ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

2/16/2016

Eduardo Lages o "outro lado" do rei Roberto Carlos




Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9



Há muitos anos atrás, quando era moço, conheci um Maestro que tocava para os americanos nos clubes que os mesmos tinham na Base Aérea das Lajes, respectivamente oficiais e sargentos (NCO Club). Chamava-se Artur Carneiro e a sua orquestra AT CARNEIRO. Teve um único filho, Roberto Artur Carneiro, que chegou a Ministro da Educação e membro da administração da TVI. Não sei se ainda se encontra ligado ao conhecido canal televisivo. Do pai, que acompanhei em alguns ensaios, recordo esta frase: "um grande artista, não pode passar sem grandes músicos". Depois, fui acompanhando, ao longo dos tempos, e aqui já como adulto, o Maestro James Last, o qual me impressionou pela forma em como lida com os seus músicos, fazendo deles uma grande família. E tive o privilégio de ver a orquestra de James Last nos Estados Unidos, aquando de uma das minhas digressões a este país da América do Norte. Fiquei altamente impressionante pelo à-vontade de James Last em pleno palco.

Hoje, associo a essas duas grandes figuras da música a que já me referi o Maestro Eduardo Lages, fiel companheiro de Roberto Carlos. E já são muitos anos que Lages convive com o "king". Dir-se-á, então, que Eduardo Lages é o "outro lado" de Roberto Carlos, impondo-se pela sua forma de estar em cena. Há, na verdade, uma aquilatável sintonia com os músicos e com o próprio "king".

Pelo que sei, através de algumas pesquisas feitas nesse sentido, a relação entre Eduardo Lages e Roberto Carlos, fora do palco, é de extrema amizade e de respeitabilidade, ligação essa que, pela sua total veracidade, merece de todos os maiores encómios. Creio que, musicalmente falando, são duas vidas interligadas, com transmissão para componentes da orquestra dirigida por Lages. É, ao cabo, uma harmonia que serve de paradigma para a própria sociedade brasileira, certamente necessitada, em outras áreas, de um forte entendimento, que se produz a expensas do respeito e reconhecimento mútuo. É assim que se espelha a dupla Eduardo Lages - Roberto Carlos. Creio, inclusive, que as respectivas carreiras  terminarão juntas. Mas até lá, e se Deus quiser, falta muito tempo. Ainda muito se irá falar do "king" e de Eduardo Lages na direção musical.

Amigos de Eduardo Lages no show em Niterói
NOTA FINAL – Sei que um dos desejos do maestro Eduardo Lages é conhecer, paulatinamente, mais um pouco de Portugal em viagens de férias, nomeadamente. E os Açores não fugirão dessa rota perspectivada. Se tal acontecer, dar-lhe-ei logo a dica para começar pela ilha Terceira. Sou ou não terceirense? Claro que sou e... dos sete costados. Parafraseando o saudoso ator Vasco Santana "a mim ninguém me vira".
E, em Portugal Continental, mais concretamente na zona do Porto, tem por lá o seu grande amigo Armindo Guimarães, administrador deste Portal Luso - Brasileiro.                                                          

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo