Guerra do Ultramar | Uma guerra sem razão - Portal Splish Splash

Recentes

sexta-feira, junho 25, 2021

Guerra do Ultramar | Uma guerra sem razão

 

Guerra Colonial Portuguesa




Por: Andrea K


A Guerra do Ultramar ou Guerra Colonial, que durou entre 1961 e 1974, foi um conflito armado entre as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação das antigas colónias portuguesas em África — Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, as quais desejavam a independência em relação a Portugal.


O início deste negro episódio da história militar portuguesa ocorreu em Angola, a 15 de Março de 1961, aquando de uma sublevação no noroeste de Angola realizada pela União das Populações de Angola (UPA). Esta sublevação causou milhares de mortos e foi usada como justificação pelo Estado Português para enviar as primeiras tropas portuguesas para África.


Por sua vez, na Guiné-Bissau, os confrontos foram iniciados em Julho de 1961, quando as povoações de S. Domingos, Suzana e Varela foram atacadas por guerrilheiros do Movimento de Libertação da Guiné (MLG). Estes ataques rapidamente se estenderam a quase todo o território guineense, crescendo continuamente de intensidade, sendo considerado por muitos peritos como o palco mais perigoso da investida militar portuguesa em terras africanas.


Em Moçambique, nos dias 24 e 25 de Setembro de 1964, Chai, na província de Cabo Delgado, foi atacada pelo movimento de libertação moçambicano denominado Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO). Os ataques estenderam-se posteriormente a grande parte do território e a 16 de Novembro do mesmo ano, as tropas portuguesas sofriam as primeiras baixas no Norte de Moçambique.


No entanto, em Portugal, como o Estado Português, mais conhecido por Estado Novo, nunca reconheceu a existência de uma guerra, grande parte da população portuguesa, iludida pela ora vigente censura à imprensa, viveu sob a ilusão de que, em África, não havia uma guerra, mas apenas alguns ataques de terroristas e de potências estrangeiras.


1974 foi o ano em que os conflitos terminaram e hoje sabe-se que 90% por cento da população jovem masculina do país da época foi mobilizada para esta Guerra, a qual causou cerca de 10 mil mortos e 20 mil inválidos entre os soldados e mais de 100 mil vítimas entre os civis que viviam nas colónias.


E mais uma guerra acabava como todas as guerras acabam: só com vencidos.


Guerra do Ultramar 



7 comentários:

  1. Muito bom, interessante uma triste realidade do nosso passado, que tantas vidas ceifou e marcou. M S

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo feedback. Passado triste, sem dúvida, e que devia ter sido evitado, mas já que existiu ao menos que nos lembremos com respeito de todas as vítimas inocentes de todas as facções, nacionalidades, raças,...

      Excluir
  2. Uma homenagem aos ex-combatentes Portugueses e dos países lusófonos que participaram numa guerra que nunca devia ter acontecido.
    Pena que obtida a independência, outros países se tivessem substituído a Portugal e que se calhar por causa disso a guerra ainda tivesse continuado internamente nesses países por longos anos, com as consequências que ainda se refletem nos dias de hoje.
    Mas isso é outra história.
    Parabéns pelo artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo feedback. Uma guerra sem razão, como todas, e que nunca deveria ter acontecido. E realmente é outra história tudo o que se passou depois e as consequências que ainda hoje vemos, como bem afirmou.

      Excluir
  3. Concordo em absoluto. Estive em Angola no período de 1965 a 1967 e vi coisas que me fizeram meditar sobre essa guerra, desnecessária e que ceifou milhares de vidas, não esquecendo os mutilado, muitos dos quais reencontrei na velha Lisboa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 10,000 ?
      100,000 ?
      Nao compreendi bem o artigo acima...

      Excluir
    2. Olá, menina Fraga!
      Segundo percebi, o artigo refere 10 mil mortos e 20 mil inválidos entre os soldados e ainda 100 mil vítimas civis que viviam nas colónias.
      Beijinho.

      Excluir