ORPHÉE de Philip Glass > ópera em dois atos com encenação de Felipe Hirsh | CCB Lisboa 27 e 29/1

ORPHÉE de Philip Glass - Uma ópera de câmara em dois atos baseada no filme de Jean Cocteau Coprodução Centro Cultural de Belém, Theatro Municipal do Rio de Janeiro


Orphée
De Philip Glass
Encenação Felipe Hirsch
Maestro Pedro Neves
Com a Orquestra Metropolitana de Lisboa

Uma ópera de câmara em dois atos baseada no filme de Jean Cocteau
Coprodução Centro Cultural de Belém, Theatro Municipal do Rio de Janeiro

CCB . 27 e 29 janeiro . quinta e sábado . 19h00 . Grande Auditório

Princesa Carla Caramujo
Eurídice Susana Gaspar
Heurtebize Luís Gomes
Cégeste Marco Alves dos Santos
Orphée André Baleiro
Juiz/Comissário Nuno Dias

Poeta Luís Rodrigues
Aglaonice Cátia Moreso
Repórter/Glazier João Pedro Cabral

Bailarinos Alice Bachy, Catarina Rina Marques, Daniela Cruz, Filipe Pereira, Gerson SancaGili Goverman, Hugo Marmelada, João Oliveira, Laure Fleitz, Natacha Campos, Tiago Coelho, Sérgio Matias

Figurinos e visagismo Nuno Esteves Blue
Direção de movimento Sofia Dias e Vitor Roriz
Design de vídeo Henrique Martins
Assistência de direção Crista Alfaiate

Fascinado pelos filmes do francês Jean Cocteau, que viu na adolescência, ainda durante os anos 50 do século passado em Paris, é já como um dos compositores mais importantes da sua geração que o norte-americano Philip Glass decide fazer uma trilogia de adaptações a partir de Cocteau. A ópera Orphée (1993), baseada no filme de 1949 sobre o mito de Orfeu — poeta e músico que move os céus e a terra para trazer a sua amada Eurídice de volta do mundo dos mortos — foi a primeira.

Segundo o encenador — «Philip Glass transformou a obra-prima
de Jean Cocteau numa outra obra-prima. É algo incomum,
mas ser incomum é uma característica de Glass.»

Felipe Hirsch diz ter feito na ópera Orphée um trabalho «muito centrado em Jean Cocteau», um artista múltiplo — poeta, romancista, dramaturgo, cineasta, ator, diretor de teatro e designer. Na adaptação, foram influenciados pelo trabalho de espelhos do cenógrafo checo Josef Svoboda, além dos espelhos do próprio Orphée de Cocteau. O espelho é outro personagem de Orphée e simboliza a relação com a morte e o envelhecimento. Segundo o encenador, uma profunda reflexão sobre qual o lugar da vida que cada um de nós ocupa no momento atual, nesta situação, neste contexto. É a reflexão de todos os artistas que chegam a uma certa idade, a um certo nível de reconhecimento, e que se reinventam por amor à arte.
Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !