ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

27 de outubro de 2018

Martinho da Vila lança "Bandeira da Fé"


Por Mauro Ferreira


Martinho da Vila se mostra atual entre as reflexões, tomadas de posição e exaltações feitas no politizado álbum 'Bandeira da fé'

"Não esmoreçam e fiquem de pé / Pra mostrar que há força no amor", convoca Martinho da Vila no samba antigo, mas atualíssimo, que dá nome ao álbum, Bandeira da fé, que o cantor, compositor e ritmista fluminense lança hoje, 26 de outubro, com produção assinada pelo próprio artista.

Aos 80 anos, Martinho da Vila toma partido e manda recado explícito em cinco das 12 músicas de Bandeira da fé, álbum que apresenta dez meses após Alô Vila Isabeeeel!!!, disco de aura carnavalesca editado pelo artista em janeiro deste ano de 2018.

O próprio resgate do samba-título Bandeira da fé simboliza o tom político de disco que não foge à luta, como simboliza a ilustração criada por Elifas Andreato para a capa do álbum. Bandeira da fé é parceria de Martinho com Zé Katimba lançada em 1983 por Luiz Carlos da Vila (1949 – 2008), regravada em 1984 por Agepê (1942 – 1995) e até então nunca registrada em disco pelo próprio Martinho.

Capa da edição em CD do álbum 'Bandeira da fé', de Martinho da Vila
Foto: Ilustração de Elifas Andreato
                                                              
O compositor hasteia o samba Bandeira da fé na hora certa para propagar resistência e defender valores humanistas. Ao discorrer sobre a natureza feminina, Martinho dá voz à apresentadora e jornalista da TV Globo, Glória Maria, convidada a recitar os versos de Ser mulher (Martinho da Vila), poesia falada que se ajusta à ideologia de disco que cativa mais pela palavras do que pela música. Tanto que o canto de Martinho muitas vezes adquire a forma do discurso falado.

Para protestar contra o racismo e exaltar o orgulho negro, o cantor convoca Rappin' Hood para misturar samba com rap (com direito a som de guitarra roqueira ao fim) em O sonho continua (Martinho da Vila, Rappin' Hood e Jujuh Ferreira).

No disco, esse samba-rap está literalmente e conceitualmente linkado com Zumbi dos Palmares, Zumbi (Martinho da Vila e Leonardo Bruno, 2000), tema composto para o espetáculo Concerto negro (2000), mas nunca gravado por Martinho. No registro fonográfico do álbum Bandeira da fé, este samba evoca os tambores da África – pondo em primeiro plano o toque das percussões de Bernardo Aguiar e Gabriel Policarpo – para exaltar Zumbi (1655 – 1695), pioneiro líder guerreiro na luta contra a escravidão.
Martinho da Vila apresenta sete músicas inéditas ao longo das 
12 faixas do álbum 'Bandeira da fé'
Foto: Reprodução / Página de Martinho da Vila no Facebook

Completa o bloco explicitamente político Não digo amém, samba em que Martinho inventaria em tom crítico e desiludido os erros da musa pátria amada, o Brasil. Contudo, o conceito do álbum Bandeira da fé é mais elástico, abrangendo também reflexões pessoais do artista sobre a própria vida.

Lembrança do álbum Sentimentos (1981), Depois não sei (Martinho da Vila, 1981) refaz a rota da existência humana do nascimento à morte, vislumbrando a finitude sem drama, enquanto A tal brisa da manhã (Martinho da Vila e Luiz Carlos da Vila, 2013) – destaque de repertório de inspiração por vezes rarefeita – celebra com gratidão o percurso e as conquistas da vida. Os contrapontos de Mart'nália ao fim da faixa temperam a reflexão com humor. "O trabalho, se não enriquece, enobrece", argumenta Martinho. "Mas cansa, né?", pondera a filha de Martinho com o habitual ar maroto.

Além das fronteiras do Brasil, Martinho discorre sobre sabores e sensações de Portugal no Fado das perguntas (Martinho da Vila), remetendo à ida cada vez mais frequente de brasileiros para a Terrinha. Até mesmo esse flash de viagem mostra que o álbum Bandeira da fé está fincado em solo brasileiro.

É evocando o passo do frevo que Martinho evolui ao lado do filho Tunico da Vila com o samba-enredo Baixou na avenida (Martinho da Vila), forma final da composição que rascunhara para desfile da escola de samba, Unidos de Vila Isabel, que lhe deu o sobrenome artístico. Baixou na avenida exalta Pernambuco e, por extensão, um Nordeste que se rebela contra toda forma de opressão.
                                                                 
Martinho da Vila
Foto: Divulgação / Leo Aversa 

Em âmbito estritamente pessoal, o delicioso samba calangueado Ò que saudade (Martinho da Vila) é reminiscência de amor e vivência juvenis na cidade fluminense de Duas Barras (RJ), terra natal do sambista que atualmente reside na Barra da Tijuca, musa de Minha nova namorada (Martinho da Vila), saudada em versos recitados quase em clima de seresta em faixa dispensável.

Abrindo o disco, com direito a um breque que saúda Moreira da Silva (1902 – 2000), o samba O rei dos carnavais (Martinho da Vila) sugere perfil autobiográfico de Martinho, mas quem o sambista perfila na primeira pessoa é o próprio samba, como fica claro ao fim da faixa com a citação de A voz do morro (Zé Kétti, 1955).

Martinho da Vila é o samba, sim, senhor. Um compositor que, mesmo quando balança ao apresentar repertório de magnitude mais ideológica do que musical, soa tão atual quanto necessário.

In G1
Alda Jesus

Sobre a autora

Alda Jesus - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis