ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

31 de maio de 2018

Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle lançam álbum juntos, ou quase

Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle, que lançam 1º disco após 55 anos de amizade 
Rafael Gregorio
SÃO PAULO

Recém-lançado pela Biscoito Fino, um disco reunindo Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle vem preencher uma relevante lacuna na discografia desses três amigos cujas trajetórias marcam a música popular brasileira.

Foi no início dos anos 1960 que os então aspirantes a músicos se conheceram, no Rio de Janeiro.Nascidos em 1943, em um intervalo de 19 dias, traziam em comum o fascínio pelas inovações de João Gilberto e Tom Jobim (1927-1994).

Àquela altura, começava a virar febre nos Estados Unidos a bossa nova, com sua fusão das tradições do samba com as do cool jazz, marcada pelo apuro harmônico e pelo minimalismo. Juntos, os três tocaram suas primeiras canções: Valle ao piano, Lobo e Caymmi ao violão.Nas décadas por vir, unidos em shows e programas de TV ou sozinhos em suas carreiras, eles somariam aos repertórios dos maiores intérpretes do país, como Elis Regina (1945-1982).

Era a segunda geração da bossa nova, como ficou conhecido o grupo, do qual também fizeram parte nomes como João Donato e Carlos Lyra.Faltava a Lobo, Caymmi e Valle, entretanto, um disco juntos.Após 55 anos, a ideia quase vira realidade no álbum "Edu, Dori e Marcos". Quase, pois a rigor não é um trabalho em equipe. Nas 12 faixas, cada um canta duas composições dos outros com total autonomia, desde a escalação dos músicos até os arranjos, passando pela produção.

A ideia surgiu em julho de 2016. Valle fazia shows com a cantora Stacey Kent para divulgar um DVD que haviam gravado nos EUA, onde vive.A chegada da turnê em São Paulo, o músico viu um bom mote para reunir os amigos. "Foi muito emocional. A gente ria pra caramba, parecíamos garotos de colégio", comenta.

Não há inéditas, mas sucessos das carreiras. É o caso de "Bloco do Eu Sozinho", de Valle e Ruy Guerra, revista por Caymmi; "Velho Piano", de Caymmi e Paulo César Pinheiro, relida por Lobo; e "Corrida de Jangada", de Lobo e Capinan, interpretada por Valle.


A ideia, diz Caymmi, foi preservar as personalidades de cada um. "A gente não se falou pra decidir o que fazer, não houve patrulha."Essa premissa norteou também a seleção do repertório. Caymmi, por exemplo, diz ter escolhido "as coisas mais tristes" dos amigos: "Sou mais sombrio, gosto da coisa lenta".

Já Valle norteou as escolhas "pelo lado emocional". "Saveiros", por exemplo, adentrou sua seleção pela memória de uma vaia: quando a parceria entre Caymmi e Nelson Motta foi hostilizada no 1º Festival Internacional da Canção, em 1966, ele foi um dos primeiros a acudirem e consolarem o autor.

Já "Alegre Menina", diz, entrou por ter letra do escritor Jorge Amado (1912-2001) e por ilustrar um "lado mais balançado" do amigo Dori: "Ele diz que não é de suingar, mas é, sim; quando entra no baião é com elegância. Eu adoro".

A fragmentação inerente à forma como o disco foi concebido sobressai, mas há harmonia suficiente no conjunto da obra. Para tanto, contribuem o entrosamento entre os amigos e o apreço que guardam pelo requinte formal.

Fica uma vontade de ouvi-los interagindo, é verdade; mas ela pode vir a ser aplacada nos shows que pretendem fazer a partir de setembro.
Em síntese, eventuais falhas não nublam o ativo emocional do trabalho.

"A gente sente um pouco a idade: o vibrato muda, o tom da voz fica mais baixo. Por isso que, a essa altura, esse disco tem tanta conotação sentimental. É um reencontro entre amigos de muitos anos", resume Caymmi.

Edu, Dori e Marcos
Biscoito Fino. R$ 34,50



Carmen Augusta

Sobre a autora

Carmen Augusta - Administradora e Redatora do Portal Splish Splash. Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis