Em Sevilha Cante Alentejano e Flamenco juntos pela primeira vez


Cante alentejano e flamenco juntos pela primeira vez num mesmo palco em Sevilha

O cante alentejano e o flamenco apresentam-se, pela primeira vez, num mesmo cenário, em Sevilha, no consulado-geral de Portugal na capital andaluza.

O cante alentejano e o flamenco apresentam-se, pela primeira vez, num mesmo cenário, no sábado às 20h00 locais, em Sevilha, no consulado-geral de Portugal na capital andaluza.

No concerto participam os ‘cantaores’ Esperanza Fernandez e Árcangel que interpretarão temas da tradição musical flamenca, o Rancho de Cantadores da Aldeia Nova de São Bento, acompanhado por Pedro Mestre, e os Cantadores do Desassossego, pelo cante alentejano, e os músicos Fahmi Alqhai (viola da gamba), diretor do ensemble Accademia del Piacere, e Miguel Ángel Cortés (guitarra clássica).

É a primeira vez que duas tradições musicais reconhecidas como Património Imaterial da Humanidade, o Cante Alentejano e o Flamenco, são apresentadas no mesmo palco, disse à agência Lusa Sara Fonseca, da associação Portas do Património, diretora executiva do Festival Terras Sem Sombra (FTSS).

O concerto intitula-se “Imenso Sul” e faz parte do programa de apresentação, em Espanha, do FTSS, certame de música sacra que se realiza, de fevereiro a julho, em diferentes igrejas do Baixo Alentejo.

Esta iniciativa, nunca antes imaginada, é um desafio que rasga fronteiras. Faz, de resto, todo o sentido. O flamenco, mais ainda do que o fado, possui uma forte e comovedora tradição religiosa, de que a ‘Misa Flamenca’ é um dos pontos cimeiros, afirmou a responsável, acrescentando que o FTSS “vai apresentar, na sua programação, peças tão surpreendentes como a copla popular, atribuída a S. João de Ávila, ‘No me Mueve, mi Dios’, ou o Kyrie com a melodia da famosa Niña de los Peines [1890-1969], e o Agnus Dei aos ritmos flamencos de ‘soleá’ e ‘seguiriyas'”.

Refira-se que Espanha é o “país convidado” da edição este ano do FTSS, que abre precisamente com a sevilhana Accademia del Piacere, com o “cantaor” Arcangel, no dia 11 de fevereiro, em Almodôvar.

O cante alentejano, por seu turno, espelha, também ele, uma espiritualidade arreigada e autêntica, o diálogo com os andaluzes fluirá com a mesma naturalidade que as populações de ambos os lados da raia se encontram e misturam, há muitos séculos, referiu Sara Fonseca.

A participação espanhola inclui ainda a ‘cantaora’ cigana Esperanza Fernandez, acompanhada pelo guitarrista granadino Miguel Ángel Cortés, o Ensemble ]W[, o pianista Enrique Bagaria, a meio-soprano estremenha Elena Gragera e o pianista catalão Anton Cardo.

O Rancho dos Cantadores de Aldeia Nova de São Bento editou, recentemente, um CD de Cante Alentejano, com vários convidados. O rancho, criado em 1969, é “um dos mais antigos do Alentejo, herdeiro de uma longa tradição da arte de bem cantar as belas modas do cancioneiro alentejano”, segundo a discográfica Universal Music, que chancela o CD. O ano passado, também no âmbito deste festival, o rancho atuou em Madrid.

O músico Pedro Mestre foi distinguido em dezembro passado com o Prémio Carlos Paredes, do município de Vila Franca de Xira, pelo seu álbum “Campaniça do Despique”. Os Cantadores do Desassossego é um grupo coral masculino de Beja, criado em 2014, sob o lema “o cante é a nossa paixão”.

in-http://observador.pt
alda jesus

Sobre a autora

Alda Jesus - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário