Novidades

segunda-feira, novembro 23, 2020

Estudo recente confirma que consumo diário de nozes reduz risco de doenças cardíacas

Estudo publicado no último dia 10 de novembro no Journal of the American College of Cardiology é o maior e mais longo ensaio até agora explorando os benefícios do consumo diário de nozes

Estudo publicado no último dia 10 de novembro no Journal of the American College of Cardiology é o maior e mais longo ensaio até agora explorando os benefícios do consumo diário de nozes, que incluem a diminuição do risco de doenças cardíacas.


São Paulo – 23/11/2020 - O consumo diário de oleaginosas pode trazer diversos benefícios para a saúde e recentemente um estudo confirmou que a ingestão diária de nozes diminui o risco de doenças cardíacas. Publicado no último dia 10 de novembro no Journal of the American College of Cardiology, o estudo Effects of 2-Year Walnut-Supplemented Diet on Inflammatory Biomarkers é um ensaio clínico randomizado que faz parte do fez parte do estudo Walnuts and Healthy Aging (WAHA) - o maior e mais longo ensaio até agora explorando os benefícios do consumo diário de nozes. “Os resultados indicam que pessoas na faixa dos 60 e 70 anos que consomem regularmente nozes podem ter redução da inflamação, um fator associado a um risco menor de doença cardíaca, em comparação com aqueles que não comem nozes”, afirma a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez*, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

No estudo, mais de 600 idosos saudáveis consumiram 30 a 60 gramas de nozes por dia como parte de sua dieta típica ou seguiram sua dieta padrão (sem nozes) por dois anos. “Aqueles que consumiram nozes tiveram redução significativa da inflamação, medida pela concentração de marcadores inflamatórios conhecidos no sangue, que foram reduzidos em até 11,5%”, afirma a médica. Dos 10 marcadores inflamatórios bem conhecidos que foram medidos no estudo, seis foram significativamente reduzidos na dieta de nozes, incluindo interleucina-1β, uma citocina pró-inflamatória potente cuja inativação farmacológica foi fortemente associada a taxas reduzidas de doença cardíaca coronária. “A conclusão do estudo é que os efeitos anti-inflamatórios das nozes fornecem uma explicação mecanicista para a redução das doenças cardiovasculares além da redução do colesterol”, afirma a Dra. Marcella.

A inflamação crônica é um fator crítico no desenvolvimento e progressão da aterosclerose, que é o acúmulo de placa ou "endurecimento" das artérias, a principal causa de ataques cardíacos e derrames. Portanto, a gravidade da aterosclerose depende muito da inflamação crônica, e as mudanças na dieta e no estilo de vida são fundamentais para mitigar esse processo. De acordo com a médica, a inflamação aguda é um processo fisiológico devido à ativação do sistema imunológico por lesão, como trauma ou infecção, e é uma importante defesa do corpo. “A inflamação de curto prazo nos ajuda a curar feridas e a combater infecções, mas a inflamação que persiste com o tempo (crônica), causada por fatores como dieta inadequada, obesidade, diabetes, dislipidemia, stress e pressão alta é prejudicial, principalmente no que diz respeito à saúde cardiovascular. As descobertas deste estudo sugerem que as nozes são um alimento que pode diminuir a inflamação crônica, o que pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardíacas - uma condição à qual nos tornamos mais suscetíveis à medida que envelhecemos", diz a médica nutróloga.

Enquanto as evidências científicas existentes estabelecem as nozes como um alimento saudável para o coração, os pesquisadores continuam a investigar o "como" e o "porquê" por trás dos benefícios cardiovasculares das nozes. De acordo com a médica, as nozes têm uma mistura ideal de nutrientes essenciais, como o ácido alfa-linolênico ômega-3, e outros componentes altamente bioativos, como os polifenóis, que provavelmente desempenham um papel anti-inflamatório e outros benefícios para a saúde", diz a médica.

A médica pondera que uma investigação mais aprofundada é necessária em populações mais diversas e desfavorecidas. “A introdução das nozes na dieta também deve ser feita por meio de uma estratégia alimentar e com orientação médica nutrológica”, finaliza a médica.

*DRA. MARCELLA GARCEZ: Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário