ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

21 de abril de 2015

Fãs de Roberto Carlos entrevistados pelo Portal Splish Splash – FABIANO CAVALCANTE



A pensar nos milhares de fãs de Roberto Carlos, espalhados pelo Mundo, o Portal Splish Splash achou por bem auscultar a alma robertocarlistica que por eles perpassa, dando início a uma série de entrevistas que, cremos, poderá de algum modo contribuir para uma melhor compreensão do motivo que leva tantos a admirar a obra de um cantor/compositor Brasileiro que ao comemorar 55 anos de carreira, não só consegue manter a fidelidade dos seus fãs que o acompanham desde o início da sua trilha poética e musical, como ainda, atrair muitos jovens que não conseguiram ficar indiferentes à obra daquele que, como disse o poeta, se mais mundo houvera lá chegara.

A seleção da série de entrevistas não obedece a nenhum critério relativamente a este ou àquele fã, foram obtidas por quem as irá publicar, ou seja, Armindo Guimarães, Carmen Augusta e Derbson Frota, de acordo com os contatos que possuem. Também a publicação, que acontecerá às terças-feiras e sábados, é aleatória, ou seja, não tem qualquer ordem em relação aos fãs. Todos eles admiram o rei Roberto Carlos e por isso todos nos merecem a mesma estima e a mesma consideração, independentemente de, muito naturalmente, podermos conhecermos melhor este ou aquele fã.

A entrevista que se segue é com Fabiano Cavalcante, cearense residente em Fortaleza, a quem ele carinhosamente chama de "Capital Mundial do Rei". 
Confira a entrevista:

SPLISH SPLASH - Como começou a gostar do NMQT Roberto Carlos?

Fabiano Cavalcante - Por influência dos meus irmãos que eram crianças na época da Jovem Guarda e tinham o Roberto como ídolo. Toda semana tinha festa lá em casa, e nunca faltou a coleção de discos do Rei lá em casa. Então eu só tinha dois caminhos: amar ou odiar. E eu amo o Rei até hoje.

SS - Você se considera um grande fã? Por quê?

FC - Quando eu era criança, eu queria ser o Fã Número 1. Depois que consegui juntar toda a coleção, e num lance de pura sorte comprei um disco que tinha ele cantando uma música em francês, passei a me autodenominar o Fã nº 1. Com o tempo, aprendi que não é a quantidade de material que faz um fã ser maior do que outro, e sim o amor pelo seu ídolo, e como não tem como medir o amor, cheguei a conclusão de que não tem fã grande nem pequeno, todos somos fãs nº 1.

SS - Se estivesse numa ilha deserta com a amada, qual música do rei colocaria pra tocar?

FC  - Depende do dia. Todo dia eu amanheço com uma música do Rei na cabeça, e ela vai se alternando. Mas se fosse para escolher para criar o clima perfeito, talvez Simples Mágica, Doce Loucura, Comandante do Seu Coração, Seu Corpo, Eu Nunca Amei Alguém Como Eu Te Amei... É difícil, viu?

SS – Você já participou de muitas “loucuras” pelo rei. Cite algo engraçado e/ou emocionante que você viveu.

FC  - A primeira que me vem à mente nesse momento, foi ter aceitado participar de um programa de televisão durante 10 semanas, respondendo a perguntas sobre a vida do Rei. Quando aceitei, me pareceu algo simples, mas ao entrar pela primeira vez no palco, com plateia me olhando, programa ao vivo, jurados... a pressão me pegou de jeito. Passei a receber telefonemas de parentes que eu nunca tinha ouvido falar, pessoas passaram a me reconhecer na rua e me incentivar. Tudo isso me colocou sobre os ombros uma responsabilidade muito grande de não poder errar. Passei a ficar com dor de barriga dois dias antes de cada programa; praticamente não comia nada até o programa terminar. Virou uma tortura. A pergunta final mostrou uma música que eu conhecia e que tinha ouvido a caminho da emissora, mas perguntava sobre os autores, e eles eram argentinos e os nomes não me vinham na mente, e o apresentador tendo que finalizar, um sufoco, até que eu respondi corretamente e aquilo terminou. Nunca mais farei isso de novo.
  
SS – Qual a emoção de ter lançado um livro contado suas emoções em detalhes? Considera também uma homenagem ao rei?

FC - A ideia do livro foi do meu amigo e irmão Beto Brito, meu grande incentivador. Passei muito tempo escrevendo e reescrevendo e não conseguia terminar. Até que marquei uma data fatal e o livro teve que sair de qualquer jeito. Então reuni algumas das histórias que vivi. Muitas ficaram escritas mas não foram incluídas. Fico meio envergonhado de mostrar o livro e passar a impressão de arrogância. Mas com certeza o livro é uma homenagem. Tanto é assim que foi lançado para comemorar os 70 anos do Rei.

SS – Em 1998 você teve o primeiro contato com RC, em Natal. Qual foi a emoção de tê-lo visto pela primeira vez?

FC  - Eu lembro de cada segundo que antecedeu e que sucedeu ao encontro. Detalhe por detalhe. Mas duas coisas me marcaram profundamente. Quando o Rei chegou eu não parava de olhar pra ele; não queria nem piscar pra não perder nada; e ficava pensando: "olha o cara aí. O ídolo dos meus irmãos. O meu ídolo. Aquele que nunca nenhum de nós tinha chegado perto e ele está aí". A outra coisa, foi já na saída. Meus pensamentos imploravam para eu pedir e minha vergonha me segurava, até que uma voz na minha consciência disse "é agora ou nunca; você pode nunca mais ter outra oportunidade". Então eu disse: Roberto, posso te pedir uma coisa? E o Rei meio que surpreso, respondeu: Pode. E eu pedi: "Posso te dar um abraço?" Todos sorriram e ele disse, "Claro, bicho, vem cá. E me deu um grande abraço. Só de escrever, já me voltam as lágrimas aos olhos nesse momento.

SS – Qual a emoção de fazer um programa de rádio em homenagem ao seu ídolo?

FC  - É um grande barato. Pra mim, é uma festa que faço toda semana, com uma multidão de amigos. E o bom é que quando termina a casa continua organizada (risos). Mas é um grande prazer e uma grande responsabilidade, porque hoje são mais de 267 mil ouvintes por minuto, e fazer um programa que agrade a todos e não permita que mudem de estação não é tão simples.

Nota do portal: Fabiano Cavalcante apresenta o programa de rádio "O som do rei", pela FM 93, de Fortaleza, aos domingos das 5 às 9hs, em homenagem a Roberto. 

SS – Você é um dos grandes colecionadores de RC. Qual peça é sua preferida? Qual deu mais trabalho adquirir?

FC  - Cada coisa tem uma história e tem sua importância. Mas tem duas coisas que me dão muita satisfação em mostrar: uma pasta com o material que adquiri em Cachoeiro de Itapemirim, direto com as professoras e amigos do Rei, além da segunda via de sua Certidão de Nascimento. A outra coisa é o Louco Por Você. Sempre que pego nele, imagino que apenas 500 pessoas tem esse disco.

SS - Uma música que você sempre põe no “repeat”:

FC  - Sinceramente, foram raras as vezes em que coloquei uma música no "repeat". Porque quando escuto uma música, ela me lembra outra, que chama uma outra e que seguram o clima do momento. Sou muito chato pra ouvir música por causa disso. Mas tem uma que as vezes me faz apertar o "repeat": Você Como Vai (1992).

SS - Muitas são as músicas do repertório do rei e muitas são aquelas que ele há muito não canta. Que música gostaria que ele voltasse a cantar?

FC  - Eu acho que a música O Divã, ou À Janela, seriam músicas que se voltassem ao repertório de shows do Rei, seriam "arrasa-quarteirão".

SS - Se Roberto Carlos fosse almoçar em sua casa, o que prepararias?

FC  - (risos) uma vez eu falei que nunca o convidaria porque ele só comia frutos do mar. Hoje tá mais fácil, né? Eu faria o simples, cara. Feijão, arroz, bife, salada e farofa (risos).

SS - Se fosse escolher para ouvir 10 músicas do rei, em ordem de preferência, quais seriam?

FC  - Essa eu não vou responder porque depende muito do momento.

SS - Se tivesse a oportunidade de falar ao vivo com o rei, o que diria?

FC  - Bicho, eu te amo. Obrigado por tudo. 

SS - As músicas do rei não seriam a mesma coisa sem as respetivas letras. Independentemente da música, diga os títulos de três letras que mais a impressionam e porquê.

FC  - Amazônia - pela genialidade poética de seus versos;
- Como É Grande o Meu Amor Por Você - não consigo entender como uma letra extremamente simples como essa, consegue tocar tanto as pessoas ao ponto de ser cantada em aniversários, enterros, casamentos e homenagens;
- Emoções - inexplicável o que essa música causa em mim. Cada verso, frase, rimas e significados.

SS - O rei possui em torno dele uma vasta equipe, desde os elementos que compõem a orquestra (RC9), aos elementos da administração, assessoria de imprensa e apoio logístico. Com certeza você simpatiza por alguns desses elementos por os conhecer ou já ouvir falar. Cite quais e por quê.

FC  - O Marketing. A construção e a manutenção do mito. Isso me fascina.

SS - O que mais gosta na personalidade do rei?

FC  - Como pessoa humana, a generosidade. Como artista, o domínio de palco e público e da sua obra.

SS – Por que não tem mais blog e/ou site em homenagem ao rei?

FC  - Desde 1998 quando fui convidado pelo meu amigo e irmão Beto Brito para construirmos o Planeta Rei e ele me sugeriu que fizesse a parte de notícias. Me impus a obrigação de publicar uma notícia por dia do Rei. Isso passou a me tomar um tempo gigantesco e uma aflição diária. Como passaram a existir muitos sites e blogs que divulgavam praticamente as mesmas coisas, poderia gerar um sentimento de rivalidade entre os blogs e as pessoas, então, resolvi dar um tempo. Acho que a missão foi cumprida.

SS - Se tivesse que escolher uma frase robertocarlística do repertório do rei que mais se identificasse com você, que frase escolhia?

FC  - Essa é a frase da minha vida: "se chorei ou se sorri o importante é que emoções eu vivi."

SS - Responda a pergunta que não fizemos e que gostaria que lhe tivéssemos feito.

FC  - Você fez todas. Parabéns e obrigado pela oportunidade.


Entrevista conduzida por 
Derbson Frota
Derbson Frota

Sobre o autor

Derbson Frota - Professor, blogueiro, jornalista, radialista, cordelista e wikipedista, é graduado em História e especialista em Mídias na Educação e em Informática e Comunicação na Educação. Redator do Portal Splish Splash desde 2014. Leia Mais sobre o autor...

3 comentários:

  1. Rosemeire Barbosa21/04/2015, 15:11:00

    Parabéns Armindo pela ideia genial de entrevistar os fãs de Roberto Carlos. Nesta em especial, preciso comentar o quanto admiro Fabiano Cavalcante e o quanto sou grata pela oportunidade que ele me deu em 2011 em me entrevistar no programa de rádio dele. Foi mais uma oportunidade de divulgar o meu trabalho didático e social sobre o Projeto Roberto Carlos: O Mensageiro da Paz. Lindo relato Fabiano Cavalcante!!! Deixo aqui minha emoção e meu agradecimento. Beijos a todos deste portal MARAVILHOSO inovador nas ideias Robertocarlísticas!!!

    ResponderEliminar
  2. Quero agradecer a todos os Splishsplashianos principalmente ao Derbson por essa oportunidade/homenagem.

    ResponderEliminar
  3. Valeu, grande amigo Fabiano!
    Que Deus de bondade te proteja e abençoe sempre, e que você continue sendo esse grande fã do nosso RC.

    Derbson Frota
    Tianguá CE

    ResponderEliminar

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis