Trombose pode surgir meses após infecção pela Covid-19; saiba a quais sinais ficar atento - Portal Splish Splash

Recentes

domingo, fevereiro 21, 2021

Trombose pode surgir meses após infecção pela Covid-19; saiba a quais sinais ficar atento

Covid-19 desencadeia um processo de hipercoagulação que não se restringe apenas ao período de atividade da doença, favorecendo o surgimento de coágulos nas veias até mesmo em pacientes já curados.

 

Covid-19 desencadeia um processo de hipercoagulação que não se restringe apenas ao período de atividade da doença, favorecendo o surgimento de coágulos nas veias até mesmo em pacientes já curados.


São Paulo – fevereiro 2021 - Uma das graves complicações relacionadas a casos de Covid-19 é o surgimento de trombose, que ocorre quando um coágulo sanguíneo se desenvolve no interior das veias das pernas devido à circulação inadequada, impedindo assim a passagem do sangue. “Isso acontece porque o agente patógeno causador da Covid-19 desencadeia um processo incomum de coagulação, favorecendo a formação de coágulos nas veias e, consequentemente, aumentando a incidência de quadros de trombose. Além disso, o Coronavírus também favorece o surgimento de trombose nos pequenos vasos, causando uma inflamação na parede das artérias e dos vasos”, explica a cirurgiã vascular Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. E agora, passado algum tempo de disseminação da doença, percebeu-se que essa ligação não se restringe apenas ao período de atividade da Covid-19, pois cirurgiões vasculares e angiologistas têm observado um aumento na incidência de casos de trombose até mesmo após o fim da infecção pelo Coronavírus.


Segundo a especialista, o aumento da predisposição de trombose parece ser mais uma das sequelas causadas pela Covid-19, que também incluem perda e diminuição do paladar e olfato e cansaço. “E esse efeito a longo prazo da Covid-19 independe da gravidade da doença, pois, em consultório, observamos a incidência de trombose tanto em pacientes que apresentaram graves sintomas quanto naqueles que foram assintomáticos”, alerta a médica. “A predisposição à trombose é ainda maior em pacientes que, além de terem sido infectados pelo Coronavírus, apresentam outros fatores de risco envolvidos no aparecimento da condição, como obesidade, tabagismo, uso de hormônios e pílulas anticoncepcionais, portadores de câncer, gestantes, idosos, deficientes físicos e portadores de varizes.”


Por isso, mesmo após o tratamento e cura da Covid-19, é importante não descuidar da saúde e continuar atento aos sinais dados pelo organismo, consultado o médico imediatamente caso note os sintomas de trombose. “Isso porque, se não tratado, o coágulo causador da trombose pode se desprender da parede da veia e correr pela circulação até chegar ao pulmão, causando uma embolia pulmonar que pode resultar até mesmo em morte súbita”, destaca a cirurgiã vascular. De acordo com a especialista, os sinais da trombose incluem dor na perna, principalmente na panturrilha, associada a inchaço persistente, calor, sensibilidade e vermelhidão. “Mudança de cor na região e dificuldade de locomoção também podem indicar a presença de um coágulo sanguíneo nas pernas”, completa.


Além de prestar atenção aos sintomas da condição, é importante também investir em cuidados que auxiliam na prevenção da trombose. “Para evitar casos de trombose é recomendado que você pare de fumar, consuma bastante água, adote uma alimentação balanceada, realize exercícios físicos regularmente e evite passar muito tempo na mesma posição, seja no horário de trabalho ou em longas viagens, levantando-se de hora em hora para se movimentar um pouco”, aconselha a médica. “Em alguns casos, o uso de meias elásticas também pode ser indicado, já que essas meias comprimem os vasos sanguíneos, melhorando o retorno venoso e, consequentemente, prevenindo problemas vasculares como varizes e trombose”


Porém, o mais importante para evitar complicações após a infecção pela Covid-19 é continuar com consultas médicas regulares, já que o profissional especializado poderá realizar avaliações e, se for o caso, diagnosticar um quadro de trombose precocemente. “Geralmente, o tratamento da doença inclui o uso de medicamentos anticoagulantes que vão ajudar na redução da viscosidade do sangue e na dissolução do coágulo, impedindo assim que esse cresça e avance para outras regiões e evitando a ocorrência de novos quadros de trombose”, finaliza a Dra Aline Lamaita.


FONTE: *DRA. ALINE LAMAITA: Cirurgiã vascular, Dra. Aline Lamaita é membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine, a médica é formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (2000) e hoje dedica a maior parte do seu tempo à Flebologia (estudo das veias). Curso de Lifestyle Medicine pela Universidade de Harvard (2018). A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina. RQE 26557 http://www.alinelamaita.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário