'Nunca me Sonharam' é a inspiração que falta no Brasil

 
Thais Dutra

As pessoas que não se importam com a Educação que me perdoem, mas não existe algo mais gratificante e transformador que ver um jovem, daquele tipo considerado “sem futuro”, crescendo e se tornando o ser humano que deve ser. As pessoas só precisam de alguém que acredite nelas, que confiem em seu potencial.

O documentário “Nunca me Sonharam”, de iniciativa do Instituto Unibanco em parceria com a Maria Farinha Filmes, traz para nós uma hora e meia de inspiração para fazer algo a mais pela Educação de crianças e adolescentes brasileiros que não têm quem olhe por eles.

Professores, pedagogos, diretores, psicólogos, muitas vezes, são pais e mães que ajudam esses jovens de 14, 15, 16, 21 anos – seja a idade que for – a encarar a Educação como a única saída para uma vida melhor. Mais que isso, a Educação é o motor que faz com que esses adolescentes sintam que existe algo mais brilhante para fazer em sua vida. Algo que não seja apenas passar pelo Ensino Médio e trabalhar. E, sim, uma realização pessoal.

O documentário foi dirigido por Cacau Rhoden e produzido por Marcos Nisti, Luana Lobo e Estela Renner. A produção executiva é de Juliana Borges e trilha sonora de Conrado Goys.


Além de trazer as angústias, expectativas, dificuldades, sobretudo histórias de vidas, dos estudantes de vários locais do Brasil, inclusive de Goiânia, “Nunca me Sonharam” mostra argumentos sociais e de desenvolvimento de pessoas que ajudam a fazer a Educação brasileira melhorar.

Entre as pessoas que participam ativamente de projetos relacionados à área social e Educação aparece no documentário o economista Ricardo Henriques, que é superintendente do Instituto Unibanco. Durante entrevista coletiva concedida em São Paulo, o economista ressaltou a necessidade de gerar reflexão na sociedade para que haja mais fomento e incentivo à Educação pública no País.

“Queríamos provocar uma reflexão poética e com grande realismo sobre os desafios do Ensino Médio e o quanto se produziu de desigualdade ao longo da escolarização brasileira. Certamente, o filme é uma matéria-prima muito potente para discutir o Ensino Médio e qual é o modelo de Educação pública que queremos para nossos jovens”, afirmou.

O documentário foi apresentado gratuitamente em São Paulo e Rio de Janeiro em junho e está disponível na plataforma online Videocamp, que permite que várias instituições tenham acesso e promovam sessões coletivas, com público mínimo de cinco pessoas.

Histórias transformadas

 
Perceber que a adolescência, um dos momentos de grandes escolhas, é um processo complicado e que sem auxílio de familiares e pessoas importantes pode causar um estrago sem proporções na vida de um ser humano é começar a entender que esses jovens só precisam de quem acredite neles e no que são capazes.



“Nunca me Sonharam” traz histórias, contadas por professores e diretores, de estudantes que tiveram suas vidas transformadas, e principalmente o comportamento rebelde e agressivo, quando encontraram pessoas que disseram “acreditamos em você, contamos com você”.
Aos educadores, este é um documentário que retrata com grande verossimilhança o que vocês vivem diariamente na Educação pública e como a maioria lida com os estudantes. Aos que não se importam com a Educação no Brasil, por favor, vejam como é lindo assistir a motivação desses adolescentes e as histórias que podem ser transformadas com a sua ajuda.

Veja trailer:

NUNCA ME SONHARAM - TRAILER
 
 
 

Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário