ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

10/21/2019

Espetáculo "REFAVELA" | 25 anos da companhia "Dançando Para Não Dançar"

 FOTO APRESENTAÇÃO NA CRUZADA-SAMARA

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Lei Municipal de Incentivo à Cultura - Lei do ISS 
e o Dançando Para Não Dançar apresentam 
"REFAVELA”

Patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Lei Municipal de Incentivo à Cultura - Lei do ISS, o espetáculo celebra os 25 anos da companhia e escola de Balé das Comunidades

Há 25 anos, a tradicional Escola de Balé das Comunidades "Dançando Para Não Dançar" transforma a vida de crianças e jovens de comunidades cariocas.  Além da sede, no Centro do Rio, o projeto, que já revelou dezenas de talentos e atualmente possui cerca de 150 alunos, atua em oito comunidades das Zonas Norte e Sul do Rio (Rocinha, Cantagalo, Pavão-Pavãozinho, Mangueira, Chapéu-Mangueira, Babilônia, Borel e São Carlos). Para celebrar essa bem-sucedida história de inclusão através da dança, o grupo apresenta  o espetáculo "Refavela" no dia 21 de outubro de 2019,  às 19h30, entrada 1 kg de alimento não perecível., no Teatro Rival Petrobras,  no Centro do Rio. No repertório do balé contemporâneo Refavela, estão seis músicas do cantor Chico César e uma canção de Chico Buarque e Gilberto Gil. As coreografias são assinadas por Maria Gabriela Aguilar, Samara Mello, Márcia Freire, Paulo Rodrigues e Eduardo Masquette.

"É um momento de celebrar todos os alunos que foram e estão sendo encaminhados pelo projeto, de todas as formas possíveis, seja indo para fora do Brasil, ou permanecendo aqui e inspirando os outros alunos, como professores ou se formando e caminhando em outra profissão”, comenta a carioca Thereza Aguilar, de 55 anos, coordenadora do Dançando Para Não Dançar, criado no Pavão-Pavãozinho e no Cantagalo, em 1994. “A ideia veio pela necessidade de mudar algo através da arte, que sempre foi inacessível para esse público. Por exemplo, uma sapatilha de ponta realmente custa muito caro (na média de R$ 150, 200) e essas meninas usam uma por mês. A filosofia é fazer com que crianças de diferentes classes sociais tenham sonhos e se sintam prontas para realizá-los".  

Num contraponto ao verdadeiro cenário de guerra vivido pelos próprios alunos e suas famílias nas comunidades, "Refavela" mostra a visão romântica do morro e sua realidade, tudo tendo como pano de fundo uma história de amor que vê na vida nas favelas elementos da mitologia da Grécia Antiga, com o sagrado e o profano amalgamados em habitações clandestinas. 

“Diariamente, meus alunos enfrentam problemas. Da criança ter que faltar aula porque está tendo operação, tiroteio. Isso é muito ruim pra gente, muito difícil. E, ao chegar na sala de aula, também demora para fechar a porta e esquecer do que está acontecendo lá fora, sendo que muitas têm amigos, parentes dela lá fora sujeitos a ganhar uma bala perdida”, explica Thereza, que nunca “perdeu” nenhum aluno para o tráfico, mas sim teve que “recuperar” o pai de bailarina.

Além de batalhar para manter suas crianças frequentando as unidades de dança espalhadas pelas comunidades cariocas, Thereza enfrenta resistências das famílias para verem a dança como uma atividade possível e com potencial de crescimento para crianças e jovens do sexo masculino.  

"Para o menino sempre tem resistência, mas pra menina, não.  Todas elas querem fazer balé, ficam me procurando. Tenho pouquíssimos meninos matriculados, a resistência é imensa, é muito conservadorismo. O Rômulo Mello, que vai dançar o balé “Refavela”, tinha deixado o grupo para ser auxiliar de pedreiro. E hoje, ele está voltando para o Dançando, porque ele viu que aquele caminho não era o dele. Mas acho que o preconceito vem principalmente da elite, que também precisa ser reeducada pela arte". 

Exemplos deste trabalho bem-feito de revelar talentos não faltam. Há ex-integrantes do projeto que hoje atuam em companhias importantes pelo mundo e fizeram da dança profissão. Inclusive, o Dançando Para Não Dançar nesta apresentação comemorativa vai contar com a participação de Ingrid Silva, primeira-bailarina do Dance Theatre of Harlem e revelada pelo projeto.

“Nós normalmente não contratamos professoras. O que temos são ex-alunas que retornam ao Brasil e voltam pra dar aula aqui”, comenta Thereza. 

Parcerias 
O projeto Dançando Para Não Dançar é patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura - Lei do ISS. Também conta com apoio de Governo do Estado do Rio de Janeiro, Vídeo Filme, Casa do Biscoito e do curso de inglês Brasas.

Repertório 
“Desejo e Necessidade” (Chico César) 5:40 
“Enxerto Poético” (Chico César) 5:12 
“Cálice” (Chico Buarque e Gilberto Gil) 4:17 
Ora-Pro-Nobis 
“Estado de Poesia”(Chico César) 5:15 
“Palavra Mágica” (Chico César) 4:34 
“Por que você não vem morar comigo” (Chico César) 4:00 
“Mama África (Chico César)” 4:11  


SERVIÇO: 
Espetáculo "REFAVELA" | 25 anos da companhia "Dançando Para Não Dançar" 
Apresentação Única
Teatro Rival Petrobras - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Centro/Cinelândia - Rio de Janeiro. 
Data: 21 de outubro (segunda-feira). 
Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. 
Entrada Gratuita com 1 kilo de alimento
Classificação Livre. 
Duração: 45 minutos.
Informações: (21) 2240-9796. 
Capacidade: 350 pessoas. 
Metrô/VLT: Estação Cinelândia.
Sede do Dançando Para Não Dançar: Rua Frei Caneca, 139 - Centro - Rio de Janeiro. E-mail: projetodancando@gmail.com. Site: dpnd.org.br. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo