O que o futuro da tecnologia reserva para o setor de limpeza?

Fotocomposição Portal Splish Splash

Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp) explica como as principais tecnologias podem melhorar e aumentar a produtividade e eficiência no setor

 
Alba Bittencourt
Portal Splish Splash

A tecnologia chegou para ficar e, no setor de limpeza profissional, não seria diferente. Equipamentos e produtos revolucionários parecem estar muito próximos da nossa realidade, foi o que mostrou o 21º Congresso da World Federation of Building Service Contractors (WFBSC), maior evento mundial da Limpeza, realizado em Tóquio, onde lideranças de todo o mundo puderam ver as últimas novidades em soluções tecnológicas e administrativas para o segmento de asseio e conservação apresentado no país que é o berço da robótica mundial.

“O futuro da limpeza certamente é muito mais automatizado do que nós esperamos e isso já pode ser visto também no mercado nacional, com a chegada de equipamentos e máquinas criados especialmente para facilitar e aumentar a qualidade e produtividade nos resultados deste processo”, conta Sandro Haim, presidente da Abralimp.

Entre as tecnologias que estão revolucionando o setor, e podem se tornar comuns em um futuro bem próximo, estão os robôs que aliam alta tecnologia e inovação na limpeza de vidros, piscinas e grandes áreas como galpões, aeroportos e hotéis.

“Entre as principais vantagens na adoção destes novos equipamentos estão a de proporcionar mais segurança aos usuários, já que os robôs conseguem limpar locais difíceis de serem alcançados normalmente, permitindo também a redução do esforço físico e uma limpeza mais eficiente”, explica.

Além de proporcionar inovação às atividades de limpeza, os equipamentos também ajudam na   transparência dos negócios, propiciando que os serviços sejam mensurados de forma muito mais inteligente que o cálculo homem x hora;  na otimização da qualidade; e no aproveitamento de recursos do fornecedor e do cliente.

Outra tendência para o setor é a chamada “internet das coisas”, em que os equipamentos se conectarão ao Wi-Fi e poderão ser controlados pelo celular pareados, permitindo o agendamento de sessões de limpeza remotamente, pelos próprios dispositivos, assim como o acompanhamento de todo o histórico da limpeza, garantindo um processo mais ágil, com movimentos mais precisos.

“Cada vez mais teremos diversas empresas investindo em pesquisas e no desenvolvimento de recursos que devam garantir facilidades para o setor de limpeza profissional, além, claro, da criação de funções mais simples e novas formas de controle para os equipamentos”, conclui Haim.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário