ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/14/2013

39.º Bate-papo entre Roberto Carlos e eu - Eu sou como sou!




Por: Armindo Guimarães
Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes




EU SOU COMO SOU!



24 de Agosto de 2010, terça-feira, 19,02h no Brasil, 23,02h em Portugal.
O meu telemóvel toca.
(música E por isso estou aqui do CD “Inesquecível” do maestro Eduardo Lages).
E eu atendo.

ARMINDO – Estou!
ROBERTO CARLOS – Oi, Mindo, continuando nossa conversa do bate-papo anterior, vai ser fácil a gente resolver o problema, bicho!
ARMINDO – Ó Berto, o que é que se passou, carago?! Foi a bateria do teu celular que pifou, ou quê?
ROBERTO CARLOS – Não, bicho! Eu desliguei meu celular de propósito.
ARMINDO – De propósito? Porquê, pá?
ROBERTO CARLOS – Você não precisa de atingir os 50 bate-papos pra tal editora publicar o livro? Aí, eu desliguei porque assim este nosso bate-papo passa sendo o 39.º. Assim, só ficam faltando onze bate-papos e deste jeito em dois ou três dias a gente chega aos 50, né?! Quem é amigo?! Eheheheheh
ARMINDO - ?!?!?!
ROBERTO CARLOS – Mindo, cê ouviu o que eu disse, bicho?
ARMINDO – Ouvi, pá! Mas fiquei sem palavras e ao mesmo tempo lembrei-me da minha maninha Carmen Augusta, de Sorocaba, que até já tirou foto contigo no teu camarim.
ROBERTO CARLOS – E que foi que você lembrou, cara?
ARMINDO – Ó pá, lembrei-me que ela passa a vida a dizer bem de ti, que tu és um gajo do carago.
ROBERTO CARLOS – Mindo, eu não acredito que a Gutinha tenha dito que eu sou um gajo do carago. Essa expressão só você usa e eu também quando estou distraído. Eheheheheh
ARMINDO – Ó pá, foi uma forma de eu dizer, é claro, mas ela costuma dizer que tu és simples, atencioso, enfim, o que ela sempre imaginou de ti. E eu às vezes, para pegar com ela, digo-lhe que tu não és tanto assim, que só quem não te atura como eu te aturo nos bate-papos é que pensa como ela. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – eheheheheheh Bicho, me lembro que quando a Gutinha, num show em São Paulo, foi lá no meu camarim ela ficou calada olhando pra mim sem saber o que dizer, mas depois que eu a pus à vontade ela falou pra mim de você dizendo que eu tinha que ver o blog Splish Splash que era de um portuga e que ela era colaboradora. Depois começou falando, falando, sem parar, até que alguém teve que dizer pra ela que já táva sendo hora de sair. Então ela pediu pra me dar um beijo de despedida e aí eu respondi pra ela que não queria apenas um mas mil. Ela me deu um beijo e se riu. E eu também me rindo disse pra ela que ficava me devendo 999 beijos. Eheheheheh Cê sabia?
ARMINDO – Claro que sabia desse episódio. Não só eu mas todo mundo, pois ela, de tão contente, passa a vida a contar essa cena. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Vai me dizer que ela ficou como o nosso Edu que está sempre me contando a mesma história do seu samba-enredo. eheheheheh
ARMINDO – É isso, pá! Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Mindo, fale verdade: na certa você já disse pra Gutinha que nossos bate-papos são verídicos, né?!
ARMINDO – Não, pá! Isso eu nunca disse nem digo a ninguém, mas é claro que como sabes muita malta já desconfia, em especial os amigos que colaboram no Splish Splash, como é o caso da Mazé, de Fortaleza, que até já me disse que eu não precisava de disfarçar mais, a Con, de Belo Horizonte, que passa a vida a mandar-me mensagens perguntando se o noivo dela já me telefonou, a Miriam, de Portugal, que…
ROBERTO CARLOS – Bicho, me diga aí é quem é o noivo da Con.
ARMINDO – Ó pá, como já te disse ela tem a mania que vai casar contigo. Então… eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Me lembro agora. Eheheheheh
ARMINDO – E como estava a dizer, a Miriam, de Portugal, já me disse que eu era um sortudo do carago por ser o único fã do Rei que ainda por cima não é brasuca mas portuga, que tem primazia de bater papo com ele, a Lilian, de Santa Maria, essa aí já sabes que tem a certeza absoluta e depois temos o grande Bottary que…
ROBERTO CARLOS – Como a Lilian tem certeza absoluta, bicho?
ARMINDO – Ó pá, não te lembras da entrevista que ela te fez este ano a bordo do Costa Concórdia, e que eu publiquei no 36.º bate-papo?
ROBERTO CARLOS – Se me lembro, rapaz! Depois da entrevista não esqueço a confusão que foi no navio com falso alarme de bomba, de incêndio e até de naufrágio, mora! Mas pra mim a cena mais caricata foi no meio da confusão o comandante ter dado meu nome à ponte 13 do navio que não existia. Se lembra, Mindo? Foi do baril, digo, demais! Eheheheheh
ARMINDO – Claro que me lembro pois andei durante uns dias a rir-me lembrando a cena. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Armindo, continue sua explanação que me está interessando. Você táva falando do grande Bottary. O cara mede mais de dois metros, é? Eheheheheh
ARMINDO – Não é isso, pá! Eheheheheh Eu digo que o gajo é grande porque entrou com uma vontade do carago no Splish Splash e agora é um ferrinho dia sim dia sim. Além disso, o gajo é cantor. E é claro que como teu fã de carteirinha, o gajo já gravou várias músicas tuas cantando Detalhes, Sentado à beira do caminho, entre outras. Esse aí já tem tanta certeza que os nossos bate-papos são verdadeiros que nem dá para esconder os ciúmes que tem de mim. Enfim, coisas do carago! Eheheheheh Quanto à nossa Gutinha, é evidente que ela também é uma das que tem a certeza absoluta da veracidade dos bate-papos, no entanto, como sabe que tu fazes questão de que para todos os efeitos eles sejam dados como fictícios, ela quando comenta os bate-papos passa a vida dizendo que eu tenho muita imaginação, que não sabe como é que eu vou buscar tantos assuntos pros bate-papos e até chega a desabafar dizendo como era bom se os bate-papos fossem verídicos. Eheheheheheh
ROBERTO CARLOS – Isso é que é uma colaboradora a cem por cento, né?! E pensar que ela mora em Sorocaba onde eu já estive tanta vez, mora!
ARMINDO – É mesmo! Ó Berto, a propósito, não há dúvida que Sorocaba teve sempre para ti boas correntes telúricas. Espiritualmente (agora até pareço o Bottary a falar eheheheheh), é em Sorocaba, onde no inicio da tua carreira muitas vezes deste shows, que tens a tua maior fã desde a Jovem Guarda, a Gutinha, e um ex-elemento da tua banda, o Paulinho, além de já teres tido casa de férias em Piracicaba, bem perto de Sorocaba.
ROBERTO CARLOS – É mesmo, cara! As coisas não acontecem por acaso, né?! Na verdade, não esqueço daqueles tempos lindos passados em Sorocaba e em Piracicaba.
ARMINDO – Piracicaba onde ultimamente grandes iniciativas em tua honra têm sido realizadas na Escola Municipal Prof.ª Olívia Capranico, no Bairro Dedini. A professora Rosemeire Barbosa, que só recentemente soube, pesquisando, que por lá terias passado bons momentos de descanso e de inspiração, vai daí e, tendo por base a liberdade de expressão, autonomia, responsabilidade, honestidade, solidariedade, justiça, alegria, entusiasmo, amizade, valorização ao próximo, criatividade, compromisso com a transformação social, tendo como intercâmbio sempre o diálogo, princípios que sempre viu em ti como um exemplo a seguir…
ROBERTO CARLOS – Puxa, vida, Mindo! Que emoção eu estou sentido ouvindo tudo isso, bicho! Me conte mais, mora!
ARMINDO – Então, a prof. Rosemeire, ao arrepio de tais valores envolveu os alunos e até a comunidade local em actividades práticas e mediáticas, apelando ao espírito participativo, construtivo e solidário. Criou, deste modo, um plano denominado “Projeto Roberto Carlos – O Mensageiro da Paz”.
ROBERTO CARLOS – Rapaz, eu não sou mensageiro de nada. Eu sou o que sou. Me comovo sabendo todo o carinho e toda a atenção que me dão.
ARMINDO – Tá calado, pá! Deixa-me contar-te o resto, carago!
ROBERTO CARLOS – Puxa, vida! Um gajo, digo, um cara já nem pode desabafar de tanta emoção, é?
ARMINDO – Ó pá, é que tu estando sempre a interromper eu depois perco o fio à meada e esqueço-me do que tenho pra te dizer. É só isso.
ROBERTO CARLOS – Me desculpe, Mindo! Na verdade, sabendo que você é portuga muito me admiro você conseguir se lembrar de tanta coisa. Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, não venhas outra vez com essa do portuga, tá? Não te esqueças que as tuas raízes são portugas, por isso… eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Cê tem razão, bicho! Apenas eu gosto de pegar com você. Eheheheheh Continue, então.
ARMINDO – Onde é que eu ia, pá?
ROBERTO CARLOS – Não sei, bicho! Você não me tinha dito que teria que ir a lado algum.
ARMINDO – Não é isso, pá! Eu não tenho que ir a lado algum. Eu só queria saber era onde eu ia sobre o projeto da prof. Rosemeire.
ROBERTO CARLOS – Ah! Você táva falando sobre a criação do “Projeto Roberto Carlos – O Mensageiro da Paz” criado pela prof. Rosemeire.
ARMINDO – Pois. Esse projeto começou com um Tributo a Roberto Carlos, que constou de…
ROBERTO CARLOS – Bicho, desculpe interromper, mas estava pensando que você é mesmo um caso especial, mora!
ARMINDO – Sou um caso especial, porquê, carago?
ROBERTO CARLOS – Nunca ninguém me mandou calar e muito menos um fã, sabia? Você foi o primeiro, mora! E se eu ainda tô aqui batendo papo com você, é justamente por você ser um cara especial, senão logo teria desligado meu celular, mora! Pensando bem, melhor é você cortar essa parte quando for passar pro computador este nosso bate-papo, viu? Tô até imaginando nos jornais: “Fâ manda calar Roberto Carlos!!!” Já viu o que era, bicho?
ARMINDO – eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Cê ainda se ri, é?
ARMINDO – eheheheheh
ROBERTO CARLOS – eheheheheh Você se não tivesse sido inventado tinha que existir, mora! Continue o que estava dizendo antes que me mande calar outra vez. Eheheheheh E antes que me pergunte onde você ia, eu lembro você que ia naquela parte do Tributo a Roberto Carlos que constou de… continue, bicho!
ARMINDO – eheheheheh És um gajo do caragio, pá! O Tributo a Roberto Carlos constou de uma série de actividades realizadas pelos alunos com a ajuda da prof. Rosemeire que mandou gravar tudo em cinco vídeos que foram enviados para ti e que constaram da exposição “Roberto Carlos – 50 anos de carreira” levada a efeito na Oca, no Parque Ibirapuera, em São Paulo, e que podem ser visualizados no Splish Splash Blog, através do link
http://splishsplashblog.blogspot.com/2010/03/tributo-roberto-carlos-alunos-de.html
ROBERTO CARLOS – Mindo, você me desculpe mas agora mesmo tá me telefonando o maestro Eduardo Lages e eu vou ter que atender sua chamada, viu? Na certa vai ser pra me falar pela quinta vez tudo o que já me disse sobre o seu samba-enredo. Minha Nossa Senhora!!! Aguente aí um pouco, tá? Logo mais eu volto a ligar pra você.
ARMINDO – Tudo bem, Roberto! Fico à espera. Diz ao Mestre Maestro que o seu sócio portuga lhe manda um abraço.
ROBERTO CARLOS – Direi, sim!


Chamada desligada.


AVISO:
 
O texto que acabaram de ler é fictício.
Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

A ficção revela verdades que a realidade omite
Jassemin West
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

3 comentários:

  1. Oi maninho!

    Digo mais uma vez: Que pena que esses bate-papos são fictícios!!!!
    E a história dos beijinhos, você sempre conta errado...Muito exagerado...
    Essa história ( a de verdade), só eu sei, porque o meu Lindinho já esqueceu faz tempo....

    Adorei o bate-papo, sua imaginação e sua criatividade....

    Parabéns!

    Beijos,
    Guta

    ResponderEliminar
  2. Olá, maninha!
    É melhor não repetires mais vezes que é pena os bate-papos serem fictícios, caso contrário vou ter que ouvir o Roberto dizendo-me:
    ROBERTO - Oi, cara! Na certa você pediu para a Gutinha ir em nossos bate-papos dizer que pena eles serem fictícios, mas ela tá repetindo isso tantas vezes que tô até com receio que a galera comece pensando que a Gutinha tá feita connosco insistindo na mesma tecla e aí comece todo mundo a ter certeza que nossos bate-papos são verídicos.
    ARMINDO - Ó Roberto, eu não pedi nada à minha maninha, pá! Ela é que se lembrou de andar sempre a dizer que os nossos bate-papos são fictícios.
    ROBERTO - Cês me metem em cada trapalhada, mora! Por que fui eu um dia me lembrar de telefonar pra você, mora! Eu devia ter ficado apenas pelo 1.º bate-papo, pôxa!
    ARMINDO - eheheheheh
    ROBERTO - Cê se está rindo por cima, é?
    ARMINDO - eheheheheh

    ResponderEliminar
  3. Querido Armindo!

    Já vi que o comentário que fizeste será assunto para mais um Bate-papo com o NMQT,
    Parabéns Armindo, teus bate-papos são cheios de humor, de emoção e ricos em detalhes.
    Tamanho é o sentimento com que escreves, que consegues nos passar uma alegria contagiante.
    Tens uma maneira sensível de escrever, és muito inteligente, és uma fonte de inspiração.
    A cada Bate-papo que postas me impressiona mais, são maravilhosos, tu nos faz sentir todas as emoções como se estivéssemos também a falar com o NMQT.
    Não tenho palavras para expressar o quanto és perfeito em tudo o que fazes, só desejo que continues sempre assim, sensível, com esse lindo coração e essa alma de Menino.
    Parabéns, tu fazes a diferença!

    Beijinhos
    Alba Maria

    ResponderEliminar

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil