Estórias da Arte – Teatro | CCB 28 janeiro, 11, 18 e 25 fevereiro

Do Texto: Nestas sessões, os atores/encenadores Carlos Avilez, Paulo Filipe Monteiro e Nuno Cardoso contarão as suas estórias da história do teatro.
Imagem alusiva a "Estórias da Arte - Teatro".



Estórias da Arte – Teatro
Por Carlos Avilez, Paulo Filipe Monteiro e Nuno Cardoso


CCB |28 jan, 11, 18 e 25 fev | sábados | 17h00 | Centro de Reuniões

Neste ciclo de conferências pretende-se abordar a história e as estórias das artes performativas, através de um olhar mais próximo e experimentado nas diversas áreas a abordar. Nestas sessões, os atores/encenadores Carlos Avilez, Paulo Filipe Monteiro e Nuno Cardoso contarão as suas estórias da história do teatro.

PROGRAMA

28 janeiro – O Teatro pró-dramático - Paulo Filipe Monteiro
Quem hoje quer ser dramático? Numa época em que o drama não anda muito bem visto, é importante não deixar silenciar trabalhos e tendências fundamentais no teatro e dança contemporâneos. Vamos procurar entender as propostas de autores «pró-dramáticos» como Pina Bausch, Peeping Tom, Alain Platel ou Angélica Liddell. Que relação com o espaço, com o tempo, com a música, com o som, com a luz, com a palavra e com o corpo? Que idioma falam, se é que têm uma linguagem comum? Ou é uma linguagem com vários idiomas?
Serão exibidas imagens (fixas e em movimento), algumas delas inéditas.

11 fevereiro – À conversa com… Carlos Avilez
Nesta sessão do ciclo Estórias da Arte – Teatro, Paula Magalhães vai conversar com Carlos Avilez que nos irá contar inúmeras estórias da sua já longa carreira de encenador.

18 fevereiro - A direção de atores em várias direções - Paulo Filipe Monteiro
Dirigir atores é uma arte. Não tem fórmulas. Mas tem métodos, caminhos possíveis. Vamos revisitar algumas propostas que estão hoje em cima da mesa, do palco, ou do plateau de cinema.
Quem tem experiência, e quem ama os atores e ama dirigi-los, sabe em primeiro lugar que a maneira de chegar a um ator não é o modo de chegar a outro; e que, por isso, uma reserva grande de recursos é essencial.
Veremos alguns exemplos portugueses, de outros países europeus, norte e sul-americanos e do Japão.

25 fevereiro – ACHADIÇO (monólogo) - Nuno Cardoso
Um espaço-tempo improvisado que também não encaixa na moldura de uma peça ou de uma aula. 
Também pode ler:
Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !