ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

11/14/2008

Tripeira de Gema



Sobre o novo Acordo Ortográfico, trouxemos aqui à estampa vários post onde se dissertou sobre a sua implementação mais ou menos fácil nos oito países de língua portuguesa tendo em conta as diferentes pronúncias de país para país e inclusivamente em cada um deles, como é por exemplo o caso de Portugal que, pese embora o facto de ser um país pequeno, o que é certo é que não só a sua geografia apresenta grandes contrastes de Norte a Sul, como os costumes e pronúncia variam significativamente, como são os casos dos algarvios, dos alentejanos, dos lisboetas, dos beirões, dos portuenses, dos minhotos, dos transmontanos, dos madeirenses e dos açorianos.

Ora, tais assimetrias, trouxeram-me à ideia um artigo da minha autoria publicado no Jornal de Notícias do dia 5/10/2004 que, por o considerar actual e a propósito, aqui se reproduz.

E para quem não esteja familiarizado com a pronúncia tripeira (caso dos nossos irmãos brasucas do outro lado do Atlântico), o exemplo constante do vídeo anexo é perfeito. Trata-se de uma portuense, adepta do Futebol Clube do Porto, dissertando sobre o respectivo Presidente, Pinto da Costa, uma figura incontornável do mundo do futebol e não só.

Para terminar, gostaria de dizer que no meu caso pessoal já estou habituado a que sempre que me desloco a Lisboa em trabalho, me perguntem: você é do Porto, não é?

TRIPEIRA DE GEMA


Naquele dia o Porto jogava com o Chelsea e fui cedo para o Café do Aristides para ocupar a melhor mesa frente à TV. Enquanto o jogo não começava, lia o JN da casa, mas por mais que me despertassem as notícias, inconscientemente a minha atenção ia para a conversa de duas jovens da mesa ao lado que, apercebi-me depois, trabalhavam na mesma empresa.

“De onde és?”, pergunta uma. “Do Porto”, responde a outra. “Eu vi logo! A tua pronúncia não engana ninguém”. “Sou do Porto, falo e falarei sempre à tripeira, com muito orgulho!”.

“Pois olha que eu também sou do Porto, mas sempre me esforcei para não falar à portuense e, se queres progredir na carreira, aconselho-te a mudares a pronúncia!”.

A conversa foi interrompida porque, entretanto, a caixa mágica já estava a anunciar a formação das equipas. O jogo começa e o Chelsea marca um golo, marca outro e ainda outro. O Porto, finalmente marca um golo e, entre várias manifestações de contentamento, a que me chamou mais a atenção foi a que veio da mesa que me estava mais próxima, a das jovens. “Bibó Porto, carago!”, gritou a jovem que sempre se tinha esforçado por não ter a pronúncia portuense.

Apesar de continuar a seguir o jogo de futebol, os meus pensamentos estavam num professor de linguística que um dia, a propósito de Edite Estrela, me disse que qualquer um pode afogar de várias formas a sua génese linguística, mas que nos momentos de mais emoção, a pronúncia de origem vem sempre à superfície.

O F.C. do Porto perdeu, mas a cidade ganhou uma portuense que, pese embora conselhos contrários, teima em ser tripeira de gema!

Armindo Guimarães
(artigo publicado no JN de 05.10.2004).


FOTO:
Cidade do Porto.


ATENÇÃO:
Avisamos os estimados visitantes que o vídeo contém alocuções eventualmente chocantes.
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

10 comentários:

  1. Eheheheheheh Isso é que é o orgulho (regional) nacional!
    Não se devem negar as origens, por muito más que possam parecer.. :|

    Dasss que a senhora ultrapassa-me à bontade carago!! ahahahaha

    Abraço e Bom Fim de semana :)

    ResponderEliminar
  2. Meu querido Armindo!!!

    Quanto ao Acordo Ortográfico, assunto já muito debatido aqui, se as mudanças variam dentro dos próprios países, como citaste, as pronúncias em diversos locais aí em Portugal, imagina só no Brasil, que é dividido em várias Regiões e que é considerado um país continente!

    Aqui fala-se vários dialetos ou diversas formas de linguagem, pela diversicação de grupos populacionais, que possuem culturas e sotaques diferentes onde sofreram influências do povo que foi formador do conjunto da população.

    Gostei de seu artigo que escrevestes em 2004, mostrando a linguagem dos Tripeiros da Gema do Porto, pois és um gajo do carago, quando escreve essa coisas.

    O vídeo nos mostra um humor de uma forma linguística, que se fosse para nós brasileiros, era considerado imorais, mas para os habitantes do Porto, é natural, pois gostam dese palavriado deixando um pouco do humorismo e da sua cultura adquirida ao longo dos anos.

    A Paródia do Metrô deixa comprovado que em cada lugar independente do país ou não está a sua maneira de expressar os seus sentimentos e as suas características próprias de uma fala.

    Parabenizo o Armindo pela postagem, pelo Artigo escrito e por mostrar concretamente as mudanças nos tipos de linguagens divessificadas de cada povo em espaços geográficos diversos.

    Beijos da amiga que admita-te muito!

    Mazé Silva

    ResponderEliminar
  3. Querido amigo,
    parabéns pelo texto.
    Como sempre escreves muito bem.
    Sobre os regionalismos, uma coisa interessante essa conversa entre as duas moças, não adianta querer negar as origens,ela está impregnada em nós.
    Eu nunca achei que tinha um jeito diferente de falar.Como sempre morei no interor do Estado, achava meu jeito normal. Mudamos para Santos, litoral,e não é que um dia na cabeleireira, me perguntaram: você é do interior, não é?
    Respondi que sim e como adivinharam: Minha pronúncia...
    Daí fiquei sabendo que falava diferente...Influência mineira, Franca fica na divisa com Minas Gerais.
    Já o santista fala tudo na segunda pessoa, tem termos diferentes, nomes diferentes para certas coisas.
    Apesar de mais de vinte anos lá, não pegamos esse jeito, nem os filhos, criados lá, um santista inclusive.
    Agora aqui na região de Sorocaba o sotaque e as expressões são demais e até divertidas.
    Também não pegamos...Pelo menos acho que não...
    Isso, dentro de um Estado...Imagine nesse Brasil imenso...

    Agora sobre o vídeo, nos divertimos. Muito legal.Que torcedora!

    Legal também a foto de sua cidade, deve mesmo ser muito linda.

    Enfim meu amigo, parabéns pela postagem.
    Um abraço,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  4. Olá, Tá-se bem!

    Esqueci-m de te dizer que a mulher que está no vídeo é...

    A Isaurinha da Areosa! eheheheheh

    Aquela que está sempre a dar cabo da cabeça ao Senhor Nebes dos Discos Pe(r)didos.

    eheheheheh

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Olá, Mazé!

    Eu sabia que ias gostar do post, em especial do vídeo, que é do baril.

    eheheheheh

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá, Carmen!

    O que dizes, faz-me lembrar outra coisa: que julgo os portugas conseguem mais facilmente imitar os brasucas a falar do que o contrário. É que eu nunca ouvi nenhum brasuca tentando falar portuga de jeito. eheheheh

    Eu, por exemplo, uma ocasião telefonei para o Marlos e para o Edson, falando brasuca dizendo-lhes que era o Roberto Carlos. É claro que eles não acreditaram que eu era o RC, mas que pensaram que era um brasuca, isso eles pensaram. eheheheheh
    A única vez que não pegou foi quando telefonei para a Con, mas isso foi porque eu não consegui suster a risada. ehehehehe

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. Armindo,meu amigo,
    fiquei sabendo desses telefonemas, acho que pelo Portal Forum), você não tinha ainda o blog.
    Andas a telefonar para os amigos brasucas...
    Será que um dia serei premiada?
    Um beijo,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito do texto e de reforçar a ideia de que quem tenta esconder a sua origem acaba sempre por mostrá-la quando menos espera.
    O video, apesar de já o conhecer, é de chorar a rir.

    Bom domingo

    Grande abraço

    ResponderEliminar

HOMENAGEM A ROBERTO LEAL

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil