Psoríase: doença pode atacar couro cabeludo, mas tem tratamentos

Do Texto: A psoríase é uma doença autoimune que pode aparecer em diversas áreas do corpo.

Mulher com psoríase na nuca.


A psoríase é uma doença autoimune que pode aparecer em diversas áreas do corpo. Quando atinge o couro cabeludo pode se assemelhar à caspa, mas causa danos mais graves.

São Paulo – 28/10/2022 - Nem toda descamação do couro cabeludo é caspa. Pode ser psoríase, uma doença crônica de caráter inflamatório, imunomediada, que também pode estar associada à predisposição genética. "A psoríase é uma doença relativamente comum, geralmente se apresenta com placas vermelhas e descamativas, acompanhadas de coceira, comumente vista nos joelhos e cotovelos, mas que também pode aparecer em outras regiões, inclusive no couro cabeludo", afirma a Dra. Jaqueline Zmijevski*, dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Fellow em Tricologia pela Associação Médica Brasileira (AMB).

Em indivíduos predispostos, a doença pode se manifestar por hábitos de vida, incluindo estresse emocional, obesidade, tabagismo e etilismo, além de diabetes, pressão alta e alterações do colesterol, segundo a médica. A Dra. Jaqueline explica como identificar os sintomas: “Na psoríase, as placas costumam ser maiores e mais “grossas”, deixando o couro cabeludo com aspecto esbranquiçado, com escamas muito mais aparentes, de coloração prateada. Mas, no início do quadro, elas podem se apresentar de forma semelhante à caspa. Um outro diferencial é que, na psoríase, as placas não respeitam a delimitação dos cabelos, podendo atingir a pele, especialmente na nuca. Essas placas costumam coçar bastante, a ponto de apresentar um leve sangramento, chamado de orvalho sangrante, o que gera dor, queimação e ardência", explica.          

Segundo a médica, o tratamento para psoríase no couro cabeludo varia de uma pessoa para a outra, dependendo da gravidade do quadro, da intensidade dos sintomas e do quanto isso afeta a qualidade de vida do indivíduo. “O tratamento vai desde o uso de shampoos com ativos calmantes, até corticoides, ácido salicílico e imunomoduladores", diz a dermatologista. “Além disso, alguns medicamentos podem ser utilizados, como metotrexato, retinoides sistêmicos e imunobiológicos, com boa resposta e remissão das lesões, oferecendo qualidade de vida a esses pacientes”, finaliza a médica.

                                                               💢💢💢

*DRA. JAQUELINE ZMIJEVSKI: Dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), pós-graduada em Medicina Estética e Fellow em Tricologia pela Associação Médica Brasileira (AMB). A médica também é membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e da Associação Brasileira de Medicina Estética. Instagram: @dermato.jaqueline

 

Também pode ler:
Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !