ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/09/2013

27.º Bate-papo entre Roberto Carlos e eu – Como dois e dois são cinco






Por: Armindo Guimarães
Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes



COMO DOIS E DOIS SÃO CINCO



“Às vezes as mentiras também ajudam a viver”
Roberto Carlos Braga


No dia 22 de Agosto, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e nos dias 25 e 26 do mesmo mês, no auditório do Ibirapuera, em S. Paulo, Roberto Carlos e Caetano Veloso actuarão no âmbito do projecto Itaúbrasil, que comemora os 50 anos da Bossa Nova. Os músicos vão cantar músicas de António Carlos Jobim, um dos principais compositores do movimento e da música popular brasileira. Sabe-se que o Rei cantará com orquestra regida por Eduardo Lages e Caetano pelo maestro Jacques Morelenbaun, e que farão duetos. O capixaba e o baiano encontraram-se no dia 15 (Sexta-feira), no estúdio de Roberto Carlos na Urca, no Rio e, numa pequena pausa durante o ensaio, enquanto saboreavam sorvete de chocolate, lembraram-se de me telefonar, facto que me deixou eufórico com semelhante surpresa.

Para além de Roberto e Caetano, o bate-papo estendeu-se ainda ao maestro Eduardo Lages e a Paulinho, o guitarra da banda que foi baptizada de RC9 mas que com o tempo já conta com cerca de 17 elementos.

Eis o relato do bate-papo:

15 de Agosto de 2008, Sexta-feira, 19,47h
O meu telemóvel vibra.
Trrrrrrr, trrrrrrr, trrrrrrrr... Chamada anónima.
E eu atendo.

ARMINDO – Estou! Quem fala?
ROBERTO CARLOS – Oi, seu portuga! Tô aqui transando um sorvete de chocolate com um amigo e como távamos falando de você, aí eu estou lhe telefonando pra saber como cê está, bicho!
ARMINDO – Grande Roberto! Estava mesmo a pensar em ti, carago!
ROBERTO – Cê táva pensando em mim do quê, cara?
ARMINDO – Ó pá, estava a pensar que nunca mais me telefonavas.
ROBERTO – Puxa vida! Não vai há muito tempo e eu telefonei pra você. Foi o mês passado, dia 19. Tá quase fazendo um mês.
ARMINDO – Mas não foste tu que me telefonaste, pá! Foi o Eduardo Lages e tu aproveitaste para bater papo comigo sem teres que pagar. Eheheheheh
ROBERTO – E quantas vezes Edu bate papo com você em meu celular? Além de que eu não sou como Edu que se aproveita de meu celular batendo papo com você por tempos infinitos, né?!
ARMINDO – Ó Berto, por falar no Edu, o gajo está aí, pá?
ROBERTO – Não tá, não! Neste momento estou em meu estúdio na Urca, pra ensaiar pro show do dia 22 no Teatro Municipal do Rio.
ARMINDO – Ó Berto, mas disseste-me que estavas a transar um sorvete de chocolate com um amigo e eu até pensei que era o maestro Eduardo Lages.
ROBERTO – Não é, não, cara! Fizemos uma pausa no nosso ensaio para saborear a delícia do sorvete e logo, logo, vamos recomeçar.
ARMINDO – Então vocês estão a ensaiar sem o Eduardo Lages, porquê? Não me digas que já despiste, digo, já despediste o Mestre Maestro!
ROBERTO – Que nada, bicho! Edu apenas teve uma pequena enxaqueca e telefonou dizendo que não podia vir no ensaio. Puxa vida! Você agora está me fazendo interrogatório, é?
ARMINDO – Ó Berto, não te enerves, pá! Perguntar não ofende, carago! Então quem é o amigo que está aí a teu lado, pá?
ROBERTO – Bicho, quando falei pro meu amigo de você e de nossos bate-papos, ele se riu pra burro, não acreditando que eu andava batendo papo com um portuga. Vou passar meu celular pra ele, viu?
ARMINDO – Ó Berto, espera aí, pá! Mas afinal quem é esse teu amigo?
ROBERTO – Meu amigo é o baiano dos caracóis! Eheheheheh
CAETANO VELOSO – Olá, Armindo! Como vai? Roberto me falou de você e eu não acreditando em sua história ele fez questão de pôr nós dois batendo papo, aproveitando esta pequena pausa que fizemos em nosso ensaio pro show do Rio na semana que vem.
ARMINDO – Olá, Caetano! É uma honra pra mim estar a falar contigo, pá! Jamais eu iria pensar que iria ter a primazia de falar com o grande Caetano Veloso.
CAETANO – Não é tanto assim, como você diz. Eu meço pouco mais de um metro e setenta. Portanto, não sou tão grande assim. Além disso, depois de você ter tido primazia de bater papo com o Rei, com Eduardo Lages, com Erasmo Carlos, com Dudu e com todos os elementos que integram a orquestra do Roberto, a partir de então todo contacto passou sendo possível pra você com todos aqueles que pertencem ao reinado de amigos do Rei. Aí, eu sou apenas mais um que estou tendo o prazer de falar com você.
ARMINDO – Ena pá! Ó Caetano, estou a ver que estás bem informado, pá! O ensaio está a correr bem?
CAETANO – Tudo legal. Antes de darmos inicio ao ensaio, Eduardo Lages táva dizendo ao Roberto que você tinha postado uma mensagem no blog dele, dizendo que gostaria de bater papo comigo, com Roberto e com ele.
ARMINDO – Mas então, o Eduardo Lages está aí?
CAETANO – Sim. Ele está continuando o ensaio. Apenas eu e Roberto interrompemos por uns instantes pra um sorvetinho e pra telefonarmos pra você. Olhe aí, Mindo, como vai o Zézinho?
ARMINDO – Como vai o Zézinho? Quem é o gajo, pá?
CAETANO – Tô falando do vosso primeiro-ministro José Sócrates. Eheheheheh
ARMINDO – Ó pá, nem me fales nesse gajo, carago! Aí no Brasil é que faz calor pra carago e quem anda de tanga somos nós aqui em Portugal. É só aumentos disto e daquilo, excepto dos salários. O custo de vida aumenta e o povo não aguenta!
CAETANO – Mindo, aqui com o Lula tá sendo a mesma coisa. Todo mundo vive se queixando de falta de grana, excepto os ricos que estão ficando cada vez mais ricos.
ARMINDO – É isso, Caetano! Enquanto isso, os pobres estão cada vez mais pobres.
CAETANO – Olhe aí, Mindo, o Edu está chegando! Edu, tô falando com o Mindo lá de Portugal!
CAETANO – Pô, Mindo, o que eu fui dizer! Edu agora está discutindo com Roberto. Vou me aproximar deles pra você ouvir o que eles estão dizendo, tá?
ROBERTO – Não esquente, Edu!
EDUARDO LAGES – Você faz intervalo no ensaio pra bater papo com o Mindo e não me avisa, não?!
ROBERTO – Edu, você estava tão concentrado regendo a orquestra que eu nem quis interromper você, mora!
EDUARDO – Roberto, não disfarce pra mim. Tá na cara que você não queria é que eu entrasse neste bate-papo com o Mindo. Mas não faz mal, não! Desta vez tenho meu celular e agora mesmo vou telefonar pra ele.
ROBERTO – Edu, se deixe de cena, cara! Como você vai telefonar pro Mindo se ele tem seu celular ocupado com meu telefonema? Caê! Que tá você fazendo aí de celular na mão olhando pra nós, bicho? Cê já se despiu, digo, já se despediu do Mindo, desligando o celular?
CAETANO – Claro que não, Roberto! Como eu ia desligar seu celular sem você se despedir do Mindo? Você disse despir em vez de despedir? Eheheheheh
EDUARDO – Caetano, se você continuar falando mais vezes com o Mindo, na certa também você vai começar trocando essa palavra e até sem querer dizendo carago ao invés de caramba, lixado ao invés de tramado, malta ao invés de galera, porreiro ou fixe ao invés de bacana, e outras coisas mais que esse portuga diz. Eheheheheh
ARMINDO – Ó Caetano, passa aí o celular ao Edu, pá!
ROBERTO – Caetano, o que está dizendo o Mindo?
CAETANO – Está me pedindo pra eu passar o celular pro Edu.
ROBERTO – Minha Nossa Senhora! Eu tinha um pressentimento que isto ia acontecer!
EDUARDO – Roberto, não se preocupe não que eu não quero aproveitar a grana de seu celular pra falar pro Mindo. Eu próprio telefonarei pra ele.
CAETANO – Mindo, eles são sempre assim?
ARMINDO – Ó pá, é para veres o que eu tenho que aturar. Eheheheheh
CAETANO – Tô vendo que sim, Mindo. E eu nem sequer disse pro Edu que Roberto mentiu dizendo pra você que Edu estava em casa com enxaqueca. Eheheheheh
ROBERTO – Caetano, se deixe de dar piadinha, tá? Com você seria igual se estivesse no meu lugar, viu?! Edu pegando em meu celular pra bater papo com o Mindo, nunca mais acaba e eu fico sempre feito bobo assistindo.
ARMINDO – eheheheheh Ó Berto, tu és lixado, pá!
CAETANO – Na verdade, nunca se viu um Rei fazendo de bobo da corte. Eheheheheh

ROBERTO, EDUARDO e ARMINDO
eheheheheheheh

ROBERTO – Caetano, tô vendo que em nosso show você ao invés de ir pro palco cantar comigo, vai é contar piadinha pra plateia. Eheheheheh
CAETANO – Aí o bobo seria eu! Eheheheheh
ARMINDO – Ó Catetano, passa mas é o celular ao Edu, carago! Quero falar com ele, pá!
EDUARDO – Oi, meu primo e sócio Mindo! Tudo bem com você? Eu vou ser breve pois não quero que nosso Roberto fique danado com a gente. Eu só queria aproveitar pra dizer pra você que o concurso em meu blog está correndo sobre rodas, graças à participação de todos vocês e à coordenação de sua afilhada Con que está velejando bem o navio.
ROBERTO – Cê ouviu essa, Caetano? O blog do Edu tem rodas e é um navio!
CAETANO – Isso não me espanta nada, Roberto! Desde que vi um porco andando de bicicleta eu me acredito em tudo. Eheheheheh Agora o que me espantou foi ouvir o Edu dizer que o Mindo era primo e sócio dele! Cê não me tinha dito que Edu e Mindo eram familiares e ainda pra mais sócios.
ROBERTO – Olhe aí, Caetano! Se eu fosse explicar pra você esse negócio de primo e de sócio, estaríamos aqui falando nisso e noutras coisas mais durante todo o dia e lhe lembro que temos que prosseguir nosso ensaio, mora!
CAETANO – Pôxa! Vocês são mesmo enigmáticos pra burro!
ARMINDO – Eduardo, o Roberto está sempre pronto a meter a colherada! Eheheheheh Fico contente por saber que o Eduardo está a gostar da forma como tudo está a correr no seu blog e em especial quanto à participação da malta no concurso.
CAETANO – Eduardo, me desculpe interromper, mas não tô entendendo essa de concurso.
ROBERTO – Caetano, eu explico, mora! Como Edu não tem o que fazer, ele passa sua vida transando lá em seu blog, inventando coisas para entreter seus fãs. Sua última invenção foi essa do concurso que consiste em ele oferecer sua obra discográfica ao fã que acertar nas 2 músicas que faltam para completar as 12 de seu novo CD que vai sair em Setembro. Entendeu? Vou até ler pra você uma mensagem que trago em meu bolso e que o Edu postou lá em seu blog hoje mesmo antes de vir pro ensaio. Preste atenção, bicho! “Amigos, finalmente tudo certo com o CD... já está na fábrica. Capa bonitinha, musicas bonitinhas, aliás, tenho me divertido muito com o "concurso" para acertar o repertório. Acho que se demorar muito, vou ter que fazer uma tiragem especial para os ganhadores que podem ser muitos...rsrsrs. Voces são ótimos e me sinto um privilegiado com tanto carinho. Parece que o regulamento do "concurso" diz que irá até o final de Agosto...é, vou deixar vocês esperando até o ultimo dia pra notícia das 12. Bem, enquanto isso vou curtindo baiano e capixaba cantando Tom Jobim...muito legal, bem sei que vocês têm o seu preferido mas os dois são ótimos... também, com os meus arranjos... até eu canto. Abraços e até 31 de Agosto...rsrs...brincadeira, já volto. Eduardo”.
ARMINDO – eheheheh Ó Berto, tu és lixado, pá! Tás sempre pronto pra descobrires a careca ao Eduardo.
ROBERTO – Gente, vocês toparam Edu dizendo pros seus fãs que com seus arranjos até ele canta? Imaginem só Edu cantando em nosso show. Toda a galera fugia se assustando com sua voz. Eheheheheh
CAETANO – eheheheheh Roberto, essa foi forte. Mas está me querendo parecer que você é um dos fãs do Edu que passa o tempo transando em seu blog, de contrário você não saberia tanto pormenor.
ROBERTO – Caetano, você também, bicho? Já não bastava as piadinhas que ouço desses gajos, digo, desses caras, e agora também tenho que ouvir as suas?
EDUARDO – Ó Mindo, esta do Caetano pro nosso Roberto, foi a maior! Eheheheheh
CAETANO – Edu, me diga aí o nome de seu blog pra eu ir lá dando uma olhada, tá legal?
EDUARDO – Pois, não! Fico feliz se você for em meu blog e fazer parte de todos meus amigos que o costumam frequentar. Meu blog é www.eduardolages.blogspot.com
CAETANO – Edu, tem tanto pessoal frequentando seu blog?
EDUARDO – Não tem tanto, mas os que tem são bons. Me estou lembrando de alguns, como Carmen Augusta, Carlos André, Carlos Marley, Cynthia Coimbra, Cristiano Bessa, Dean de Sena, Derbson Frota, Everaldo Farias, Felipe Moura, Glaucia, James Lima, Juliana Flores, Júlio José, Lillian Rocha, Lituana, Lucas Carneiro, Lupa, Márcia Bennett, Marlos Chambela, Mazé Silva, Raphael, Regina, Rosangela Amorim, Silvana Costa, Suely Trevisan, Tadeu Prado, Tua Fotógrafa, Vinícius Faustini, Anónimos e outros que agora não me estou lembrando.
ARMINDO – Ó Eduardo, você esqueceu-se da minha afilhada CON e da Mércia Lages, sua cara-metade. Eheheheheh
ROBERTO – E também se esqueceu de você, Mindo! Eheheheheh
EDUARDO – Às vezes, sem querer, a gente se esquece da família! Eheheheheh
ROBERTO – Caetano, você topou como eu, que Edu, além de ter memorizado nome de tanto fã, ainda pra mais tem eles por ordem alfabética?
CAETANO – É mesmo como cê diz, Roberto. Edu não rege só sua orquestra. Ele também rege os fãs de seu blog. Eheheheheh
EDUARDO - Armindo, estava esquecendo de dizer pra você que meu chefe Enrico que sempre tá mandando, me ordenou pra mandar pra você um grande abraço mágico. Eheheheheh
ARMINDO – Obrigado, Eduardo! Um abraço também para o meu sobrinho Enrico e para toda a família.
CAETANO – Sobrinho Enrico? Roberto, me diga aí quem é esse Enrico…
ROBERTO – Caetano, se você quiser saber mais, você vai ter que vir aqui na Urca mais vezes, tá? Não queira saber tudo duma vez, tá legal?
CAETANO – Tudo bem, Roberto! Pode crer que eu podendo cá estarei, pois é porreiro, digo, é bacana ter um papo com o gajo, digo, com o cara. Eheheheheh
ROBERTO – Cê tá vendo, Caetano! É seu primeiro contacto com ele e já tá dizendo porreiro ao invés de bacana e gajo ao invés de cara. Eheheheheh
EDUARDO – Esse portuga contagia todo mundo. Eheheheheh
CAETANO – Olhe aí, Roberto! Cê sabe o que tô pensando?
ROBERTO – Caetano, cê também tem a mania do Mindo? Como vou saber o que você tá pensando se eu não sou bruxo, mora!
EDUARDO – É do baril, digo, é demais essa aí!
CAETANO – Roberto, eu táva pensando que seria legal a gente convidar o Mindo pra ir lá no Theatro Municipal do Rio, assistindo a nosso show.
EDUARDO – É isso aí, Caetano. Tenho certeza que o Mindo estando presente em nosso show, tudo daria certo.
ROBERTO – Edu, tudo daria certo como dois e dois são cinco. Eheheheheh
ARMINDO – Ó Berto, essa foi do baril, pá!
EDUARDO - Tudo vai mal, tudo, tudo, tudo, tudo...
CAETANO - Tudo mudou não me iludo e contudo…
ARMINDO - A mesma porta sem trinco…
ROBERTO - O mesmo teto, o mesmo teto…
EDUARDO - E a mesma lua a furar nosso zinco…

ROBERTO, CAETANO, EDUARDO, ARMINDO, cantando em coro:

Meu amor, tudo em volta está deserto, tudo certo
Tudo certo como dois e dois são cinco
Meu amor, meu amor, meu amor
Tudo em volta está deserto, tudo certo
Tudo certo como dois e dois são cinco
São cinco, são cinco

ROBERTO – Pessoal, vamos parar com esta loucura, carago, digo, caramba! Nosso ensaio não é aqui sentados comendo sorvete e batendo papo aí com esse portuga que mesmo estando longe de nós passa sua vida nos desencaminhando, mora!
ARMINDO – Estou longe e perto, sinto alegrias, tristezas e brinco…
CAETANO – eheheheheh Essa aí foi na hora, Mindo. Gostei!
ARMINDO – Ó Berto, lembrei-me doutra, pá!
ROBERTO – Não precisa dizer, cara. Saia dessa, viu?! Não temos seu tempo, mora!
CAETANO – Edu, me diga aí do que eles estão falando que eu não tô entendendo.
EDUARDO – Caetano, foi o Mindo que se estava preparando pra gente cantar em coro aquela canção do Roberto a você dedicada: Debaixo dos caracóis dos seus cabelos…
ARMINDO – Uma história pra contar de um mundo tão distante…
CAETANO – Debaixo dos caracóis dos seus cabelos, um soluço e a vontade de ficar mais um instante.
ROBERTO – As luzes e o colorido que você vê agora, nas ruas por onde anda, na casa onde mora…
EDUARDO – Você olha tudo e nada lhe faz ficar contente, você só deseja agora voltar pra sua gente.
ROBERTO – Atenção, pessoal, vem aí o Paulinho! Que será que ele quer de nós?
PAULINHO – Roberto, tá todo mundo perguntando quando recomeça o ensaio, pôxa!
ROBERTO – Paulinho, diga pro pessoal que é só o tempo de nós nos despirmos, digo, de nós nos despedirmos do Mindo e logo, logo, a gente vai no ensaio, tá legal?
PAULINHO – Vocês estão batendo papo telefónico com o portuga? Roberto, me deixe só falar com ele um instante, tá?
ROBERTO – Saia dessa, Paulinho! Você nos vem chamando pro ensaio e tá querendo atrasar ainda mais?
CAETANO – Roberto, deixe Paulinho falar com o Mindo. Afinal um minuto não vai ser tanto tempo assim, né?!
EDUARDO – Roberto, Caetano tem razão! Deixe Paulinho bater um papo com o Mindo, carago, digo, caramba!
ROBERTO – Cês estão sempre contra mim, mora! Paulinho, pegue aí no celular mas não demore, viu?!
PAULINHO – Oi, Mindo! Como vai você?
ARMINDO – Olá, Paulinho! Eu estou bem, pá! Mas estaria melhor se estivesse aí a assistir ao ensaio. Eheheheheh
PAULINHO – Quem sabe um dia! Um grande abraço pra você!
ARMINDO – Outro pra ti, Paulinhol. E para toda a malta!
ROBERTO – Paulinho, me passe o celular e vá correndo avisar o pessoal que estamos indo também, viu?! Mas não diga que estamos batendo papo telefónico com o Mindo, senão todo mundo fica querendo bater papo com o cara e então nosso ensaio se vai.
EDUARDO – Roberto, afinal está provado que dois e dois são cinco!
ROBERTO – Puxa vida, Edu! Como assim? Cê se sai com cada uma…
EDUARDO – Você e eu, somos dois. Caetano e Mindo, são outros dois. Mas como entrou o Paulinho, significa que dois e dois são cinco.

ROBERTO, EDUARDO e ARMINDO
eheheheheheheh


ROBERTO – Nossa! Tá todo mundo ficando biruta. Aqui não se aprende nada, mora!
CAETANO – eheheheheh
ROBERTO – Pessoal, vamos retomar nosso ensaio, tá legal? Mindo um abração pra você, viu?
ARMINDO – Outro pra ti, Roberto!
EDUARDO – Armindo, um abração.
CAETANO – Cara, nosso bate-papo foi super divertido. Gostei de conhecer você. Você é um gajo do carago, pá! Xau!
ARMINDO – Xau, Caetano! O prazer foi todo meu, pá! Quando contar para a malta, ninguém vai acreditar.
ROBERTO – Mindo, quando você escrever nosso bate-papo… cê já sabe o que quero que você não esqueça de pôr lá no final, né?!
EDUARDO – eheheheheh Roberto essa do Mindo fazer referência que nossos bate-papos são fictícios já não tá colando, não!
CAETANO – Bate-papos fictícios? Do que vocês estão falando?
ROBERTO – Caetano, você ainda tem muito que aprender sobre nossa política de sigilo bate-papistico, mora! Sem querer inventei uma nova palavra pro dicionário. Eheheheheh Xau, até sempre!
ARMINDO – Xau, malta!

AVISO:

O texto que acabaram de ler é fictício.
Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

A ficção revela verdades que a realidade omite
Jassemin West
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Enviar um comentário

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil