ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

10/21/2018

Professor da rede estadual e artista plástico se divide entre sala de aula e ateliê


Wender Carlos atua na Escola Estatual Alcebíades Calháo, em Cuiabá, e participa da 14ª edição da Bienal Naif do Brasil, que ocorre no Sesc Piracicaba

Viviane Saggin

O professor de história da rede estadual Wender Carlos Cardoso Nascimento divide seu tempo entre as salas de aula e as artes plásticas. Enquanto ensina os estudantes das turmas dos oitavos e nonos anos da Escola Estatual Alcebíades Calháo, em Cuiabá, também se dedica a retratar a cultura mato-grossense da forma mais simples e ingênua em suas telas.

Ele está entre os nove artistas que representam Mato Grosso na 14ª edição da Bienal Naif do Brasil, que ocorre no Sesc Piracicaba, em São Paulo, até o dia 25 de novembro.

Formado em Licenciatura Plena em História, pelo Centro Universitário de Várzea Grande (Univag), com especialização em Metodologia do Ensino da História e da Geografia, o profissional está na unidade escolar desde 2016, mas também atuou na EE Vanil Stabilito, em Várzea Grande. É servidor concursado do estado desde 2012.

Como artista plástico, atua desde 1992, participando de diversas exposições pelo Brasil e até fora do país, ganhou diversas premiações em salões de arte em Mato Grosso e fora do Estado. 


“Comecei a pintar quadros em 1992, aos 11 anos, quando conheci o projeto Ateliê Livre da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com o artista Nilson Pimenta”, conta Wender, destacando que ambos moravam no bairro Pedregal e que Nilson levava os jovens da região para aprender a pintar.

O Ateliê Livre era coordenado por Pimenta e Dalva de Barros, em um espaço próximo ao zoológico, dentro do campus da universidade.

Anos depois, ele conheceu sua esposa Ester Fontes Nascimento, que fazia graduação em artes e o incentivou a continuar produzindo, percebendo seu potencial artístico. “Ela teve grande importância para a construção da minha carreira. Se ela não me incentivasse, eu já teria parado”, destaca.

Sobre sua arte, ele diz que gosta de focar nas questões ligadas ao social de Cuiabá, algo ligado à pesca, ao garimpo, aos objetos de Cuiabá. “O que remete ao regional. Antes era uma vida mais simples, não tinha esse movimento de carros. Então, são cenas que eram comuns do cotidiano em primeiro plano e com traços simples”, destaca.


Sala de aula

Wender lembra que escolheu ser professor por influência acadêmica na faculdade de história. Com exemplos de   bons professores, começou a se apaixonar pela profissão e pensar em um dia se tornar um mestre.

“O professor tem vários mecanismos para influenciar na vida dos estudantes. Uma das coisas é sempre diversificar suas aulas, na forma metodológica que atraem os alunos. Por exemplo, aula que possa fazer com que o aluno seja o agente da história e da geografia, no seu bairro, sua comunidade, e ele sendo o protagonista o transformador do seu meio vivido. Podemos utilizar, a cultura, como dança regional, a pintura artística da região - conhecendo os artistas locais, etc.”, avalia.

Na escola, desenvolve projetos, juntamente com seus colegas, como Feira de Ciências, Projeto de Ambientalização e Preservação do Meio Ambiente, que é permanente o ano todo, Educomunicação e Africanidade, além do projeto Ler Mato Grosso, que envolve todas as disciplinas, continuo e interativo, entre outros.

Com relação às artes, ele diz que é importante que os estudantes conheçam os artistas que fazem parte da cultura e da arte de Mato Grosso, até mesmo pode influenciar aqueles que tem habilidade e dom da arte. “É preciso que eles conheçam museus, galerias de artes e que lancem um olhar diferenciado quando se deparam com as artes nas ruas da cidade de Cuiabá e outros lugares que forem”.

O destaque alcançado pelo professor no cenário das artes plásticas tem despertado interesse dos estudantes. “No início, quando eles souberam que eu iria participar da Bienal ficaram muito curiosos. Perguntavam qual é o meu estilo de pintura, o que é arte Naíf, etc.”


De acordo com ele, a importância é sublime para qualquer artista pelo fato de participar de um grande evento da arte brasileiro, que reúne os melhores artistas selecionados pelos grandes críticos do Brasil.

“Além disso, foi editado um livro para a divulgação da exposição e dos trabalhos, que é visto por muitas pessoas que gostam da arte e colecionadores”, comemora.  

Sobre o futuro, o professor artista diz que quer continuar divulgando o seu trabalho, participar de exposições em lugares diferentes. “E, acima de tudo, continuar trabalhando para formação de estudantes de escolas e na formação de novos talentos que irão surgir nesta trajetória. A arte contribui para uma visão mais ampla de mundo e é uma forma de comunicar, uma maneira de expressão, de abrir horizontes e, nesse sentido, salva", finaliza.

Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil