ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

6 de junho de 2013

A Folha

Pintura a óleo - A. Guimarães





Por: Armindo Guimarães
Facebook


Lá, onde a terra acaba e o mar começa, é Outono.

O Astro-Rei, espreitando entre as nuvens, parece espreguiçar-se. Na colina de Sant’Ana, uma das sete de Olisipo, a folha despede-se da sua árvore e nas asas de Éolo, filho de Poseidon, voou, voou, voou.

Lá, onde o Deus Sol impera, uma cordilheira é guardiã de uma pirâmide ancestral em cujo cume a folha pousou.

Desenhem-me uma pista e um sinal urgentemente, que eu quero ver o meu amor ardente – rogou a folha aos deuses.



E os deuses, em vez de uma, desenharam na terra dezenas de pistas, qual Via Láctea, o antigo caminho do Sol, e qual Andrómeda, de Pégaso, que voou para o Olimpo onde Zeus o transformou numa constelação.

E os deuses, em vez de um, desenharam na terra dezenas de sinais de formas geométricas e colossais: o condor, a sereia, a flor, o papagaio, o cão, a aranha, o beija-flor, quais gravuras de um livro aberto, cujas páginas, ainda não folheadas, aguardam ser lidas para que, finalmente, revelem ao mundo os seus segredos.



Porque acreditou haver caminhos sem escolhos e que tinha aquecido a noite fria, dizem que a folha ainda hoje se encontra no cume da velha pirâmide, olhando as pistas e os seus sinais, esperando ver o seu amor envolto em luz.

Luz que o Deus Sol em forma de centelhas empresta a Vicanota que corre pacífico por entre as margens do Vale Sagrado onde fica a cidade perdida.

Lá, onde a terra acaba e o mar começa, é Primavera.

Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

3 comentários:

  1. Que lindo meu maninho escritor!

    Lindo, romântico e bem ao estilo de um Templário!

    Parabéns!

    Beijos,
    Guta

    ResponderEliminar
  2. Esses contos..... em que uma folha, na ansiedade louca de ver o seu amor ardente, desencadeou uma série de desenhos, por parte dos deuses.... provocam em mim uma gigantesca vontade de dizer ... que o Vicanota banhando ele o Vale Sagrado dos Incas, tem tudo a ver com a minha viagem de sonho... que é, visitar e viver a experiência única, de pisar o solo de Machu Picchu, sentir em mim todos os fluidos energéticos, que me transformariam nessa folha, que espera ansiosa... não sei se o seu amor envolto em luz.... mas, talvez a luz do amor, envolta nela!!!
    Adorei o conto... me encantou a espera *
    Beijos
    Natália Pires (Lita)

    ResponderEliminar

  3. Querido Armindo!

    Muitos são os Escritores, mas poucos os que tem o dom de nos fazer viver o momento descrito, com tamanha emoção, como se fizéssemos parte da história e Tu consegues nos envolver de uma maneira, que eu me senti aquela folha que voou, voou, voou...

    Um belíssimo e romântico Conto!

    Maravilhoso os desenhos das pistas e a foto que serve de ilustração é fantástica!

    Parabéns Armindo, mais uma vez vens confirmar que és um Grande Escritor!

    Beijinhos,
    Alba Maria


    ResponderEliminar

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis