Neurologista explica Síndrome da Pessoa Rígida, doença da cantora Celine Dion

Do Texto: A doença acomete pessoas entre 20 a 50 anos de idade, e os principais sintomas envolvem rigidez muscular, principalmente no tronco e no abdômen, mas q

Composição: Enfermeiros e médicos e por trás a frase SABIA QUE...


Síndrome afeta duas pessoas em cada 1 milhão no mundo todo

Em vídeo esta semana, a cantora Celine Dion, de 54 anos, revelou ter que cancelar vários shows por sofrer de uma doença rara, a síndrome da pessoa rígida, ou em inglês, ‘stiff-person syndrome’.

A síndrome afeta duas pessoas em cada 1 milhão no mundo todo, e dos 16 mil portadores da doença, 70% são mulheres.
Segundo o Dr. Guilherme Torezani, neurologista e coordenador de Doenças Cerebrovasculares do Hospital Icaraí, em Niterói, existem alguns subtipos, que envolvem um mecanismo de autoimunidade que afeta um neurotransmissor específico, porém - menos comumente- essa doença pode ser secundária de algum tipo de câncer que o paciente possa ter (como câncer de Mama, de pulmão ou tipos de linfoma).

A doença acomete pessoas entre 20 a 50 anos de idade, e os principais sintomas envolvem rigidez muscular, principalmente no tronco e no abdômen, mas que posteriormente acaba afetando os músculos do corpo todo.

“O que faz com que seja difícil realizar os movimentos e até mesmo a respiração. Os membros ficam muitas vezes enrijecidos. Há ainda espasmos musculares induzidos por sustos ou estímulos sonoros. Ou seja, situações que provocam sobressalto no indivíduo”, explica o médico.

“No caso da Celine Dion, que é cantora, a doença em especial pode ter sido diagnosticada por afetar toda a dinâmica muscular do canto”, explica o médico, lembrando que o tratamento é bem complexo e feito para aliviar os sintomas, pois ainda há poucas opções terapêuticas que proporcionam a melhora dos pacientes com a síndrome.

Podem ser tentados medicamentos como os benzodiazepínicos, que atuam no sistema nervoso central, que é prescrito pelo médico para relaxar os músculos.

“Podem ser feitas também algumas terapias com anticorpos, que são os imunobiológicos e a imunoglobulina humana, que a gente utiliza para alguns quadros refratários”, finaliza.

 

Também pode ler:

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !