ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

11/12/2020

CCB Lisboa | BO(U)CHECHA espetáculo multidisciplinar de Miguel Filipe - 19/11

BO(U)CHECHA de Miguel Filipe - BBC Lisboa, dia 19/11



Miguel Filipe apresenta a sua primeira peça multidisciplinar tendo como linha de pensamento a pesquisa sobre o ato de sonhar.


Miguel Filipe

Bo(u)checha


CCB ▪ 19 de novembro ▪ 19h00 ▪ Pequeno Auditório


criação e execução Miguel Filipe

intérpretes Eva Aubigny, Miguel Filipe e Océane Crouzier

sonoplastia Miguel Filipe

desenho de som Rui Dâmaso

desenho de luz e direção de cena André Calado

voz off Valentim Filipe

assistência à dramaturgia Jean Geoffroy

música de Bruno Mantovani, Iánnis Xenákis, Miguel Filipe, Óscar Escudero e Unsuk Chin


Como processo físico, o sonho pode ser uma porta aberta ao desconhecido, pode ser o alicerce para a procura de novas sensações, mas também um enclausuramento ao indivíduo e aos medos.


De um lado esotérico ele pode incarnar o desconhecido, a divindade, o medo, a vontade, a igualdade, o amor.


Por poder ser tudo, o sonho cria a imprevisibilidade de um zapping de imagens e figuras, uma dualidade entre o humor e a seriedade, entre o saber e o esquecer, entre o elegante e o sujo, entre o fantasioso e o cru. Uma alternância entre a sensualidade e a loucura, a agressividade e a calma, entre a sedução e a rejeição.


No fundo, o frenesim: o espaço que nos molda o corpo, dançamos; em que a boca não fala, rimos; e os olhos dançam, cantamos.


Bo(u)checha surgiu da vontade que Miguel teve de materializar diversos desejos artísticos que borbulhavam na sua cabeça nos últimos anos, coabitando música, movimento e vídeo; mantendo como base a música para percussão solo contemporânea, procurando explorar outros territórios.


I love the sensual.

For me this

And Love for the sun

has a share in brilliance and beauty

Excerto de poema de Safo

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo