ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

4/26/2019

Clube das Iúcas em Teresópolis


Clube das Iúcas em Teresópolis

Cada vez me capacito mais que a mídia do Brasil, mais concretamente as televisões, não dá o devido relevo ao que de bom tem este país. Preferem passar para o exterior imagens de violência, o que leva muito gente a pensar que o Brasil é muito pior do que o Iraque, por exemplo. Talvez por isso, eu próprio fiquei apreensivo quando o Brasil concorreu para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Valha-nos que o projeto apresentado foi consistente, deixando Madrid pelo caminho e tudo acabou por correr dentro da normalidade. Vem isto a propósito pelo facto de eu reconhecer que este país tem belezas que devem ser divulgadas pelas televisões, para assim desenvolver cada vez mais a componente turística. Eu que não sou brasileiro, mas que amo este país, tenho feito a minha parte em algumas matérias e, inclusive, informando que nem tudo é ruim neste Brasil. Mais: a violência está grassando por esse mundo fora, inclusive no meu portugalzinho, mas, claro, que o Brasil é sempre apontado como o pior nesse sentido. Mea culpa, mea culpa? Claro que não. Tenho a minha consciência tranquila e vou mais além ao asseverar que, em termos de equilíbrio analítico-informativo, tenho feito mais do que alguns colegas brasileiros, dentro daquilo que passo para o exterior, sobretudo para a mídia de Portugal e não só. Dentro deste contexto, do pretender descobrir o bom deste país fui até Teresópolis, cidade serrana com aproximadamente duzentos mil habitantes - mais mil, menos mil -, onde fui visitar o Clube das Iúcas que, pela sua arquitetura e excelente manutenção, me surpreendeu pela positiva. Um clube que foi construído graças ao empenho da família Lemgruber e cuja fundação aconteceu em 8 de Dezembro de 1958, curiosamente dia de Nossa Senhora da Conceição, que é padroeira de Portugal e, daí, nesse mesmo dia ser Feriado Nacional. O Clube das Iúcas começou devagarzinho e, com o decorrer do tempo, as suas instalações foram correspondendo aos anseios dos seus associados, isto é, o clube foi ampliado para que a integração das famílias fosse uma consoladora realidade, o que, aliás, se constata, segundo nos garantiu o gerente José Rocha, pessoa de uma exemplar educação e que nos facultou todas as informações necessárias. Com Boate, Restaurante, Sinuca, Bosque, Play, Ténis, Piscina e Ginásio, o Clube das Iúcas é, no meu entender, um dos melhores que até agora vi neste país, impressionando-me sobremaneira a sua manutenção, objetivo que tem a ver com a própria visão do "todo" do clube para catapultá-lo como o melhor da cidade, fazendo desse empreendimento uma instituição respeitada e, em corolário, atrair nos seus quadros o almejado e importante segmento social de Teresópolis. Acresce, finalmente, que o Clube das Iúcas regista nos seus estatutos a categoria de sócio patrimonial e cujo número de títulos é de 1/3 dos proprietários, expandindo dessa forma o seu quadro social, que passou a contar com moradores de outros bairros de Teresópolis. Um exemplo a seguir dentro do contexto sócio-cultural-familiar.

Sem comentários:

Enviar um comentário