Reuniões estilo Google auxiliam inovações brasileiras em TI

Equipe reunida de cinco a sete dias com portas fechadas a sete chaves, celulares desligados, isolamento total do cotidiano da empresa para imersão, ambiente preparado com doces e snacks (afinal de contas, um agradinho ajuda no raciocínio).

Em cinco dias de imersão, metodologia Design Sprint agrega valor e torna mais assertiva tomada de decisões


Conheça o método de reunião do Google que está revolucionando o mercado de desenvolvimento em TI

Equipe reunida de cinco a sete dias com portas fechadas a sete chaves, celulares desligados, isolamento total do cotidiano da empresa para imersão, ambiente preparado com doces e snacks (afinal de contas, um agradinho ajuda no raciocínio). Este é o “encontro” que muitas empresas gigantes têm realizado na hora de desenvolver novos conceitos para produtos e serviços, e agora, também começa a tomar conta de pequenas e médias empresas.

Conhecida como Design Sprint, a metodologia foi desenvolvida dentro do Google e tomou conta do mundo corporativo. Devido à eficácia e aos resultados, ela faz poucos dias equivalerem ao tempo do processo criativo de semanas, seja para desenvolver um novo produto ou serviço, bem como na revisão e aprimoramento de um MVP (Produto Mínimo Viável), upgrades e melhorias de ferramentas e transformação da rotina por meio da inserção de mais tecnologia.

André Regazzo, MBA em Gestão, Empreendedorismo e Desenvolvimento de Negócios e também XBA - Xponential Business Administration,  tem observado quanto valor o Design Sprint tem agregado a seus clientes, assim como a robustez e a agilidade no desenvolvimento de soluções que geram impacto no mercado. Ele é CEO do Grupo Regazzo, especialistas em desenvolvimento de sistemas, consultoria e terceirização em TI. 

“Nossas empresas cresceram e descartaram muito a partir do momento que passamos a aplicar o Design Sprint  e outras técnicas complementares com os nossos clientes. Começamos a ser muito mais assertivos e eficientes na entrega de soluções, o que nos trouxe muito mais visibilidade”, conta o executivo que já desenvolveu sistemas e soluções para grandes empresas no Brasil. 

A Regazzo explica que já realizou o Design Sprint para clientes de diferentes nichos, entre eles montadoras, uma empresa líder no mercado nacional de celulose e bancos de médio porte no Paraná. Todos os processos foram de um sucesso estrondoso.

Uma das chaves de sucesso da metodologia é sua condução por pessoas experientes e que entendam dos fundamentos de desenvolvimento de produtos, em especial no caso da Regazzo, de softwares e sistemas, comenta Alan Araya, CTO do Grupo Regazzo. Ele explica que "Após a metodologia ter se difundido no mercado corporativo, muitas pessoas aperfeiçoaram ou adaptaram ela para diferentes condições como: execução remota (principalmente com a pandemia), diferentes abordagens de agenda (dias dá dinâmica) e extensão dos dias de teste do produto/serviço (ao invés de apenas um como propõe a metodologia do livro)". Adaptações e incorporações de outros conceitos do "Design Thinking" são naturais e devem ser aplicadas caso a caso, explica Alan.

A metodologia original fala em 5 dias de imersão, onde ao longo da semana o grupo participante irá realizar um processo onde existe abrangência e conversão de ideias em cada etapa, chegando a um resultado "testável" no final da imersão. O objetivo da metodologia, diferente de "antigos conceitos de MVP" é: Testar uma ideia antes de construí-la de fato, encurtando assim a etapa de feedback de um produto ou serviço proposto, possibilitando times a construir um MVP muito mais assertivo no final.

O Design Sprint ficou conhecido mundialmente após a publicação do livro "Sprint, o método usado pelo Google para testar e aplicar novas ideias em apenas cinco dias", por Jake Knapp. As técnicas e conceitos utilizados baseiam-se em aplicações práticas de uma série de dinâmicas e metodologias do universo do Design Thinking, trazendo uma abordagem muito dinâmica para modelagem de soluções para problemas reais. O conceito já foi testado e aprovado em centenas de organizações ao redor do mundo e hoje já é parte integrante do arsenal de empreendedores e líderes de produto para transformar a jornada de seus clientes.

Não é necessário curso ou especialização específica para aplicar a metodologia, basta reunir um time multidisciplinar capacitado, um xxx experiente liderança e "deixar rolar", comenta André Regazzo. Com o tempo e experiência os times começam a se aperfeiçoar naturalmente. "Muitos times que executam uma Design Sprint não conseguem captar todo o valor dela, não por falta de experiência na condução em si, mas por falta de visão em Design de Produtos ou Serviços. Interpretar e canalizar o potencial do resultado das Sprints é um ponto chave do nosso serviço", comenta Alan Araya.

Vemos muitas variantes do "Sprint" surgindo, em especial com a pandemia e distanciamento físico dos times de produto, no Grupo Regazzo estamos aplicando elas com muito êxito e extraindo valor dos cenários híbridos, construindo uma relação muito sólida de parceria com nossos clientes, comenta André Regazzo. 

SERVIÇO:
Sobre a Regazzo, visite, http://regazzo.com.br/ 
Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !