LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

6/16/2020

Aqui estão os 5 motivos para você desistir do celular pelo menos 2 horas antes de dormir


Durante a quarentena, é mais comum que o celular seja um bom companheiro dentro de casa. Mas se você já ficou o dia inteiro nele, trabalhando ou em contato social, é melhor deixá-lo de lado à noite e tentar ler um livro ou fazer meditação

São Paulo — 08/06/2020 - Estamos isolados, mas a tecnologia ainda nos une, seja por meio de videoconferências ou até mesmo telefonemas, resguardando nosso contato social – que é fundamental para a saúde mental. Mas se o seu melhor amigo nessa jornada tem sido o celular, saiba que é melhor começar a discutir a relação: os smartphones, direta ou indiretamente, podem ser responsáveis por piorar a qualidade do sono, aumentar o nível de estresse, causar manchas e rugas na pele, além de lesões nos dedos. Abaixo, médicos de diversas especialidades explicam porque deixar o celular de lado e buscar novas atividades pelo menos duas horas antes de dormir:

O celular prejudica seu sono
O uso da tecnologia é apontado como um dos grandes problemas que podem estar condicionando o sono de tantas pessoas. Cerca de 90% da população diz usar o celular, a TV ou outro dispositivo eletrônico até adormecer. “Esses dispositivos também emitem luz azul, e é essa luz que diz ao nosso cérebro para acordar e estar alerta pela manhã. Mas o problema é pior no caso do celular, já que ele fica mais próximo ao rosto. Então o uso desse dispositivo pode causar insônia ou piorar muito a qualidade do sono”, diz o médico Dr. Mário Farinazzo, cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e médico voluntário no atendimento a casos suspeitos de Covid-19 no Hospital São Paulo. “Para dormir bem, fique longe de aparelhos como celulares, computadores e TV antes de se deitar e faça refeições mais leves à noite”, diz a médica ginecologista Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira, membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Ele também pode aumentar seu estresse
Segundo o Dr. Mário, durante o dia, acumulamos pensamentos e temos a liberação hormonal do cortisol. “E, à noite, que é, teoricamente, o momento que devemos desligar, com essas mudanças na rotina por conta do isolamento, ocorre o pico dessa ansiedade, pois não tivemos um dia equilibrado e não conseguimos processar toda a informação. Por isso, normalmente, muitas pessoas não conseguem dormir ou descontam na comida quando a noite chega”, diz o médico. O problema é que o celular pode potencializar muito esse processo, já que – mesmo que você use para distrair a cabeça, é difícil passar imune às redes sociais. E nesse momento, somos bombardeados de informações a respeito do Covid-19. “Essa não é uma maneira eficiente de relaxar antes de dormir. Especialmente porque, frequentemente, o que estamos vendo nas notícias pode nos causar ansiedade ou estresse, mesmo antes de dormir, quando estamos tentando desacelerar e relaxar”, diz a médica Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira.

A luz azul também causa manchas
Não bastasse causar problemas de sono e aumento de estresse, o celular também está relacionado a problemas estéticos. O primeiro deles é a mancha. “A exposição diária e excessiva diante do computador e celular, por exemplo, pode trazer malefícios como contribuir para o envelhecimento da pele, por causa da radiação emitida, além de ajudar quanto ao aparecimento de manchas. Estamos cada vez mais expostos ao que vem sendo chamado de envelhecimento digital, ou ainda de envelhecimento 3C – cidades, computadores e comunicação sem fio”, afirma Isabel Luiza Piatti, especialista em Estética e Cosmetologia, embaixadora do CIA - Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas, e Membro do Conselho Científico da Academia Brasileira de Estética Científica – ABEC. Segundo a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia, a luz azul é proveniente dos smartphones, tablets e computadores, sendo considerada a porção mais energética da luz visível e está relacionada a diversas patologias como melasma, envelhecimento e câncer de pele. “Mesmo não sendo um conceito novo, é necessário pontuar que a luz visível continua sendo um perigo. Presente na nossa rotina diária, ela é capaz de promover a médio e longo prazos um quadro de eritema mesmo que subcutâneo, mas já suficiente para gerar a presença das sunburn cells (ou células que sofreram alterações importantes pela radiação ultravioleta apresentando degeneração no seu DNA, promotoras mais tarde da possibilidade de cancerização). A luz visível atua no estímulo da melanogênese, resultando em manchas”, afirma a médica. Então, se você precisa trabalhar com o celular o dia inteiro, use protetor solar. Durante a noite é o momento ideal para esquecer que seu smartphone existe!

Cuidado com o tech neck
Você conhece as rugas tech neck? Esse termo surgiu com a imprensa especializada americana e se tornou uma das novas preocupações mundiais em skincare, pois o constante dobramento da pele do pescoço em movimentos repetitivos para olhar o celular tem aumentado a procura por tratamentos preventivos e corretivos das rugas e linhas do pescoço. “A inclinação frequente da cabeça para baixo para olhar o celular, tablet ou outro dispositivo acelera o processo de envelhecimento no pescoço e isso foi citado inclusive por um estudo da Universidade de Chung-Ang, na Coreia do Sul, sobre uma nova técnica para rejuvenescer a pele da região: o artigo dizia que mulheres a partir dos 29 anos já apresentam vincos nessa área, enquanto o natural seria depois dos 40”, diz a dermatologista. “O estudo afirmava que, recentemente, o número de pacientes com rugas do pescoço vem aumentando. Além disso, um número crescente de pacientes jovens apresentou essa condição, possivelmente devido ao efeito da postura que eles adotam ao olhar para baixo quando usam smartphone ou outros dispositivos. Esses movimentos repetitivos formam sulcos, como se fossem “colares cervicais” nessa região”, afirma a Dra. Claudia Marçal.

Suas mãos e seus dedos pedem uma pausa
Hoje em dia é comum observar pessoas que não largam o celular por nada e passam o dia todo digitando e enviando mensagens. Porém, muitos desconhecem que o hábito de realizar sempre o mesmo movimento com os dedos para digitar, ou até mesmo segurar constantemente o dispositivo com uma das mãos, pode favorecer o aparecimento de uma série de problemas. Estudo conduzido pela Universidade de Gothenburg, na Suécia, afirma que o polegar é uma das áreas mais sensíveis, por conta dos movimentos altamente repetitivos, que têm sido identificados como um potencial fator de risco para distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao uso de telefones celulares. A repetição excessiva do mesmo movimento pode causar um efeito inflamatório e, posteriormente, degenerativo nas articulações e tendões dessas regiões. Segundo a angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Academia Americana de Medicina do Estilo de Vida, o melhor a fazer é usar o expediente noturno como pauta e, não apenas para realizar alongamentos da região comprometida, como também estimular a circulação.

O que fazer de noite para ‘suprir’ as horas no celular? A dica é substituir essas tecnologias por tarefas realmente relaxantes. “Tente fazer algum tipo de leitura ou meditação, principalmente próximo ao horário convencional que você dormia antes do isolamento social”, diz o Dr. Mário. Outros rituais que podem ajudar é tomar um banho, acender uma vela e usar produtos e hidratantes faciais com aromas calmantes, como lavanda e sândalo.

Outra dica importante é com relação às práticas de meditação e bons hábitos. “Mindfullness, por exemplo, significa viver em atenção plena, ou seja, conseguir literalmente vivenciar os momentos, desde os mais simples com todas as suas características emocionais e sensoriais, sem distrações. O mindfullness pode ser usado para qualquer pessoa que queira começar alguma prática de meditação mas que não sabe como dar os primeiros passos. Essa prática está relacionada à gerência de estresse, melhora de concentração e melhora de produtividade”, finaliza a Dra. Aline.

Fontes:
*DRA. ALINE LAMAITA: Cirurgiã vascular e angiologista, Dra. Aline Lamaita é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a médica participa, na Universidade de Harvard, de cursos de pós-graduação que ensinam ferramentas para estimular mudanças no estilo de vida nos pacientes em prol da melhora da longevidade e qualidade de vida. A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina. http://www.alinelamaita.com.br/

*DRA. ANA CAROLINA LÚCIO PEREIRA: Ginecologista, membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), especialista em Ginecologia Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira e graduada em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro em 2005. Especialista em Medicina do Tráfego pela Abramet, a médica realiza consultas ginecológicas, obstétricas e cirurgias, atuando na prevenção e tratamento de doenças gineco-obstétricas com foco em gestação de alto risco.

*DRA. CLAUDIA MARÇAL - É médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). É speaker Internacional da Lumenis, maior fabricante de equipamentos médicos a laser do mundo; e palestrante da Dermatologic Aesthetic Surgery International League (DASIL). Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. É proprietária do Espaço Cariz, em Campinas - SP.

*DR. MÁRIO FARINAZZO: Cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da UNIFESP e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy™ e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine™ Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz, Oswaldo Cruz, entre outros. http://www.alinelamaita.com.br/

*ISABEL LUIZA PIATTI: Isabel Luiza Piatti – Especialista em Estética e Cosmetologia, embaixadora do CIA - Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas, Membro do Conselho Científico da Academia Brasileira de Estética Científica – ABEC. Profissional Aisthesis. Tecnóloga em Estética e Imagem Pessoal. Técnica em Estética. Pós-Graduanda em Estética e Exercício Físico na Saúde da Mulher. Especialista em Cosmetologia. Especialização em Escolas de Estética e Terapias Alternativas na Europa, na área Facial, Corporal e Bem-Estar. Palestrante no VI Congresso Mundial de Medicina Estética da IAAM/ASIME. Palestrante em Congressos da área da Saúde Estética Nacionais e Mundiais. Consultora técnica de revistas e sites da área de Beleza e Estética. Autora dos Livros “Biossegurança Estética & Imagem Pessoal – Formalização do Estabelecimento, Exigências da Vigilância Sanitária em Biossegurança” e “Gestantes: Cuidados Estéticos Durante a Gravidez”.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo