ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

24 de outubro de 2018

Jovens da periferia aprovados e reconhecidos por universidades internacionais de renome encontram nas vaquinhas online a chance de tornar realidade a conquista de seus sonhos


Site registra salto  de 1.532 campanhas criadas em 2016 para 5.919 apenas no primeiro semestre de 2018

Eles conseguiram o que é impossível para a maioria dos mortais: entrar em Oxford, Yale, ser convidado para estudar música na Haute École de Musique de Genéve, na Suiça, participar das maiores olimpíadas internacionais de educação ou fazer valer todas as premiações possíveis num projeto.

Isso já seria um grande motivo de alegria, não fosse por um detalhe: a falta de condições financeiras para viabilizar a chance conquistada.  Em sua maioria, vindos da periferia ou de famílias com condições socioeconômicas desfavoráveis para bancar os custos de se estudar em outro país, eles não se deixam abater, vão à luta e fazem acontecer com as vaquinhas online.  

A avaliação é fruto de levantamentos do site Vakinha, pioneiro em arrecadações para financiamento coletivo no Brasil e maior plataforma de vaquinhas online do país, que fechou setembro com recorde mensal de arrecadação, somando R$ 5,2 milhões e cerca mais de 22 mil campanhas criadas.

Crescimento exponencial - Tem chamado a atenção da plataforma de vaquinhas online o aumento significativo das campanhas focadas em educação: em 2016, foram criadas 1.532, chegando a 12.127 em 2017, e até setembro de 2018 já tinham sido criadas quase 10 mil vaquinhas com essa a finalidade.

Os valores arrecadados  nas  vaquinhas focadas em educação foram R$ 216.118,64, em 2016; saltando para R$ 2.074.259,54, em 2017; e  totalizando  R$ 1.171.975,98 no primeiro semestre de 2018. "O que mais nos orgulha neste tipo de campanha é ver, em um ou dois anos, que a vida da pessoa mudou para melhor e que de alguma forma ajudamos nesta conquista", observa Cristiano Meditsch, diretor de marketing do Vakinha.

Gênio brasileiro - É o caso de Victor Almeida um cearense de 18 anos, com intensa atuação em projetos de educação e a primeira pessoa do estado do Ceará a ganhar medalha de ouro numa olimpíada mundial, em 2017, na Olimpíada Internacional de Física.  

Aprovado para cursar Física na Universidade de Oxford, no Reino Unido, Victor Almeida  busca arrecadar R$ 172.164,00 para cobrir os custos da faculdade.  "Minha família tem uma renda muito limitada, pois temos altos gastos com o tratamento do meu irmão caçula que tem transtorno do espectro autista e tem diversos problemas alimentares", conta em sua página no site Vakinha, onde também manifesta sua intenção de ajudar o Brasil com o conhecimento que adquirir:  https://vakinha.com.br/vaquinha/ajude-victor-a-chegar-em-oxford

Pela igualdade social - Nathália Tavares, do Rio de Janeiro, mestre em Tributação e Finanças, pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro-UERJ, bacharel em Direito, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ e autora do livro "Desigualdades Sociais Patrimoniais: como a tributação pode reduzi-las?" foi aprovada para fazer o primeiro mestrado do mundo, com abordagem multidisciplinar e global, focado no combate de desigualdades sociais, na  London School of Economics, na Inglaterra, mas não tem condições financeiras para bancar o curso.  "Apenas cerca de 7% das pessoas ao redor do mundo que se candidatam são aceitas nessa universidade", conta a advogada que precisa arrecadar R$ 170.000, para viabilizar seu mestrado. https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-nathalia-a-estudar-na-london-school-of-economics-lse

Administração pública -  Fábio Queiroga, da periferia de São Paulo, que conseguiu bolsa de estudos na Fundação Getúlio Vargas- FGV, para cursar Administração Pública, em 2015, deu mais um salto e foi aprovado em um concorrido programa de intercâmbio em Washington,  nos Estados Unidos, oferecido pelo The Washington Center, ONG  focada em alavancar a carreira de jovens universitários e formar cidadãos globais engajados com as suas comunidades. "Minha família não tem condições financeiras de arcar com essa experiência. Meu pai trabalha como camelô e minha mãe está se recuperando de uma cirurgia. Mas, eu não desisti do meu sonho", diz ele  que busca  conseguir R$ 65.549,58, que pode se tornar maior com a alta do dólar, para custear os serviços de apoio profissional e a moradia na residência estudantil em sua campanha https://vakinha.com.br/vaquinha/fabio-em-washington-dc

Sonhos que deram certo - Entre os casos de sucesso conhecidos do Vakinha estão o do músico Weslei Felix, da periferia de Canoas (RS), que em 2017, então com 18 anos, foi convidado para estudar música na Suíça, mais precisamente na Haute École de Musique de Genéve, onde ganhou uma bolsa de estudo. Fez uma campanha para conseguir R$ 52.435,00 a fim de pagar sua estadia enquanto estivesse por lá. Superou a meta e arrecadou R$ 56.250,00!

Na suíça há mais de um ano, esteve em visita ao Brasil no mês de setembro, quando deu uma amostra do seu talento para a música e ainda aproveitou para falar como conseguiu realizar seu sonho por meio de uma vaquinha online em um evento na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.  https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-o-weslei-a-estudar-na-suica

E Rafael Basto, um estudante de 16 anos apaixonado por ciências que, no primeiro semestre de 2017 foi aceito e ganhou uma bolsa parcial na Yale University para participar do Summer Program para fazer pesquisa em Ciências Aplicadas.  Fez uma campanha para arrecadar R$ 15 mil e alcançou R$ 15.300,00. https://www.vakinha.com.br/vaquinha/rafael-em-yale

Sobre o Vakinha:

Criado em 2009 por empreendedores gaúchos, o Vakinha é a primeira fintech brasileira de crowdfunding. Em 2015 a arrecadação do site foi de R$ 8 milhões, indo para R$ 18 milhões em 2016, fechando 2017 com R$ 37 milhões. O Vakinha foi apontado como uma empresas de crowdfunding para se ter no radar dos investidores na América Latina pelo estudo "Empreendimento Fintech na América Latina", feito pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Finnovista, organização que fomenta o desenvolvimento de fintechs. O estudo identificou 703 empreendimentos em 15 países, com uma oferta de soluções que inclui todos os segmentos e tecnologias observados a nível global. 
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis