ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

13 de junho de 2018

O futebol não é para principiantes

Angelo Abu/Folhapress

Um gênio como Cristiano Ronaldo deve ser também uma madre Teresa de Calcutá?

1. Lisboa, final da tarde. Entro no táxi, a viagem começa, no rádio alguém fala sobre futebol. Ou sobre Cristiano Ronaldo, o que é a mesma coisa. Eu, para matar o tempo, meto conversa com o motorista (são o melhor dos táxis, as conversas): "Grande gol de bicicleta do Ronaldo ontem. O senhor viu?"

O motorista concede: "Sim, ele é bom". Pausa. Cinco segundos de pausa. Finalmente, a sentença inevitável: "Mas um pouco de humildade não lhe ficava nada mal".

É um clássico. Cristiano Ronaldo pode ser o melhor do mundo. Ou um dos melhores, tanto faz, com uma lista de prêmios e feitos só acessível aos extraterrestres.

Mas não existe motorista de táxi ou intelectual sofisticado que não lamente a falta de humildade do craque. Se ele fosse um gênio da bola e, ao mesmo tempo, a última encarnação do Dalai Lama, aí sim, a admiração seria limpa e incondicional.

Não é. É uma admiração magoada, contrariada, condicional: quando Ronaldo faz gol, ele nem deveria festejar. Deveria retirar-se do campo, enojado com seu próprio talento, esbofeteando seu rosto e pedindo desculpa à torcida adversária.
Ponto prévio: nunca perdi muito tempo avaliando a arrogância de Cristiano Ronaldo. Prefiro vê-lo jogar. 

Mas pergunto de onde vem essa ideia meio retardada de que um gênio deve ser também uma madre Teresa de Calcutá.Não falo apenas de futebol. Falo de qualquer arte onde existe talento humano. Imagino a cena: alguém termina de ler Kafka. Confessa admiração pela prosa. Depois acrescenta, com cara torcida: "Não sei, não: esse Franz aí me parece pouco social".

Infelizmente, essas cenas são cada vez mais verossímeis na era do patrulhamento. O assunto pode ser Picasso. Ou Woody Allen. Ou Philip Roth. O ressentido, ainda que admirando a obra dos três, tem a mesma inteligência que o motorista de táxi.

"Picasso era um gênio da pintura, mas ele tratava mal as amantes." "Woody Allen tem grandes filmes, mas casou com a filha da ex-mulher." "Philip Roth foi um dos maiores escritores da América, mas seus personagens eram misóginos."
Existe sempre um "mas" para tornar o gênio menos perfeito. Ou, melhor dizendo, para tornar o gênio mais como nós. As razões são filosóficas: vivemos na "ditadura da igualdade".

O Estado distribui renda, cotas, direitos e privilégios. Mas o Estado não é capaz de "democratizar" o talento, fazendo de cada cidadão um virtuoso em potência.
O ressentido sabe disso. Ele sabe que nunca jogará como Ronaldo. Nunca pintará como Picasso. Nunca fará filmes como Woody Allen.

Nunca escreverá um romance, um conto, um parágrafo, uma só linha como Philip Roth. O que lhe resta?Manchar o objeto da sua inveja com defeitos que são exteriores ao essencial. Sim, Kant escreveu a "Crítica da Razão Pura". Mas ele cheirava mal dos pés e roncava como um suíno.

Ironia: o ressentido, que critica os outros pela falta de humildade e humanidade, não tem a humildade e a humanidade suficientes para simplesmente admirar o que é admirável.Pelo contrário: se ele pudesse, seria o primeiro a proibir qualquer manifestação de talento por ser ofensiva para gente sem talento.

2. Alguém dizia que o futebol são 11 contra 11 —e no final vence a Alemanha. Lamento. Dessa vez não será assim. Olhando para o calendário da Copa; aplicando meus conhecimentos profundos sobre futebol; e confessando aqui um interesse especial pelas seleções do Brasil e de Portugal, sinto-me como um daqueles bichos aquáticos que conseguem facilmente traçar o destino das duas equipas antes dos jogos começarem. Sou uma lula profética, uma tartaruga sábia, um bacalhau erudito. Não acredita?

Então pode anotar: Portugal, campeão da Europa, vence o Grupo B e depois elimina a Rússia (oitavas), a Argentina (quartas), a Alemanha (semifinal) e chega na final. E o Brasil?

Boas notícias: o Brasil vence o Grupo E e depois elimina o México (oitavas), a Bélgica (quartas), a Espanha (semifinal) e também chega na final.
Nesse memorável Brasil x Portugal, é evidente que o vencedor será...
[por problemas técnicos não foi possível imprimir o final da coluna; as nossas desculpas ao leitor]

João Pereira Coutinho
É escritor português e doutor em ciência política.

Carmen Augusta

Sobre a autora

Carmen Augusta - Administradora e Redatora do Portal Splish Splash. Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis