Eliasson na relação entre o eu e o outro e entre o eu e o meio ambiente informaram profundamente essa nova obra de arte, sendo a função multi-participante uma característica que abre caminho para novos espaços para e da arte em VR.

Aquaphobia, de Jakob Kudsk Steensen usa realidade virtual para conectar paisagens psicológicas internas com ecossistemas externos. O trabalho é inspirado em estudos psicológicos sobre o tratamento da aquafobia (medo da água) como ponto de partida para transformar a percepção de nossa relação com os futuros níveis e climas da água. A obra é uma réplica em grande escala do Louis Valentino Jr. Park e Pier em Redhook, no Brooklyn, área extremamente comprometida com a mudança climática com furacões e aumento do nível do mar. A paisagem virtual combina materiais de argila vermelha com espécies de plantas pré-urbanas no Brooklyn e configurações futuristas. Ao percorrer a paisagem, a lama, a água, as infraestruturas subterrâneas, as raízes e as plantas se entrelaçam para formar uma paisagem simbiótica. Enquanto viaja pela paisagem, uma entidade aquática de mudas alienígena o segue e emite sons de mergulho e recita um poema, contando uma história de ruptura entre a paisagem e seu visitante virtual. Em última análise, Aquaphobia usa VR para misturar períodos geológicos passados ??e futuros, e o trabalho personifica uma paisagem através de uma história de ruptura.

The Wrong - III New Digital Art Biennale ainda apresenta outras 39 obras de artistas e coletivos nacionais e internacionais que redefinem criticamente a arte digital como um campo de experimentação e investigação intelectual, onde as dimensões digital e analógica, virtual e real se cruzam. Estes artistas exploram a cultura contemporânea, com foco especificamente na conectividade, interatividade em redes da informação e cultura maker. São artistas que, através da experimentação das novas ferramentas disponíveis em um mundo pós-internet, criam novas estéticas, narrativas e soluções formais.

Sob curadoria de Guilherme A.F.Brandão Fonseca e Julia Borges Araña, Homeostase @ The Wrong é uma realização do Ministério da Cultura, Phi Projetos e UGI, com patrocínio da Deloitte, apoio cultural CCSP e MIS, e parcerias Absolut, Holy Cow, Garagem Fab Lab, Cinnamon e Arte 1.

Sobre Olafur Eliasson: é um dos artista mais importantes deste século. Bastante conhecido por suas instalações em grande escala, produz também esculturas e fotografias. Já participou de exposições na Tate Modern, no San Francisco Museum of Modern Art, no The Museum of Modern Art, no P.S.1 Contemporary Art Center, no Museum of Contemporary Art de Chicago, no Museum of Contemporary Art de Sydney, no Museum Boijmans Van Beuningen (Holanda), no Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Suas obras estão em importantes coleções públicas e privadas, como na do Solomon R Guggenheim Museum, do The Museum of Contemporary Art (Los Angeles), do Deste Foundation (Atenas) e da Tate Modern (Londres).

Estudou na Royal Academy of Arts de Copenhagen de 1989 a 1995, mas em 1993 passou um ano em Colônia (Alemanha) e depois mudou-se para Berlim. Há alguns anos, o artista possui o Studio Olafur Eliasson, um laboratório de pesquisa com cerca de 30 pessoas de diferentes formações como arquitetos, engenheiros e designers. Nele, são projetadas, testadas e construídas esculturas, instalações de diversas dimensões, bem como desenvolvidos projetos conceituais.

As obras de Olafur normalmente são baseadas em materiais simples como a água e a luz. Nelas, o artista reflete bastante sobre natureza e cultura. São pensadas de forma a explorar nosso sentidos e a questionar seus costumes e reações automáticas a partir de experiências subjetivas. Site: www.olafureliasson.net


Sobre Jakob Kudsk Steensen: é um artista e diretor de arte dinamarquês que vive em Nova York, especializado em realidade virtual e simulações virtuais em tempo real de ecossistemas. Através de sua prática, Steensen está preocupado com a forma como a imaginação, tecnologia e ecologia se entrelaçam ao desenvolver simulações virtuais futuristas de paisagens do mundo real. Seu trabalho está na vanguarda dos ambientes virtuais renderizados em tempo real, e ele desenvolve projetos através de colaborações com as áreas de ciência, tecnologia e ciências naturais. Steensen também desenvolve trabalhos através de colaborações com artistas de mídia digital, com o objetivo de trazer diversidade de conteúdo e oportunidades para desenvolvedores experimentais. Como resultado, Jakob Kudsk ocupa um espaço entre arte, ciência e produção 3D.

Jakob Kudsk exibiu recentemente no Time Square para o Midnight Moment, no Carnegie Museum of Art, The Moving Image Fair, NYC, MAXXI, Museum of Modern Art, conferência anual WIRED, FRIEZE em Londres, Podium em Oslo, Ok Corral em Copenhague, 86 Project Space, Brooklyn, Sleep Center, China Town e no London Science Museum. Como diretor de arte no projeto VR TREE VR, feito com The Rainforest Alliance e NEW REALITY CO, Steensen participou do festival de cinema de Sundance e TriBeCa. Seu trabalho foi apresentado na revista MOUSSE, Artnet, The Art Newspaper, Hyperallergic, Spike Art Quaterly, ARTREPORT, Politiken, Information, Worm, NEO2, VICE, NY Times, WIRED e TSOEG. Recebeu prêmios da Danish Arts Foundation, The Augustinus Foundation e Lumen Arts Price. Foi artista em residência no Bemis Center for Contemporary Art, AADK, Centra Negra, MASS MoCA, BRIC e Mana Contemporary.

Jakob Kudsk Steensen é membro da NEW INC, incubadora de tecnologia e cultura pelo NEW MUSEUM, em Nova York. Site: www.jakobsteensen.com
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário