ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

4/22/2019

Roteiro de Sustos #8 - Bahia de todos os fantasmas


O que é que a baiana tem? Tem lençóis brancos esvoaçantes, tem! Tem gritos de arrepiar, tem! Sombras de cemitério, tem! Tem lamento na madrugada, tem! É tanto susto que nas proximidades de Alagoinhas, interior da Bahia, em meados de 2012, a polícia rodoviária federal chegou a interditar um trecho da BR-101, pois os motoristas que trafegavam pelo local relatavam estranhos avistamentos no meio da rodovia. Vultos fantasmagóricos e até mesmo animais que morreram atropelados há muito tempo saltavam à frente dos veículos causando acidentes. Verdade ou mentira, quem saberá dizer? O que podemos afirmar com toda certeza é que toda cidade guarda suas histórias de assombração, mitos funestos e seus causos de botar medo. Todo mito reivindica audiência e para saber-lhes as querências, basta assuntar com os locais.

É isso que tem feito o escritor paulista, M. R. Terci, colunista da Revista Aventuras na História. Sucesso de público e vendas na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Terci já percorreu muito chão e muita página à caça desses mistérios. Exímio conhecedor dos lugares mais perigosos e assombrosos do Brasil, ele não poupa esforços quando o assunto é trazer esses pesadelos para o papel: “Toda cidade guarda seus mistérios, uma cidade com 470 anos esconde muito mais. ” –  menciona. A pedido de nossa redação, Terci elaborou uma lista dos lugares mal-assombrados de Salvador e circunvizinhanças! Confiram!

1. O menor pedaço de terra de todas as 56 ilhas da Baía de Todos os Santos, dizem, é assombrado. A Ilha do Medo merece a alcunha. Partindo de Salvador, são duas horas de barco até ela. Vozes, gritos e gemidos se espremem para fora da mata no momento em que os barcos se aproximam. Um velho casarão em ruínas, antigo leprosário que se prestava a isolar os portadores de hanseníase da capital baiana é o epicentro do fenômeno. O investigador do oculto vai ter muita dificuldade de alcançar esse sítio, pois mesmo durante o dia, os pescadores se recusam a pisar na ilha;

2. A Feira de São Joaquim, antes denominada Feira de Águas de Meninos, embora não esteja dentre as dicas de turismo de Salvador, vale a visita. É um espaço repleto de história e com fortes vínculos com a comunidade negra, lugar onde aportavam saveiros que traziam para a capital o artesanato produzido no recôncavo baiano. Comidas típicas, tecidos e roupas tradicionais, ervas para remédios, produtos religiosos, tudo a preços excelentes. Oh, sim! Eles também têm uma assombração rondando os corredores atulhados de mercadorias. Muita gente sente fortes dores de cabeça, desorientação e ânsia de vómito após cruzar o caminho do misterioso vulto deformado que, dizem, é um comerciante negro que morreu em 1964, vítima de um incêndio criminoso, em um dos muitos e lamentáveis episódios de limpeza étnica da capital;

3. Famoso em todo Brasil por seu histórico de comércio com mais de 250 lojas, grande variedade de artigos de artesanato, lembranças e restaurantes, é também conhecido por ser cenário de hórridas narrativas. No Mercado Modelo, o epicurista do assombro que se prestar a consultar qualquer um dos lojistas do Mercado vai ouvir sobre seus túneis assombrados. O lugar já passou por cinco incêndios trágicos. A história oficial diz que os túneis que servem dispensa de bebidas e adega, antigamente tinham outra função. Os escravos que vinham da África eram ali trancafiados e muitos entre estes nunca mais viram a luz do dia. Há ainda gente que se perdeu por ali e nunca mais foi vista. O escrutinador do fantasmagórico nunca deve descer aos túneis sozinho;

4. Passos que ninguém sabe afirmar a direção, portas que se abrem e se fecham subitamente e aparições enevoadas fazem parte da rotina do casarão conhecido como Casa das Sete Mortes ou Sete Facadas. Localizado na Rua Ribeiro dos Santos, número 24, o lugar foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, pois abriga em seus pavimentos, elementos arquitetônicos seiscentistas tais como azulejos azuis portugueses, alvenaria de pedra, além de outros ornamentos de época. Sobre sua afamada assombração, conta-se que em 1755, em um crime jamais desvendado, morreram pessoas naquela casa, entre estas, um padre. A tradição do local conta com diversas versões; uma empregada que se vingou dos maus tratos, uma tragédia amorosa, conspiração política. Recomenda-se cautela aos investigadores do oculto, crimes não elucidados costumam parir os espíritos mais vingativos;

5. Boataria gera lendas, lendas parem heróis. Mesmo os cemitérios haverão de ter seus heróis e todo teatro que se preze tem seus fantasmas. Muitas pessoas contam casos sobre o Teatro Vila Velha. Conhecido simplesmente por Vila, sua fundação data de 1964, e está localizado na Avenida Sete, no interior do Passeio Público. Fruto da contracultura, do Tropicalismo e da contestação que marcou o momento cultural brasileiro durante a ditadura militar de 1964, o Vila albergou movimentos sociais, como as lutas estudantis da década de 1970. Hoje em dia, o teatro abriga quatro grupos residentes que ensaiam, produzem e se apresentam no local e também, conta-se, o fantasma de um ator falecido, um conhecido artista engajado na defesa da democracia. Considerado um verdadeiro homem de teatro, o dramaturgo, professor de teatro, ator, tradutor, contrarregra, iluminador, cenógrafo, sonoplasta, figurinista, animador e letrista João Augusto, viajou o mundo todo, mas foi no Vila que criou suas mais fortes raízes. Fazia parte do movimento de resistência à ditadura militar, sonhava ir para Cuba, mas falecido em 1979, João não viu a ditadura acabar, mas ainda interpreta um ser curvado, mais negro que a treva mais profunda, caminhando entre as telas da primeira galeria, de início, lentamente, depois, numa velocidade impossível para um ser humano. Uma apresentação digna de aplausos dos mais céticos pesquisadores.  


*M. R. Terci é escritor, roteirista e poeta.  Antes de se dedicar exclusivamente a escrita, foi advogado com especialização em Direito Militar e mestrado em Direito Internacional, Ciência Política, Economia e Relações Internacionais. Autor de Imperiais de Gran Abuelo, publicada pela Pandorga, e o criador da série O Bairro da Cripta, lançada anteriormente pela LP-Books, obras que reforçaram seu nome como um dos principais autores brasileiros de horror da atualidade. Com base em fatos históricos, Terci substitui os castelos medievais pelos casarões coloniais, as aldeias de camponeses pelas cidadezinhas do interior, os condes pelos coronéis e as superstições por elementos de nosso folclore e crendices populares, numa verdadeira transposição do gótico para a realidade brasileira. Seus livros não são apenas para os fãs do gênero horror. Seu penejar é para quem aprecia uma narrativa envolvente, centrada na experiência subjetiva dos personagens mediante as possibilidades que o contexto sobrenatural de suas estórias permite.

Sem comentários:

Enviar um comentário