Quando uma dor de cabeça pode virar motivo de uma preocupação com nosso cérebro?

O excesso de álcool está ligado ao câncer no fígado, já o cigarro relacionado ao câncer de pulmão; quando são feitas essas associações, criam-se mecanismos para fornecer mais informações às pessoas a fim de adequar seus hábitos. No entanto, quando o assunto é câncer no cérebro, estamos navegando no vazio.


Algo pode estar errado no cérebro, indicando até um tumor cerebral, quando as dores de cabeça diferem do habitual (mais fortes e difíceis de se controlar), apresentamos fraquezas de um só lado do corpo, crises epilépticas, redução da sensibilidade em alguma parte do corpo, boca torta ou rosto torto

São Paulo – Março/2022 - O excesso de álcool está ligado ao câncer no fígado, já o cigarro relacionado ao câncer de pulmão; quando são feitas essas associações, criam-se mecanismos para fornecer mais informações às pessoas a fim de adequar seus hábitos. No entanto, quando o assunto é câncer no cérebro, estamos navegando no vazio. “Os tumores cerebrais ainda são alvo de muitos estudos principalmente com relação as suas causas. Por isso, não existem medidas para prevenção. Também não existem sinais de alerta que permitem dizer ao médico, hoje, que o paciente tem um câncer cerebral, então, por exemplo, ainda não temos uma forma de rastreamento que compense aplicar a nível populacional para evitar esta doença”, explica o Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella*, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA). “Apesar disso, o tumor gera sintomas a depender de onde ele nasce. Costumo dizer aos meus pacientes que um tumor de 0,5cm que nasce no lugar errado pode colocar um paciente na cadeira de rodas, mas um tumor de 10cm longe de áreas nobres pode sequer gerar sintomas se ele crescer bem lentamente. De qualquer forma, temos que levantar suspeitas de que algo errado está acontecendo no nosso cérebro quando temos dores de cabeça diferentes do habitual, mais fortes e que respondem menos aos remédios, fraquezas de um só lado do corpo, crises epilépticas, redução da sensibilidade em alguma parte do corpo, boca torta ou rosto torto, entre outros”, acrescenta o médico que é representante brasileiro do International Outreach Committee da Society for Neuro-Oncology (IOC-SNO).

Segundo o Dr. Gabriel, o paciente deve estar atento para identificar a dor de cabeça diferente. “A suspeita de tumores cerebrais não é levantada com qualquer dor de cabeça comum, apenas quando ela apresenta algum alarme, ou seja, é diferente. O surgimento de uma dor de cabeça nova (para quem nunca sente esse tipo de dor), a mudança do tipo de dor de cabeça, a piora da intensidade (quando ela fica mais forte com o passar do tempo e de difícil controle), aumento da frequência (quando a dor aparece mais vezes), ou quando a dor é fixa (toda vez ela aparece no mesmo lugar) são sinais que podem ajudar no diagnóstico”, afirma o médico. Epilepsia com quadros de desmaio, fadiga, formigamento no corpo, amnésia, confusão mental ou outras crises convulsivas, principalmente quando o paciente apresenta a crise pela primeira vez, ou não tenha recebido o diagnóstico de epilepsia antes, também pode ser motivo de preocupação.

Outro sintoma comum é a perda de funções neurológicas, com os chamados ‘déficits focais’. Segundo o INCA, Instituto Nacional do Câncer, órgão ligado ao Ministério da Saúde, o paciente pode apresentar perda de força ou do tato nos membros; de visão ou de audição; alterações da fala ou da capacidade intelectual (compreensão, raciocínio, escrita, cálculo, reconhecimento de pessoas); ou de comportamento (apatia, agitação ou agressividade) em relação ao padrão normal da pessoa. “O surgimento de uma ou mais dessas alterações neurológicas deve ser sempre relatada ao médico para acelerar o diagnóstico”, explica o Dr. Gabriel.

Essa identificação do paciente é importante uma vez que hoje não conseguimos identificar métodos de rastreio efetivos para encontrar estes tumores no início do seu crescimento, segundo o Dr. Gabriel. “Nosso cérebro não tem receptores para dor, e ele é protegido pela nossa calota craniana, muito diferente dos seios que podem ser palpados, dos pulmões que podem ser auscultados e do nosso intestino que pode ser visualizado facilmente. Pedir para que todos no mundo façam tomografia de crânio seria imprudente, e aumentaria terrivelmente as irradiações em pessoas saudáveis, e nem precisamos comentar quanto a ressonância magnética, exame caro e de difícil acesso por muitos pacientes. Quando encontrarmos maneiras efetivas de frear esses tumores, talvez possamos sugerir formas de gerar uma prevenção a nível populacional, e salvar muitas vidas, mas ainda é cedo”, conta.

No caso do tratamento, o neuro-oncologista diz que há basicamente três pilares principais: cirurgia, radioterapia e quimioterapia. “Em casos extremamente bem selecionados podemos tentar, em caráter de exceção, terapias alvo ou imunoterapias, mas ainda não são estratégias provadas efetivas nos tumores cerebrais, apesar de estudos estarem extremamente avançados e muita esperança paira sobre os neuro-oncologistas em todo o mundo”, finaliza o médico.

*DR. GABRIEL NOVAES DE REZENDE BATISTELLA: Médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA). Formado em Neurologia e Neuro-oncologia pela Escola Paulista de Medicina da UNIFESP, hoje é assistente de Neuro-Oncologia Clínica na mesma instituição. O médico é o representante brasileiro do International Outreach Committee da Society for Neuro-Oncology (IOC-SNO).

 

Tags

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !