ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/09/2020

Motivação e autoestima em alta para o Enem


Por: Psicóloga Marina Franco*

Todos os anos os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) sentem muita ansiedade em relação à prova. Esse ano, porém, muitos estão mais estressados pelas mudanças no ano letivo e na rotina escolar devido à pandemia do novo coronavírus.

O estudante que se sente prejudicado para fazer a prova desse ano, pode vir a desenvolver diferentes tipos de problemas de ordem mental. Entre eles, os mais comuns são a ansiedade e o estresse agudo. Além disso, as constantes preocupações podem impactar no dia a dia do indivíduo, fazendo com que desenvolva algum tipo de transtorno de ansiedade, como, por exemplo, o transtorno de ansiedade generalizada e o transtorno do pânico. Podem surgir também outros problemas como a depressão e a compulsão alimentar em virtude de uma carga emocional muito grande.

O Enem desse ano vai ser diferente. O motivo é que a pandemia modificou a forma de estudar. Há alunos que não estão conseguindo se adaptar ao ensino à distância ou simplesmente não tem computador. Aqueles que foram mais afetados devido à doença e não estão conseguindo se adaptar ao ensino à distância, por exemplo, vão precisar de um maior apoio de amigos e familiares para que não percam a autoconfiança e consigam driblar as adversidades que estão surgindo.  

Para esse momento, a autoconfiança é essencial. Caso venha a desanimar, corre o risco de impactar diretamente nos objetivos e desempenhos. Assim, a dificuldade real de não ter acesso a alguns conteúdos se somará a uma crença de falta de capacidade. Isso gera um ciclo que, por si só, tende a produzir os resultados que eles mais temiam. É o que chamamos do poder do pensamento positivo, se não acreditamos em nós mesmos, agimos como se não fôssemos capazes e acabamos por gerar o que temíamos. Os candidatos precisam acreditar neles.

Para quem está precisando de ajuda para ter autoestima e acreditar que é possível chegar lá, é fundamental que pais e amigos se mostrem e estejam presentes oferecendo apoio emocional e ajuda nos estudos mesmo que através de videochamadas.

Candidato, lembre-se de valorizar cada conquista alcançada, focando no processo e não no resultado. Aconselho que crie uma rotina de estudos com pausas e divisão de tarefas grandes em menores (ou subtarefas) para que sejam mais possíveis de serem concluídas com sucesso, o que vai gerar uma motivação após a realização. Converse com colegas que estão na mesma situação ou ex-alunos sobre inseguranças que tiveram para ter expectativas realistas.

Também questione os pensamentos aliados à ansiedade quando aparecerem, lembrando que os nossos pensamentos são apenas pensamentos e não a realidade. Respire e procure se manter tranquilo. Treine o pensamento positivo, pois, o que pensamos tem o poder de criar realidades. Acredite nisso! Tente prever situações que poderiam dar errado na hora da prova e pensar no que faria para reverter. Talvez na prova possa dar aquele “branco”, tentar pular a questão até lembrar do conteúdo ou nesse momento manter a calma. Essa preparação irá te ajudar a lidar com possíveis cenários ruins. Por último, tenha uma rotina de sono saudável. Estude, acredite e boa prova.

(*) Marina Franco é psicóloga formada pela Universidade Federal de Sergipe; Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pelo CTC VEDA em São Paulo; Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP; realiza atendimento presencial e online. Tem experiência no atendimento com adolescentes e adultos.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo