Teatro Sérgio Cardoso apresenta temporada do espetáculo A MULHER E UM CORPO

Escrito a partir do relato feito por um desembargador do tribunal de justiça do estado, a peça A Mulher e um Corpo traz a figura de uma mulher ao lado de um corpo desconhecido em decomposição coberto por sacos de lixo em uma comunidade periférica de São Paulo. A peça, com texto de Kiko Marques e direção de Eric Lenate, estreia dia 15 de novembro, segunda-feira, 19h, no porão Teatro Sérgio Cardoso, equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e gerido pela Amigos da Arte.

Escrito a partir do relato feito por um desembargador do tribunal de justiça do estado, a peça A Mulher e um Corpo traz a figura de uma mulher ao lado de um corpo desconhecido em decomposição coberto por sacos de lixo em uma comunidade periférica de São Paulo. A peça, com texto de Kiko Marques e direção de Eric Lenate, estreia dia 15 de novembro, segunda-feira, 19h, no porão Teatro Sérgio Cardoso, equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e gerido pela Amigos da Arte.  

A peça conta sobre uma mulher a quem o público não conhece e nem sabe o que faz. Ela luta contra as tentativas de retirarem o cadáver que está ao seu lado. Ao mesmo tempo em que luta, narra passagens de sua vida, num fluxo que se alterna entre delírios e lembranças desconexas de sua história de mulher nascida e criada num lugar onde o estado não chega. "O ato político dessa mulher é estar ao lado daquele corpo, contando aquela história, encenando aquele ato fúnebre, maldito, que é entregar o corpo do ser amado aos abutres", comenta Kiko Marques.  

O que há de real na história e o que dela foi construído, assemelha-se à Antígona, tragédia de Sófocles, onde a protagonista é impedida de enterrar seu irmão, considerado um traidor do estado. Em 'A Mulher e um Corpo', assim como na tragédia grega, o estado é representado por um homem que dita as regras do alto de sua vontade. "É uma tragédia que destrincha a violência e o mecanismo contra o corpo da mulher e também a história de uma representante que sobrevive a uma tragédia que não é só dela", diz o diretor Eric Lenate. 

Na peça, o cenário é um país real, um Brasil assustadoramente desigual, onde a grande maioria das pessoas é confinada a um destino de trabalho, reprodução e consumo, onde se vive sem acesso ao básico do corpo e do espírito, escravos dos mais primitivos quereres e suas explosões. "Estamos falando da mulher e seu direito a ser dona de si e de seu corpo. Uma mulher que, no ato de definir seus caminhos, ato puro e necessário de autonomia e individuação é julgada e punida como uma criminosa que ultrapassa o campo da individualidade e ameaça o poder do estado", ressalta Kiko Marques. 

Ficha Técnica:

Autor – Kiko Marques 

Diretor Artístico – Eric Lenate 

Atriz – Bete Correia 

Produção – Carlos Martin 

Assistente de Produção –  Tânia Paes 

Assistente de Direção – Vitor Julian 

Cenografia - Eric Lenate  

Iluminação – Silviane Ticher e Eric Lenate  

Operador de Luz – Silviane Ticher 

Operador de Som - Vitor Julian  

SERVIÇO:

A mulher e um corpo

Local: Teatro Sérgio Cardoso - (Rua Rui Barbosa, 153 - Bela Vista) 

Temporada: De 15 de novembro à 16 de dezembro, de segunda à quinta às 19h (exceto dia 25/11). 

Ingressos: Gratuito 

https://site.bileto.sympla.com.br/teatrosergiocardoso/

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 16 anos  

Capacidade: 30 lugares 

Sobre a Amigos da Arte 

A Amigos da Arte, Organização Social de Cultura responsável pela gestão dos teatros Sérgio Cardoso e de Araras e do Museu de Diversidade Sexual (MDS), trabalha em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e iniciativa privada desde 2004. Música, literatura, dança, teatro, circo e atividades de artes integradas fazem parte da atuação da Amigos da Arte, que tem como objetivo difundir a produção cultural por meio de festivais, programas continuados e da gestão de equipamentos culturais públicos. Em seus mais de 15 anos, a entidade desenvolveu 58 mil ações que atingem mais de 25 milhões de pessoas. 

Sobre o Teatro Sérgio Cardoso 

Localizado no boêmio bairro paulistano do Bixiga, o Teatro Sérgio Cardoso foi inaugurado em 13 de outubro de 1980, com uma homenagem ao ator. Na ocasião, foi encenado um espetáculo com roteiro dele próprio, intitulado “Sérgio Cardoso em Prosa e Verso”. No elenco, a ex-esposa Nydia Licia, Umberto Magnani, Emílio di Biasi e Rubens de Falco, sob a direção de Gianni Rato. A peça “Rasga Coração”, de Oduvaldo Viana Filho, protagonizada pelo ator Raul Cortez e dirigida por José Renato, cumpriu a primeira temporada do teatro. Em 2020, o TSC cumpriu 40 anos de atividades, tendo recebido temporadas importantes de todas as linguagens artísticas e em novos formatos de transmissão, se consolidando como um dos espaços cênicos mais representativos da cidade de SP. 

Redes Sociais TSC 

Instagram | Facebook | Site 

Espetáculo "Uma Mulher e um Corpo" no Teatro Sérgio Cardoso

Crédito da foto: Leekyung Kim  

Enviar um comentário

0 Comentários
* Só falta o seu comentário! O autor agradece.

buttons=(OK) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !