ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/14/2013

37.º Bate-papo entre Roberto Carlos e eu - O balde de plástico e o pacote de farinha Amparo





Por: Armindo Guimarães
Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes


O BALDE DE PLÁSTICO E O PACOTE DE FARINHA AMPARO


24 de Agosto de 2010, terça-feira, 16,48h no Brasil, 20,48h em Portugal.
O meu telemóvel toca.
(música E por isso estou aqui do CD “Inesquecível” do maestro Eduardo Lages).
E eu atendo.

ARMINDO – Estou!
ROBERTO CARLOS – Armindo?
ARMINDO – Sim. Quem fala?
ROBERTO CARLOS – Sou eu bicho! Cê já não conhece minha voz, cara?!
ARMINDO – O Roberto Carlos? Nem estou em mim, carago!
ROBERTO CARLOS – Se deixe de coisinha, mora! Se estivesse falando uma garota você sabia logo quem era, mas como sou eu…
ARMINDO – Ó Berto, deixa-te de coisinha, pá! Tu é que és o culpado!
ROBERTO CARLOS – Culpado do quê?
ARMINDO – Sim, pá! Como tu só me telefonas quando o rei faz anos, que o mesmo é dizer de longe a longe, como é que eu ia agora ver que eras tu que estavas em linha?
ROBERTO CARLOS – Bicho, em linha tem que ficar você, viu?
ARMINDO – Eu tenho que ficar em linha? Porquê, carago?
ROBERTO CARLOS – Um gajo, digo, um cara não pode dar confiança pra você que você logo sai fora da linha bancando uma de executivo, mora!
ARMINDO – Ó Roberto, deixa-te de entretantos e passa mas é logo aos finalmente, pá! Eu ando armado em executivo?
ROBERTO CARLOS – Claro que sim, bicho! Executivo sem permissão para tal. Quem mandou você criar promoção no Splish Splash pra todo mundo sugerir nome pro meu jatinho, cara?
ARMINDO – A ideia foi ajudar o NMQT.
ROBERTO CARLOS – O NMQT? Isso é marca do quê?
ARMINDO – Não é marca nenhuma, pá! NMQT são as iniciais de “Nosso Mais Que Tudo”.
ROBERTO CARLOS – Bicho, eu já nem comento mais essa ridicularidade, mas me diga que ideia foi essa de dar nome pro meu Learjet. Quem pediu ajuda pra você, mora?!
ARMINDO – Ó pá eu costumo ajudar sem me pedirem e por isso…
ROBERTO CARLOS – Por isso você infringiu a lei por em seu blog estar tratando de assunto que ninguém encomendou pra você, né?! Isto já pra não falar no nome do blog que sendo Splish Splash se trata do título de uma música minha que você não teve autorização pra usar, né?! E, como se não bastasse, ainda pra mais você usa aquela frase ridícula de "blog mais melhor bom do mundo e arredores". Cê não tá achando pretensiosismo demais, mora?! Se já se viu: “blog mais melhor bom do mundo e arredores” eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, a culpa disso tudo não é minha mas sim da Carmen Augusta que leu uma notícia de 4 de agosto publicada no Ofuxico sob o título "Roberto Carlos quer estrear jatinho em turnê pelo Nordeste”, que a certa altura diz, e passo a citar, “apesar de ser chamado de AeroRei, o jatinho ainda não recebeu um nome oficial. Roberto, inclusive, tem pedido sugestões aos amigos”. Portanto, a Carmen Augusta, como tua amiga que é, nada mais fez do que pedir a ajuda de outros amigos para em conjunto te ajudar na procura de um nome para o teu jatinho.
ROBERTO CARLOS – E quem foi que publicou lá no Splish Splash toda a matéria?
ARMINDO – Foi o administrador do blog.
ROBERTO CARLOS – E quem é o administrador do blog, posso saber?
ARMINDO – Sabes muito bem que sou eu, pá!
ROBERTO CARLOS – Assim como você sabe muito bem que administrador de blog só publica o que acha que pode publicar, né?!
ARMINDO – Pois. Mas esqueceste-te que o administrador não é o único a decidir, pois logo vieram a Mazé, a Con a Miriam, a Lilian e o Bottary ameaçando-me que se eu não publicasse no Splish Splash a matéria sobre o nome para o teu jatinho eles logo iriam trabalhar pra outro blog. E tu sabes muito bem que é difícil, se não mesmo impossível, arranjar colaboradores como os que o Splish Splash tem. Por isso…
ROBERTO CARLOS – Soube, também, que a vossa promoção até meteu prémio oferecido por um patrocinador de França. Puxa vida! Meu Leajet já chegou a França, é? Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto esse promotor é o Manuel Lopes, o tal portuga que já te falei, que vive em França e está casado com a espanholita Isabel. Foi ele o vencedor da promoção dando o nome “Pra Sempre” ao teu jatinho.
ROBERTO CARLOS – Mais uma prova que no Splish Splash está tudo feito, mora! Onde já se viu o próprio patrocinador do prémio ganhar o prémio? Eheheheheh Só no blog mais melhor bom do mundo e arredores! Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, não te rias, pá! Não é nada disso que estás a pensar. Ao contrário do que dizes, o que se provou é que o Splish Splash é um blog popular onde todos podem participar. Aliás, ficou estabelecido que até tu podias participar na promoção sugerindo e votando no nome para o teu jatinho.
ROBERTO CARLOS – eheheheheh Bicho, você me faz rir, mora! Cê não acha que era ridículo eu próprio entrar nessa jogada sugerindo e votando nome pro meu jatinho pra depois ser eleito um nome que eu não iria gostar? Depois, tem outra coisa, cara: se fosse eu o vencedor, na certa que o prémio pra mim não seria o CD “Emoções” do fadista José da Câmara e a camisa Splish Splash, mas sim o balde de plástico e o pacote de farinha Amparo. A propósito, só mesmo você é que teria essa ideia maluca de oferecer como prémio um balde de plástico e um pacote de farinha. Onde já se viu, mora?!
ARMINDO – Ó Berto, mais uma vez estás enganado, pois não fui eu que tive essa ideia, mas sim o Paulinho, um gajo portuga, que mora em Guimarães e que é primo do Manel de França. O gajo é proprietário de duas fábricas, uma de plásticos e outra de farinha da famosa marca Amparo. Cada qual dá o que tem, não achas, pá?
ROBERTO CARLOS – Olhe aí, Mindo! Eu tô achando é que todo mundo que transa lá no Splish Splash se arrisca a ficar biruta como você, mora! Depois, é claro, não admira aparecerem baldes de plástico e pacotes de farinha. Eheheheheh Esse Paulinho aí, ainda deve ser pior que você, mora! Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, sabes que o nome “AeroRei” proposto pelo James Lima, aquele gajo…
ROBERTO CARLOS – Sei quem é, bicho! É o cara bem legal lá de Teresina que ao que sei tem mais juízo que você, apesar de ser muito mais novo. Já tirei foto com o cara no meu camarim, sabia?
ARMINDO – Eu vi a foto. Mas como estava dizendo, ou melhor, como estava a dizer (até já começo a falar brasuca) eheheheheh…
ROBERTO CARLOS – Isso é pra você não rir de mim quando eu sem querer também falo portuga. Eheheheheh
ARMINDO – Mas como eu estava a dizer, o gajo ficou em segundo lugar com apenas um voto de diferença e…
ROBERTO CARLOS – Já sei! Aí, você deu pro James o tal balde de plástico e o pacote de farinha Amparo desse Paulinho doido demais. Eheheheheh
ARMINDO – Nada disso, pá! Hoje não acertas nenhuma, carago! O James recebeu o prémio igual ao do Manel.
ROBERTO CARLOS – Mas… então quem foi que ganhou o balde de plástico e o pacote de farinha, bicho?
ARMINDO – Ó pá, a Con…
ROBERTO CARLOS – Pére aí, cara! Quem é essa de Con, mora?!
ARMINDO – Ó pá, é aquela gaja boa e loura que tem a mania que quer casar contigo.
ROBERTO CARLOS – Puxa vida! São tantas as gajas, digo, as garotas que querem casar comigo… ehehehehe Mas se você diz que ela é uma brasa, aí eu já vou pensar no assunto, né?! Eheheheheh
ARMINDO – É a Conceição Oliveira, de Belo Horizonte, e eu não disse que ela era uma brasa, mas sim boa.
ROBERTO CARLOS – Bicho, você às vezes me confunde, mora! Boa e brasa não é a mesma coisa?
ARMINDO – Sabes bem que não, pá! Eu disse que ela era boa porque na Hora H ela sempre se lembra dos amigos. Por exemplo, no dia 22 o Vina fez anos e a Con, lá no seu blog “Confissão” fez uma homenagem do carago ao gajo, com um vídeo exclusivo e tudo, pá!
ROBERTO CARLOS – Mas que gajo, digo, que cara é esse de Vina? Você me fala em nomes como se eu já conhecesse todo mundo, mora!
ARMINDO – Ó pá, o Vina é o Vinícius Faustini, de Vitória – Espírito Santo, o tal que também é conhecido por Salafrário por causa do seu “Diário de um Salafrário” que já vai em dois livros editados.
ROBERTO CARLOS – Ah! Porque você não disse logo que era esse gajo, digo, esse cara, carago, digo, caramba?!
ARMINDO – Mas como eu estava a dizer, foi a Con que se lembrou de propor que o prémio do balde de plástico e do pacote de farinha Amparo fosse para ti.
ROBERTO CARLOS – Eu não acredito, mora!
ARMINDO – Ó Berto, sabes bem que o que vale é a intenção, né?!
ROBERTO CARLOS – Mas qual intenção, bicho?! Fique você com esse prémio ridículo, mora!
ARMINDO – Fico eu com o prémio? Nem estou em mim, carago!
ROBERTO CARLOS – Só mesmo um louco como você daria valor a um simples balde de plástico e a um pacote de farinha, mora!
ARMINDO – Se consideras simples um grande balde de plástico com 100 kg de moedas de ouro e um pacote de farinha contendo propriedades da eterna juventude e que foi descoberta juntamente com os manuscritos do Mar Morto, então eu quero ser louco, pá!
ROBERTO CARLOS – Armindo, é claro que eu táva brincando com você, né?! Jamais eu iria recusar prémio de alguém por mínimo que fosse. Eu quero esse pacote de farinha, mora!
ARMINDO – Pois, mas acontece que como antes disseste que eu podia ficar com o prémio, acontece que ele agora é meu. Por isso…
ROBERTO CARLOS – Oi, Mindo! Se deixe de coisinha, mora! Fique lá com esse balde de plástico com moedas de ouro e me dê o pacote de farinha, tá?
ARMINDO – Pra que é que queres o pacote de farinha, carago?!
ROBERTO CARLOS – Mindo, não disfarce, bicho! Preciso dizer? Cê já viu, cara?! Eu voltando a ser jovem? Como cê costuma dizer, era o delírio, mora! Aí, sim. Eu seria Roberto Carlos pra sempre.
ARMINDO – Ó Berto, mas a malta já diz que tu estás sempre jovem e que serás eterno. Por isso…
ROBERTO CARLOS – Bicho, cê sabe tão bem quanto eu que isso é a malta, digo, a galera falando, mas a realidade é que conta, né?! Mas me diga aí: porque esse tal de Paulinho, primo do nosso Manel de França, nunca usou essa farinha da juventude?
ARMINDO – Ó pá, eu também lhe perguntei isso e o gajo respondeu-me que já estava farto de viver e agora que está reformado o que quer é que não lhe falte música tua para ouvir e que quando for desta para melhor possa levar com ele um leitor e uns CD teus para levar a vida numa boa ouvindo as tuas músicas. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Mindo, onde já se viu um cara querendo morrer para levar a vida ouvindo música minha? Eheheheheh
ARMINDO – Ó Roberto, perguntas-me a mim? Ele é que sabe, pá! Se calhar o gajo acha que tu quando cantas até dás vida a um morto. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Mindo, tô vendo que esse Paulinho é de morte, digo, é demais! Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, essa foi boa, pá! Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Oi, Mindo! Dá pra eu telefonar pra você mais daqui a pouco, bicho? É que me lembrei agora que tenho que telefonar pro Eduardo Lages por causa de um assunto muito importante, viu?!
ARMINDO – Tudo bem, pá! A mim até me dá jeito que telefones outra vez.
ROBERTO CARLOS – Então até mais logo, viu?! Abração, bicho!
ARMINDO – Até logo, pá! Abraço.


AVISO:
 
O texto que acabaram de ler é fictício.
Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

A ficção revela verdades que a realidade omite
Jassemin West
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Enviar um comentário

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil