ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

5/08/2019

Jornalismo – Do passado ao presente


Quando parti para Angola em 1965, já levava na bagagem a esperança de seguir a carreira jornalística, tendo em linha de conta que, no ano de 1964, comecei nas lides em representação do jornal "Ecos do Marítimo", por via de um desafio que me foi lançado pelo meu bom amigo Edmundo José Pereira que, mais tarde, após ter emigrado, faleceu em Toronto, Canadá.

Assim, em Angola, não descurei esse entusiasmo para me transformar em verdadeiro homem do jornalismo, neste caso, o desportivo, mantendo uma regular colaboração no jornal do Batalhão de Caçadores 471 e, logo de seguida, a convite do capitão José Cid Torres, enfileirar o naipe de colaboradores do jornal "O Planalto", com publicação na cidade de Nova Lisboa, a capital do distrito do Huambo. Mantive-me nessa situação até regressar a Portugal (1967). Depois de umas curtas férias, reiniciei, com mais intensidade, as colaborações em jornais de clubes para, um ano volvido, entrar para o vespertino “A União”, pela mão de José Daniel Macide (RIP). Estava lançado na imprensa de cariz regional, alternando, em poucos anos, com o "Diário Insular", matutino da mesma cidade de Angra do Heroísmo.

Já com tarimba de jornalista credenciado, sou convidado pelo Açoriano Oriental, o mais antigo jornal de Portugal (terceiro na escala mundial), para liderar um projeto de jornal da especialidade, bi-semanário. De novo, aceitei mais este repto, nada fácil, convenhamos, mas lá consegui que o jornal saísse regularmente. Uma experiência enriquecedora, corroborada com subsequente convite, desta feita do "Diário Insular". Um projeto idêntico e que, desde logo, teve pernas para andar. Hoje, continua a ser o jornal mais lido na região dos Açores, registando várias distinções nas galas promovidas pelo governo açoriano. É obra!

Comecei, a partir daí, a ser solicitado por outros jornais, os madeirenses "Diário de Notícias" e "Jornal da Madeira", Expresso do Centro (Coimbra), 24 HORAS, Jornal Açores, Stadium (Toronto-Canadá), As revistas Açoresport, Açores e Açoriano Desportivo, esta última numa iniciativa de João Palmeira Bicho, atualmente a residir em Resende, Estado do Rio de Janeiro e com quem já conversei telefonicamente. João Bicho que continua com o bichinho da rádio. E, de facto, aproveitou bem a sua vasta experiência, parte dela trazida de Angola.
De tudo isto se infere que fui adquirindo a consentânea maturidade para me guindar aos patamares superiores, ou seja, jornais de maior projeção nacional. Esta passagem pela imprensa regional terá sido, ao cabo, um trampolim.

Hoje, quase ao atingir os 56 anos de carreira (a 10 de março de 2020), ainda não perdi faculdades. Fechar o meu ciclo jornalístico vai ser difícil, mas, por outro lado, fica para a posteridade o ter atingido as minhas "bodas de ouro". As de "prata" essas foram assinaladas com pompa e circunstância em Angra do Heroísmo, estava eu ao serviço dos jornais A Bola e A União e, também, como editor desportivo da Rádio Horizonte – Açores.

Hoje, sou igual ao mim próprio, dispondo do meu Blog generalista, colaborando em sites e jornais digitais. É outra experiência, também ela sumamente agradável. Portanto, e na sequência do que atrás referi, honrado por estar aqui neste Portal Luso – Brasileiro Splish Splash.

Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Enviar um comentário

GALERIA DA LUSOFONIA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil