Revista National Geographic destaca a nova corrida à Lua


Edição de agosto da National Geographic Brasil evidencia projetos inovadores que competem para enviar um jipe-robô à Lua – um ensaio para futuras viagens tripuladas particulares. A editora Cristina Veit revela a rotina dos fotógrafos que cobrem no Iraque a longa batalha contra o Estado Islâmico. E os segredos do voo dos beija-flores, congelados no tempo por câmeras de alta velocidade.

                                                                                                                               
Alda jesus
Portal Splish Splash

A edição de agosto da revista National Geographic, que chega hoje às bancas (31/06), mostra que uma nova corrida espacial está aberta na direção da Lua. Quase meio século após os Estados Unidos e a União Soviética competirem e gastarem quantias assombrosas de recursos públicos pela primazia da conquista do satélite da Terra, a meta atual é chegar lá em projetos financiados por recursos privados e a custos bem mais baixos.

A reportagem de capa destaca o prêmio Google Lunar XPrize (ou GLXP), que vai destinar 20 milhões de dólares para a equipe que conseguir enviar um módulo ao espaço antes de 31 de dezembro de 2017, pousar na superfície da Lua, mover-se por 500 metros no solo lunar e transmitir fotos e vídeos para a Terra. Além desses requisitos, para ganhar a competição é necessário que os concorrentes comprovem que pelo menos 90% dos recursos vieram de fontes privadas, e não de órgãos estatais. Outro fator que está em jogo na disputa do Lunar XPrize é o prestígio nacional: os cinco projetos finalistas são de países variados, como Índia, Israel, Japão e Estados Unidos.

Para Chanda Gonzales Mowrer, responsável pela competição, o objetivo principal do desafio é facilitar o início de uma nova era de acesso à Lua e ao espaço. “O importante é que as equipes proponham abordagens variadas para completar a missão”, explica. Espera-se que tais iniciativas sirvam no futuro próximo para a viabilidade da exploração lucrativa do espaço. Se em 1962, John F. Kennedy conclamou os Estados Unidos a “decidirem ir à Lua não por ser mais fácil, mas justamente por ser mais difícil”, hoje, Bob Richards, fundador da equipe Moon Express, provoca: “Decidimos ir à Lua porque é algo lucrativo!”. Richards estima que o primeiro trilionário do planeta será um empreendedor espacial, talvez aquele que consiga extrair do solo lunar o hélio-3, um gás raro na Terra, mas abundante na Lua e excelente fonte potencial de combustível para a fusão nuclear. “Há cheques de trilhões de dólares lá em cima, à espera de serem descontados”, completa Peter Diamandis, fundador da Planetary Resources, empresa apoiada pelo cineasta James Cameron e por vários bilionários do setor de tecnologia.

O primeiro destino do emergente setor espacial privado é a Lua. Mas já há quem afirme ser possível que a Lua, em vez de ser um objetivo final, venha a se consagrar como uma espécie de gigantesco aeroporto, um centro de conexões pelo qual teremos de passar no nosso longo caminho para a exploração do universo.

Também na edição de agosto da National Geographic, Cristina Veit, ex-diretora de arte da revista e hoje editora de fotografia, apresenta a realidade de um correspondente de guerra: no segundo semestre de 2016, ela esteve no norte do Iraque para acompanhar fotógrafos brasileiros que documentavam a luta para libertar Mosul e outras cidades das mãos do Estado Islâmico. Apesar de nunca ter se interessado por conflitos, Cristina foi até um dos locais mais violentos do mundo para desvendar o outro lado da guerra – por trás das câmeras, mostrando a rotina dos profissionais que trabalham e vivem em meio de uma região devastada.

E mais: usando câmeras de alta velocidade, finalmente cientistas conseguiram estudar o voo dos beija-flores. Encontrados apenas nas Américas, essas pequenas e graciosas aves são as únicas capazes de pairarem imóveis no ar por 30 segundos ou mais, além de possuírem a habilidade única de voarem em “marcha à ré”. Segundo um estudo, se fossem tão grandes quanto um ser humano, os beija-flores teriam de beber mais de uma lata de refrigerante a cada minuto que estivessem pairando no ar, tal a rapidez com que queimam calorias. Esse metabolismo explica a gigantesca capacidade das aves para bater as asas até 100 vezes por segundo.

National Geographic acredita no poder da ciência, da exploração e da reportagem para mudar o mundo. A revista National Geographic Brasil é uma publicação mensal da editora Content Stuff.

Sobre a ContentStuff Publicações
ContentStuff é uma empresa brasileira fundada em 2003 que publica no Brasil a revista National Geographic sob autorização da National Geographic Partners desde dezembro de 2016.

Sobre a National Geographic Partners LLC
National Geographic Partners LLC (NGP), uma operação conjunta entre National Geographic Society e 21st Century Fox, se compromete a brindar o mundo com conteúdos científicos, de aventura e exploração de primeira linha, através de um portifólio de ativos midiáticos incomparáveis. NGP combina os canais internacionais de televisão da National Geographic (National Geographic Channel, Nat Geo Wild, Nat Geo Mundo, Nat Geo People) com seus ativos midiáticos e orientados ao consumidor, que incluem as revistas National Geographic, National Geographic Studios, as plataformas digitais e de redes sociais relacionadas, livros, mapas, mídia para crianças e atividades complementares, incluindo viagens, experiências e eventos internacionais, vendas de material de arquivo, catálogos, licenciamento e empresas de comércio eletrônico. Impulsionar o conhecimento e a compreensão do mundo tem sido o propósito principal da National Geographic durante 128 anos, e agora, nos comprometemos a aprofundar mais, a ampliar fronteiras e ir mais longe para nossos consumidores, que estão chegando a mais de 730 milhões de pessoas no mundo todo, em 171países e 45 idiomas, todos os meses. NGP destina 27 por cento de seus lucros a National Geographic Society, uma sociedade sem fins lucrativos, para financiar seu trabalho nas áreas da ciência, exploração, conservação e educação. Para mais informações, entrar

 natgeotv.com ou  nationalgeographic.com.

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário