LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/27/2009

Essa é a Lisboa que eu gosto

1 - Praça do Comércio

O post anterior, sob o título Julho e Agosto, S.A., um artigo do nosso amigo e colaborador H. Antunes Ferreira, foi publicado no site Sorumbático o qual colocou a sorteio um livro para o melhor comentário que sobre a crónica for apresentado até às 20 horas de terça-feira, dia 28.

Por isso, exorto os visitantes do Splish-Splash que já tiveram a oportunidade de ler a referida crónica do Antunes Ferreira que se dirijam ao Sorumbático e deixem um comentário que os habilitará a um magnifico livro. Não é “A vingança da mulher dos tremoços”, o famoso best seller de Armindo Guimarães e Woody Allen, mas para lá caminha.

Eis o meu comentário, agora alicerçado com fotos roubadas na net
.

2."A Ginginha" no Rossio - 3. "A Ginginha sem Rival" nas Portas de Santo Antão

Embora não seja alfacinha e nem sequer viva em Lisboa, compreendo o Antunes Ferreira e não sou eu, tripeiro de gema, que lhe vai estragar os planos invadindo a capital nos meses de Julho e Agosto.

À tranquilidade olissiponense do Antunes, eu gosto é de apreciar de palanque e de copo de ginjinha com elas na mão, o ambiente efervescente do Rossio à porta de “A Ginjinha”, enquanto o senhor José me engraxa os sapatos e não raras vezes até as meias quando a sua atenção profissional é desviada por mor daquela africana de curvas sensuais ou daquela indiana bonita cujo sari solto e colorido deixa adivinhar divinas formas sensuais que abrem o apetite de qualquer um que saiba que mais adiante, nas Portas de Santo Antão, frente à antiga sede do Glorioso e a poucos metros do Coliseu, existe a Casa do Alentejo cuja fachada não condiz com a beleza arquitectónica que possui no seu interior onde por razoável quantia os nossos sentidos degustativos podem ser postos à prova com a riqueza da cozinha alentejana em tempos improvisada por motivos de tanta carência. À saída pode ler-se num cartaz: “ALENTEJO – uma Região, um Povo, uma Cultura”, e alguém, quiçá depois de bem comido e bem bebido (juro que não fui eu), completou: “…uma Anedota”.

4, 5, 6 - Alguns pormenores da "Casa do Alentejo"

Depois da Casa do Alentejo, ando meia dúzia de metros rumo a outra casa, a “Ginja sem Rival”, desta vez para um “Eduardinho” como digestivo, ou, como opção, ando mais uns poucos metros e saboreio um “Pirata” nos Restauradores, após o que estou preparado para, em jeito de passeio higiénico, tomar uma bica no Chiado à mesa com o Fernando (o Pessoa), seguindo depois pela rua Augusta até à praça do Comércio para apreciar as obras do costume ou então, feito gaivota (que não Fernão Capelo), atravessar o Tejo de cacilheiro onde me espera “O Grande Elias” com uns atractivos caracóis regados com umas imperiais bem espremidas.

7. "Bar Pirata" nos Restauradores - 8. O meu amigo Fernando (o Pessoa) no Chiado
E como entretanto é hora da janta, é certo e sabido que estarei lá onde as liras singelas tangem. E no silêncio da velha Lisboa um tripeiro irá lembrar o alfacinha Antunes Ferreira.

9. Cacilheiro rumo a Cacilhas - 10. Bairro Alto

Essa é a Lisboa que eu gosto.


3 comentários:

  1. Armiandíssimérrimo

    Nem sei o que te diga, juro mesmo, pelas cinco chagas do Cristo.

    Nunca um textículo meu teve um tal destaque na blogosfera. Estou todo cagalizado, todinho. Estragas-me com mimos. Assim fossem todos. Cambada de sacristas que nem à sacristia vão, quanto mais à Travessa.

    Permite-me que te re meta-te para uma geral que dei no Travessa sobre o tema. Ou seja uma resposta, nada de más interpretações. Quer-se dizer culectiva (também com o).

    E desfio um desafio: se responderes a ela, levas um prémio-mistério. Meu, não o do Sorumbático, kesse só depois da apreciação, e não é mistério, nem do Armiando, muito menos do Madeirinha.

    Estando em conformidade, atesto a veracidade da afirmação. Eu cumpro. Mas ondékeu já ou vi isto.

    Kanimambo (*)

    Abs

    (*) Ser poliguel-ota é bué da fixe. Agora é mais poliguel-alcochete-sem-freeport.

    ResponderEliminar
  2. Olá Armiandíssimérrimo, ufa!
    Como ele consegue?

    Sua Lisboa é muito bonita,mas pelo jeito você vai lá só para comer e beber...


    Bejos mil,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  3. Olà Mindo! dessa Lisboa assim contado qualquer gajo gosta pà!porque eu sabia que là se encontam coisas bem bonitas mas para comes e bebes nao deve haver como a nossa regiao.O Antunes que me desculpe mas desta posiçao ninguem me tira; embora se encontre mais caracois là para o sul que para o norte, mas isso cada um é livre de andar à velocidade que quer.Mas tudo isto que estou aqui dizendo é so para a brincadeira espero nao ter ofendido ninguem.Abraços para todos

    ResponderEliminar

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo