Apuramento ao Mundial 2018 - Brasil empata (1-1) na Colômbia


Com a vitória sobre o Equador na passada quinta-feira, em Porto Alegre, o Brasil, que já havia assegurado qualificação, garantiu também o primeiro lugar no grupo, averbando, por outro lado, a nona vitória consecutiva sob o comando de Tite. Um trajeto histórico. E, nos jogos que ainda faltam disputar, o Brasil continuará ambicioso para registar o maior número de vitórias possíveis. E, hoje, o freguês chama-se Colômbia, até porque o "Brasil de Tite" não brinca em serviço, o mesmo que dizer que nem aos feijões quer perder. De resto, em 29 jogos entre as duas seleções apenas três vitórias da Colômbia. Por outro lado, sabe-se que o Brasil sente dificuldades perante um adversário que joga demasiado duro como é o caso da Colômbia. E Neymar tem tido problemas nos despiques com a Colômbia. Por tudo isto, os colombianos com uma enorme sede de vitórias sobre a seleção brasileira. Seria hoje o dia dos Colombianos?

JOGO - Para a Colômbia a necessidade de ganhar este jogo. Em campo, dois times que se respeitavam, porém, e à semelhança do que se viu no Hungria - Portugal, os colombianos entrando na esperada dureza, num jogo com 37 graus de temperatura e 70 por cento de umidade. De mais...
O Brasil se precaveu para que o pior acontecesse, mormente no aspecto de alguma lesão grave. Apesar de tudo, o Brasil finalizava mais e foi mesmo Roberto Firmino que obrigou Ospina a uma defesa difícil para escanteio. E a Colômbia sempre a revelar-se mais faltosa numa clara intimidação, situação que era esperada pelo Brasil que, neste jogo, se apresentou com quatro alterações paralelamente ao jogo com o Equador, uma delas forçada, uma vez que Marcelo, amarelado nesse jogo, ficou suspenso, substituído por Felipe Luís.
E voltando ao jogo em termos de oportunidades, Neymar desfrutou de uma soberana, mas decidiu-se por uma passe cruzado que levou força de mais. Esperava-se uma das suas "cavadinhas", o que não aconteceu. Mas estava escrito que o Brasil sairia na frente com um golo de William a passe de Neymar. Um golo de belo efeito ao ângulo superior da baliza de Ospina.


                                                     
A ETAPA COMPLEMENTAR - Com o Brasil a vencer por 1-0 mesmo em cima da hora para o intervalo, o segundo período prometia, isto em termos de reação dos colombianos em função da desvantagem.
O Brasil optava pela posse de bola sem, contudo, imprimir grande velocidade, o que também não era muito fácil, atendendo ao calor que se fazia sentir, para mais um jogo que se iniciou às 15H30 locais. Incrível...
E, como se previa, a Colômbia entrou com a disposição de mudar o rumos dos acontecimentos e acabaria mesmo por chegar à igualdade com golo, de cabeça, de Falcão Garcia. O artilheiro não perdoou perante uma certa liberdade. Um golo que, claro está, animou as hostes colombianas. Na transformação de um livre, James Rodriguez levou a bola ao poste, o corolário do crescimento da seleção colombiana.
O técnico Tite fez entrar Gabriel Jesus para o lugar de Roberto Firmino que, diga-se, esteve um tanto ou quanto apagado. E a verdade é que a Colômbia estava a gostar muito mais do jogo. Mas o Brasil não se impressionou com isso e voltou a comandar as operações. Porém, a Colômbia espreitava sempre um possível erro do adversário para criar lances de perigo. E o Brasil mudou com a entrada de Coutinho para o lugar de Renato Augusto. A repetição do que se passou no jogo anterior em Porto Alegre. E em termos de passes errados, andava ele-por-ela, mas o Brasil com mais pendor atacante Dir-se-á, todavia, que este empate já servia para as pretensões da Colômbia no que concerne à sua classificação.
Portanto, um empate que se aceita e que serviu para as pretensões da Colômbia. Para o Brasil, se vencesse, seria a décima vitória consecutiva sob a batuta do técnico Tite. Assim, o registo assinala nove vitórias consecutivas e um empate, o que equivale a 28 pontos conquistados. Obra!
O Brasil em outubro defronta a Bolívia (em La Paz) e o Chile (São Paulo).
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Comentários

1 comentários :

  1. Excelente introdução e relato do jogo. Escreve quem sabe da poda! Abraço.

    ResponderEliminar