ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/26/2020

Clássico de Chico Buarque ganha versão do Duo de Casa, formado por Cacala Carvalho e canequinha

Duo de Casa estreia com uma releitura de "Jorge Maravilha", clássico de Chico Buarque
Duo de casa - Jorge Maravilha


Faixa marca a estreia do novo projeto


Um dos três rocks da extensa discografia de Chico Buarque, “Jorge Maravilha” é uma bem-humorada canção que se refere a um conflito geracional de fundo político em meio a um período conturbado da nossa história. Agora a faixa ganha uma nova interpretação unindo gerações diferentes através do projeto Duo de Casa, que traz Cacala Carvalho e seu filho canequinha. A faixa já está disponível para streaming nas principais plataformas de música.


O clássico foi composto em 1973 quando Chico usava o heterônimo Julinho da Adelaide para burlar a censura. Segundo o próprio autor, o verso irônico e icônico “Você não gosta de mim mas sua filha gosta” se baseia numa situação vivida por ele durante o regime militar no país. Em uma declaração nos anos 70, ele contou que quando foi detido e levado ao Dops, no elevador, um agente pediu a ele um autógrafo para sua filha. 


A música é um destaque no repertório do Duo de Casa, que apresenta arranjos personalizados para uma seleção eclética representando a trilha sonora da vida da família. A atmosfera é mais que íntima, pois mãe e filho já tocam, compõem e cantam juntos desde a barriga.  Afeto, intimidade e história são as palavras que representam o encantamento deste encontro único, na vida e nos palcos.


Cacala Carvalho atua na música há mais de 30 anos, tendo uma trajetória solo e também em grupos vocais como Arranco de Varsóvia e o Folia de 3. Seus trabalhos a levaram a se apresentar pelo Brasil e em Lisboa, e a gravar um total de oito álbuns, sendo dois solo. Cacala também compõe e em seu trabalho autoral as canções bebem da inspiração das ruas e praias do Rio de Janeiro e Niterói, cidade onde reside desde 2004. 


Mais recentemente, sua obra se debruça em especial sobre a experiência feminina nas idas e vindas dos amores praianos, dos traslados urbanos, no lirismo das paisagens que admira. Influenciada pela MPB e pela psicodelia nacional, Cacala define seu estilo como Bossa Psicodélica. Sua relação com a música brasileira já foi expressada no lançamento mais recente, o single “Mestres Meus”, uma ode e homenagem ao impacto da obra de Moraes Moreira na cultura popular.


Assista a “Mestres Meus”: https://youtu.be/bNpYI-lC0Js 


Filho de pais instrumentistas, canequinha passou pela Escola de Música Villa-Lobos e ainda criança, participou do programa de musicalização O Passo de Lucas Ciavatta. Mais tarde, veio a se tornar aluno do Bacharelado em Composição na UFRJ. O contato com o violão se estreitou a partir da formação das primeiras bandas, entre elas a ManoEla e a Bow Bow Cogumelo, que se tornaram projetos pessoais de longa duração.


Nos intervalos de uma extensa turnê nacional como violonista do espetáculo “Cássia Eller - o Musical”, o artista criou o projeto experimental EJO-Eletrojohn, que juntou as referências da Tropicália à cultura do rap e música eletrônica.


Toda a experiência adquirida nos palcos, estudos, turnês e experimentos se concentram em sua carreira solo, onde cria uma ponte entre referências do passado e do presente como uma enchente de sensações. Seu lançamento de estreia foi o single “Não Vai Passar (Tão Cedo)".


Assista ao clipe “Não Vai Passar (Tão Cedo)": https://youtu.be/RyrnScl1tfY


Tudo isso se une na interpretação do duo para “Jorge Maravilha”, com arranjo de Cacala Carvalho e Fernando Caneca, pai de canequinha. A faixa está disponível em todas as plataformas de música digital.


Ouça “Jorge Maravilha”: https://smarturl.it/JorgeMaravilha


Duo de casa por Matheus Accorsi

Ficha técnica:

Arranjo: Cacala Carvalho e Fernando Caneca

Gravado em Janeiro de 2020 por Daniel Drago no Estúdio Hi Eight

Mixado e masterizado em Agosto de 2020 por Everson Dias

Capa:  Luíza Gueiros

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo