ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/07/2008

A malta da Invicta é do carago!


Memórias de um Tripeiro




Por: Armindo Guimarães
Facebook


Tripeiro* de gema “emigrado” na Maia e recentemente de visita à Invicta, passei por aquela que foi a minha rua, a travessa das Almas, junto à capela com o mesmo nome, na movimentada rua de Santa Catarina. Foi um reviver de emoções, um regresso ao passado quando a malta, em cuecas ou todos nus nadávamos na Ribeira, passando depois pelo Bolhão para pedir ou fanar fruta. Depois, íamos ao beco de S. Marçal, em Fernandes Tomás, pedir rolamentos ao senhor Pinto para aplicarmos nos nossos bólides feitos de pedaços de madeira roubados ao senhor Macedo da carpintaria. Quando não havia rolamentos para os bólides, o remédio era irmos ao talho do senhor Neca, em Santa Catarina, pedir um pedaço de sebo para untarmos as tábuas que com a ajuda das mãos deslizavam rua abaixo, só parando no passeio junto à linha do eléctrico 16, mais conhecido pelo “Batata” com destino a Matosinhos e no qual alguns de nós aproveitavam para ir à “guna” até onde o pica bilhetes fizesse de conta que não nos via.

Para além de brincarmos aos índios e cóbois, de jogarmos ao pião e à sameira e até à patela com as garotas da rua, a casquinha era o jogo que superava todos os outros passatempos, não só pela originalidade mas também pelo improviso que lhe estava subjacente. Não havendo balizas, as portas dos vizinhos faziam o lugar delas, ou seja, a porta do vizinho de um lado do passeio e a porta do vizinho do passeio em frente. Não havendo bola e nem sequer uma velha meia de pano para a improvisar, havia que procurar uma pequena casca de laranja que se dobrava ao meio. Estava a bola feita! Não havia um número mínimo nem máximo de participantes no jogo. Por exemplo, se éramos dez, o Mindo, o Nelo, o Jorge, o Zeca, o Lois, o Calota, o Gusto, o Tono, o Bernardo e o Dorindo, dois iam cada qual para a sua baliza, digo para a sua porta, frente a frente, armados em guarda-redes, ou melhor, em guarda-portas. Um numa porta do passeio de cá e o outro numa porta do passeio de lá e os outros jogavam ao ataque. O que a malta queria era jogar e, por isso, as regras do jogo eram simples como simples eram aqueles que nele participavam: um dos atacantes avançava com a casquinha de laranja na mão em direcção à porta do adversário, sendo que não lhe era permitido manter a casquinha parada e muito menos fechada na mão, ou seja, a casquinha tinha que estar sempre em movimento como no basquetebol. Os jogadores mais experientes, quais Eusébio de Portugal e Pélé do Brasil, davam-se ao luxo de fintar os adversários com uma mestria digna de nota. Sempre com a casquinha em movimento, balançando-a na palma da mão, faziam o que se chamava uma paradinha, lançando a casquinha pelo ar junto ao ombro esquerdo do adversário e por cima da cabeça deste, indo recuperá-la do outro lado, junto ao ombro direito do jogador driblado. Ultrapassado o obstáculo da defesa, o atacante, sempre com a casquinha saltitando na palma da mão, elevava-a à altura suficiente para, com uma das mãos, rematar à porta. Nesta altura, tudo dependia da experiência do guarda–portas para evitar o golo. O Nelo, que entre a malta era mais conhecido por “Tanques” pelo facto de calçar sapatos 44 quando devia usar 38, tinha a mania que era o melhor guarda-portas da rua e então era vê-lo a brilhar atirando-se para os paralelos como se de relva se tratasse.

O jogo da casquinha era ainda mais atractivo quando a malta tinha mirones a assistir, em especial as miúdas que aplaudiam batendo palmas e gritando, não pelo nome do seu clube mas pelo nome do seu ídolo. Escusado será dizer que o Tanques era o mais aplaudido, mas ele, independentemente de sofrer ou não golos na sua porta, bem que merecia mais do que nós a atenção das garotas. Era preciso ter coragem para se amandar pró chão como ele e chegar a casa todo pisado e a cheirar a laranja mas ao mesmo tempo feliz da vida por saber que mais uma vez tinha brilhado a jogar à casquinha. Não era por acaso que elas o admiravam, pois sabiam que ele era o único que sabia como atirar-se a elas. Refiro-mo às casquinhas de laranja, é claro!


 Eu e o Nelo (Tanques) em 2010


A casquinha, jogada na travessa das Almas, passou a despertar o interesse de outras maltas da Invicta. Daí que um dia, no Café Chave d’Ouro, na praça da Batalha, se reunissem, para além do Tanques, do Jorge e do Mindo da travessa das Almas, o Tripas da Foz, o Crava de S. Victor, o Guedelhas das Fontainhas, o Rata-Cega da praça dos Poveiros, o Iscas da rua Escura, o Marocas de São Roque, o Trinca-Espinhas do Marquês, o Zé da Areosa, o Relhanha de Cedofeita, o Serjão da Boavista, o Mirolha do Amial, o Titóta de Campanhã e o Picónero da Ribeira-Barredo, único gajo que se fez acompanhar da sua namorada, a Lena de Paranhos, que fez de secretária e que há muito andava debaixo de olho do Marocas de São Roque que tinha a mania que era engatatão. A ordem de trabalhos, acompanhada de uns copos de leite com canela e de quatro ou cinco torradas a dividir por todos, consistia na organização do 1º Campeonato Portuense da Casquinha. A reunião estava a correr bem a todos os níveis, designadamente quanto ao regulamento do jogo e condições de inscrição, mas o problema foi quando se passou à discussão da qualidade das cascas de laranja. Uns diziam que as melhores eram as cascas grossas por serem mais pesadas e proporcionarem remate mais eficaz, outros que preferiam as mais finas por permitirem melhores dribles e não se desfazerem ao fim de alguns minutos como acontecia com as cascas grossas. O Picónero da Ribeira-Barredo, tentando ultrapassar o diferendo, ainda deu a ideia de se optar pela casca de tangerina que, segundo ele, era fina mas mais resistente. Porém, o Marocas de São Roque achou ridícula a ideia, levantando-se repentinamente da mesa como sinal de desaprovação, originando um pequeno desastre pois que entornou o seu copo de leite com canela na saia da já comprometida Lena de Paranhos que, furiosa, reclamou a presença do empregado de mesa senhor Abel que com cara de poucos amigos e de bandeja em punho logo perguntou em voz alta quem iria pagar o copo partido. Conclusão: a reunião para o 1º Campeonato Portuense da Casquinha não teve o final para que tinha sido convocada, terminando com as contas à moda do Porto, incluindo a despesa do copo partido.

Aconteceu em 1967, tinha a malta idades compreendidas entre os 10 e os 13 anos. Volvidos 40 anos, ao passar pela travessa das Almas, não só regressei ao passado como não resisti a fazer uma visita ao Café Chave d’Ouro, desta vez à frente de uma francesinha e de um fino, sonhando. Não houve copo partido nem o senhor Abel apareceu de bandeja em punho pronto a reclamar o prejuízo. O que aconteceu foi uma coisa que a patina do tempo não conseguiu apagar, pois que por uns breves e ao mesmo tempo duradoiros minutos, fiquei com a certeza que não estava só. Comigo estava toda aquela malta tripeira aficionada do jogo da casquinha de laranja e que desta vez, finalmente, foi encerrada a sessão com a aprovação do tão ambicionado 1º Campeonato Portuense da Casquinha. É claro que para o bom êxito da nossa reunião, muito contribuiu o facto de a Lena de Paranhos já nada dizer ao Picónero da Ribeira-Barredo, nem ao Marocas de São Roque.

Com efeito, a Lena de Paranhos passou a ser a minha mais que tudo. A propósito, só agora reparo que, sem dúvida inadvertidamente, disse que o Marocas de São Roque tinha a mania que era engatatão.

Ah! Quase me esquecia de dizer que, pese embora a teoria do Picónero da Ribeira-Barredo, acerca da casca de tangerina que apesar de mais fina era menos susceptível de quebrar, a casquinha seleccionada por maioria com apenas um voto contra, foi a de laranja, desde que fina.

Creio não precisar de dizer quem foi o autor do único voto contra. Como todos sabem, o Marocas de São Roque é um gajo porreiro que ainda hoje adora jogar à casquinha. Porém, jamais aceitaria perder pau e bola, digo, perder pau e casca.

A malta da Invicta é do carago!

Foto:
Rua de Santa Catarina - Porto.
Capela das Almas ou Capela de Santa Catarina (Séc. XVIII)
O revestimento é constituído por 15.947 azulejos que cobrem cerca de 360 metros quadrados de parede. Os azulejos que revestem a capela são da autoria de Eduardo Leite e foram executados pela Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego, em Lisboa. Datam de 1929 e representam os passos da vida de São Francisco de Assis e de Santa Catarina, que são venerados na capela. 


* "Tripeiro" é a alcunha dos naturais da cidade do Porto. Para saber mais, pode ler-se a "Lenda dos Tripeiros" de Joel Cleto, neste link: 
http://joelcleto.no.comunidades.net/index.php?pagina=1256201752_04
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

9 comentários:

  1. Armindo, essas recordações de suas traquinagens infantis, eu já conhecia e a tenho guardadinha.
    Trabalho lindo e inteligente como sempre.
    Um abraço,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  2. Olá, Guta!
    Obrigado pelas palavras.
    Abração
    Armindo

    ResponderEliminar
  3. Padrinho você me fez sonhar...Viajar no tempo e lembrar minha própria infância!
    Como são doces estas lembranças, como é gostosa a sua maneira de nos contar estes casos, rsrsrs
    Parabéns!!! Sinto que sua infância foi tão boa quanto a minha...Muitas emoções!!!rsrsrsrsrs

    Beijos azuis

    ResponderEliminar
  4. Não sou do tempo do jogo da casquinha, nem o conhecia, mas adorei ler as tuas recordações de infancia.
    Um XI Coração
    Tina

    ResponderEliminar
  5. A Tina, aqui!?

    Nem estou em mim, carago!!!

    Para quem não sabe, a Tina Gaspar é uma portuga e membro do Portal Clube do Rei.

    Era a minha Secretária em todos os assuntos robertocarlisticos. Entretanto, enforcou-se, digo, casou-se e deu-me com os pés. Já não se fazem secretárias como antigamente!!!

    Mas por vezes ela aparece e ainda bem, porque a Tina é fixe!

    Grande Tina, carago!

    Um xi

    Ah! Vê mas é se apareces aqui mais vezes, e é claro, no nosso Portal, tá? Senão estás lixada comigo que faço queixa de ti ao Roberto Carlos.

    ResponderEliminar
  6. Amigo, faço minhas as palavras da Con...retornamos de alguma maneira a nossa infância, não existe coisa melhor que isso.

    ResponderEliminar
  7. Mindo é imprecionante a maneira como descreves tudo aquilo que se passou durante a nossa infancia ,da a censacao que as estas a viver no momento grande abraco.E continuacao de otimas publicaçoes
    PARABENS

    ResponderEliminar
  8. Alba Maria Fraga Bittencourt10 de março de 2012 às 01:53

    Querido Armindo!

    Que infância maravilhosa!!!!

    A medida que ia lendo o teu texto ia sentindo as mesmas emoções vividas por vocês.... me senti uma daquelas meninas torcendo pelo melhor jogador, no jogo da casquinha de laranja...
    É imprecionante como descreves os fatos de uma maneira que nos faz participar também da história.
    Revives tudo com tanta nitidez e tantos detalhes que parece que o fato está acontecendo agora, no momento...

    E no final da história ainda te saiste um vencedor, não no jogo da casquinha de laranja, mas no Amor, pois ficaste com a Lena de Paranhos, deixando os coitados do Picóreno da Ribeira-Barredo e Marocas de São Roque a ver návios....
    Parabéns Armindo, nota Mil... És um Grande Escritor.
    Beijinhos.
    Alba Maria

    ResponderEliminar
  9. Armindo, gostei demais da maneira clara como relembrou os momentos mais bonitos da sua infância! Sinto-me honrada por ter um amigo que com tanto carinho mostra que os momentos mais importantes, são na verdade os mais simples.
    Deixo aqui a minha sincera admiração e um abraço muito especial, a quem me tem mostrado o lado mais azul da vida!
    Natália Pires (Lita)

    ResponderEliminar

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil