LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/25/2015

Fãs de Roberto Carlos entrevistados pelo Portal Splish Splash - ADRIANO THALES

A pensar nos milhares de fãs de Roberto Carlos, espalhados pelo Mundo, o Portal Splish Splash achou por bem auscultar a alma robertocarlística que por eles perpassa, dando início a uma série de entrevistas que, cremos, poderá de algum modo contribuir para uma melhor compreensão do motivo que leva tantos a admirar a obra de um cantor/compositor Brasileiro que ao comemorar 55 anos de carreira, não só consegue manter a fidelidade dos seus fãs que o acompanham desde o início da sua trilha poética e musical, como ainda, atrair muitos jovens que não conseguiram ficar indiferentes à obra daquele que, como disse o poeta, se mais mundo houvera lá chegara.

A seleção da série de entrevistas não obedece a nenhum critério relativamente a este ou àquele fã, foram obtidas por quem as irá publicar, ou seja, Armindo Guimarães, Carmen Augusta e Derbson Frota, de acordo com os contatos que possuem. Também a publicação, que acontecerá às terças-feiras e sábados, é aleatória, ou seja, não tem qualquer ordem em relação aos fãs. Todos eles admiram o rei Roberto Carlos e por isso todos nos merecem a mesma estima e a mesma consideração, independentemente de, muito naturalmente, podermos conhecermos melhor este ou aquele fã.

A entrevista que se segue é com o fã Adriano Thales, de Petrolina, Pernambuco. 

PORTAL SPLISH SPLASH - Como começou a gostar do NMQT Roberto Carlos?

ADRIANO THALES – Eu tinha uns 6, 7 anos. Meus pais estavam separados. Lembro–me desse triste fato ocorrido na sala de casa, isso em São Luiz(MA), pois tínhamos recém-chegados de Fernando de Noronha(PE), onde nasci. Na decisão sobre com quem ficar, optei nesse período por meu pai, e minha irmã com minha mãe (mas claro que tinha e ainda tenho uma relação linda com mamãe, que foi embora pra Recife).  Alguns anos depois meu pai, na época militar, apresentou um problema de saúde e teria que fazer um tratamento em Fortaleza(CE), pois no período era a capital que dava suporte. Com isso, minha mãe veio me buscar pra eu ficar com ela em Recife, no período do tal tratamento. 
No decorrer dos dias e semanas uma forte saudade vinha me incomodando, pois sentia muita falta do meu pai, que sempre que podia me proporcionava momentos que estão vivos até hoje em mim. O que mais queria naqueles momentos era sua presença. Até de Fortaleza, quando mandava mensalmente a “feira em caixa”, sempre vinha algo pra mim, desde um “carrinho” ou uma camisa. Mas algo me faltava! Um certo dia fui na sala da casa e vi vários LPs. Resolvi dar uma olhada e vi um tal de Roberto Carlos. Não sei explicar, mas senti uma vontade de ouvir e coloquei o disco pra tocar. Quando chegou numa determinada faixa eu ouvi: “Esses seus cabelos brancos bonitos, esse olhar cansado, profundo me dizendo coisas... senti a presença profunda do meu pai, algo inexplicável! Passei a escutar essa canção várias vezes ao dia, sentindo sempre uma paz. De tanto escutá-la, acabei arranhando o disco. Em alguns trechos a agulha do aparelho pulava. Para escutá-la por completo, eu ia à cozinha, pegava uma caixa de fósforos e colocava em cima do cabeçote. Em pouco tempo Deus, com sua divina bondade, mandou meu pai me buscar pra irmos embora. Numa manhã, estávamos na praça do Derbi, em Recife, e ele me falou que iríamos viajar no dia seguinte, mas queria me dar um brinquedo. Nesse momento falei pra ele que queria era um disco do Roberto Carlos! Ele achou estranho, pela minha idade, e o que teria o Roberto a ver nesse momento. Então lhe contei, ele ficou eufórico, me chamou pra irmos ao centro numa loja de disco, e lá chegando (loja Aky Disco, hoje extinta), fomos abordados por uma atendente. Fui logo perguntando se teria disco do Roberto Carlos. Para meu espanto, ela me mostrou uma prateleira com diversos LPs do cantor. Fiquei ali parado olhando e quando meu pai me perguntou se eu saberia identificar o LP, prontamente lhe disse que sim e assim o fiz. Ele viu o quanto estava feliz e falou pra atendente que não queria somente aquele disco e sim todos. Fiquei sem entender nada, mas uma felicidade me tocava naquele momento (esse relato me deixa sempre emocionado!). Depois desse dias passei a ter suas canções como fortalecimento em meu seguimento de vida de sonhos, fé e esperança. Enfim, obrigado ao Pai Eterno.

PSS - Você se considera um grande fã? Por quê?

AT – Me considero um fã como os demais. O complemento que sinto em mim é espiritual. Na minha infância, quando meus pais se separaram, as canções do RC me ajudaram muito a ter equilíbrio sentimental. Foi nesse momento que Deus colocou ele no meu caminho.

PSS - Se estivesse numa ilha deserta com o(a) amado(a), qual música do rei colocaria pra tocar?

AT - Seu corpo... Depois do amor o descanso e essa paz infinita. Nossa, que paz. E principalmente numa ilha...

PSS - Roberto Carlos faz parte de sua vida? Como?

AT - Sim. Depois que passei a conhecer suas canções, ver sua trajetória através dos meios do comunicações, avaliei seu amadurecimento acompanhando as mudanças, atitudes e comportamentos, onde ele foi ousando em navegar em outras “praias” musicais de ritmos diferentes, nunca deixando a desejar. Em sua forma contínua de falar de Deus, amor, das coisas boas da vida. Situações como essas acabam fazendo parte de nossas vidas e até das gerações que não vivenciaram as fases anteriores. Ele é um artista sempre atual.

PSS - Cite uma história engraçada e/ou emocionante que já viveu relacionada ao rei Roberto:

AT - Vou contar uma interessante: Em 1996 fui a um show em João Pessoa(PB) (Nesse período não conhecia meu irmão Reginaldo Crescêncio). Sai de Petrolina às 20 horas do dia que antecedia o show e cheguei em Recife às 8 da manhã. Enfrentei mais 2 horas de viagem de Recife para João Pessoa. Além dessas 14 cansativas horas de ônibus, fiquei mais 2 horas na rodoviária, vendo jornais e matérias da TV referentes ao show. Depois de um banho rápido, deixei minha mochila com minhas roupas na própria rodoviária, e sai para ver como poderia chegar ao local do show (Forrock). Os funcionários de um terminal me orientaram sobre como deveria fazer. Depois de muita insegurança, enfim, tudo deu certo e consegui chegar, com as bênçãos de Deus. No final do show, era mais de meia-noite. Fiquei preocupado em como voltar pra rodoviária. Meus recursos eram poucos, e não vi o ônibus. Falei com um taxista e expliquei minha situação e se poderia fazer um preço de amigo. Ele foi amável e me levou. Creio que sentiu que eu estava falando a verdade. Ao chegar, fui logo ao guarda volumes pegar minha mochila e, para minha surpresa, estava fechado, vindo a abrir somente às 6 horas da manhã. Aí fiquei sem ação! Me sentei numa cadeira da rodoviária e lá passei o restante da noite, entre cochilos e barulhos de gente pra lá e pra cá. Enfim, no horário marcado, peguei minha mochila e o ônibus pra Recife, onde passei o dia todo esperando anoitecer pra pegar outro ônibus de volta pra Petrolina. 
Hoje relato isso com alegria, pois são momentos ou aventuras como essas que nos fazem felizes e até nos mostra de que somos capazes de resolver situações complicadas, mas acima disso tem o amor que é o que nos faz ir em frente. Obrigado meu Deus, tu compreendes o quanto isso pra mim é importante. 

PSS - O que você coleciona sobre o rei?

AT – Comecei juntando tudo que estava ao meu alcance referente ao Roberto sem pretensão de nada, apenas queria ler, ver, ouvir. Hoje, depois de longos anos, pude construir um acervo modesto onde tenho LPs importados, revistas, jornais, fotos, pôsteres, vídeos raros, áudios interessantes e outras coisas.

PSS - Uma música que você sempre põe no “repeat”:

AT - Meu querido, meu Velho, Meu Amigo.

PSS - Muitas são as músicas do repertório do rei e muitas são aquelas que ele há muito não canta. Que música gostaria que ele voltasse a cantar?

AT - O Divã e a Janela.

PSS - Se Roberto Carlos fosse almoçar em sua casa, o que prepararias?

AT – Um bom peixe e depois uma bela taça de sorvete de coco.

PSS - Se fosse escolher para ouvir 10 músicas do rei, em ordem de preferência, quais seriam?

AT - O Divã, A Janela, 120,150,200 Km Por Hora, Você Já Me Esqueceu, Lady Laura, O Homem, De Tanto Amor, Passatempo, Por Amor e A Distância.

PSS - Se tivesse a oportunidade de falar ao vivo com o rei, o que diria?

AT - Roberto, agradeço a Deus por viver essas coisas lindas que você nos transmite, cantando o amor da forma mais pura e verdadeira, o amor de Deus e ao próximo, amém.

PSS - As músicas do rei não seriam a mesma coisa sem as respectivas letras. Independentemente da música, diga os títulos de três letras que mais o impressionam e porquê.

AT - A Janela – Uma forte canção com um direcionamento de uma vida entre uma escolha e orientações de como seguir;
O Homem - Deus nos ama acima de tudo, nos mostrando o caminho do bem e a forma como nos trouxe a palavra do Pai eterno, onde devemos cultivar e florir os sentimentos;
Como é Grande Meu Amor Por  Você  - A extensão do sentimento  mais verdadeiro que possa vir da alma e do coração.

PSS - O rei possui em torno dele uma vasta equipe, desde os elementos que compõem a orquestra (RC9), aos elementos da administração, assessoria de imprensa e apoio logístico. Com certeza você simpatiza por alguns desses elementos por os conhecer ou já ouvir falar. Cite quais e por quê.

AT - É uma pergunta fantástica! Conheço vários que compõem essa equipe. Seus valores não inquestionáveis. Só tenho a parabenizá-los por todos esses anos de profissionalismo. E agradeço pelo carinho e atenção de sempre.

PSS - O que mais gosta na personalidade do rei?

AT - O olhar do verdadeiro amigo.

PSS - O que gostaria que o rei mudasse nos seus usos e costumes?

AT - Nada, pois foi assim que aprendi a gostar dessa pessoa.

PSS - Se tivesse que escolher uma frase robertocarlistica do repertório do rei que mais se identificasse com você, que frase escolhia?

AT - A canção O Homem. Eu sei que ele um dia vai voltar e nos mesmos campos procurar o que plantou. E colher o que de bom nasceu, chorar pela semente que morreu sem florescer. Mas ainda a tempo de plantar, fazer dentro de si a flor do bem. Crescer pra lhe entregar quando ele aqui chegar.

PSS - Com muita determinação, perseverança, humildade e fé você chegou onde todos os fãs do rei gostariam. Na vida, há limite para a realização de algum sonho?

AT - Não sei se existe um segredo pra isso, mas vários amigos e anônimos já tiveram essa graça. Isso tudo é fundamental para viver, em buscar realizar seus sonhos. Todo sonho é importante, seja do mais simples ao mais desejado, é uma peregrinação, até certo ponto incerta, mas aí devemos ter persistência, para quando cairmos nos levantarmos mais fortes. Isso, claro, quando se torna determinação. 
Lembro-me quando eu ficava, com apenas 20 anos, sentado com o gravador no colo, sempre falava pra meu pai do meu sonho em conhecer Roberto Carlos. Ele me dizia que o momento ainda não era oportuno, devido o auge da carreira do cantor, mas algo em mim já tinha uma confiança da busca dessa realização. Passei por momentos inusitados: uma vez viajei 16 horas à cidade de Campina Grande, PB. O show foi cancelado, pois Roberto teve que viajar com seu filho Dudu para os Estados Unidos. Essa foi a justificativa do cancelamento. Ainda na cidade, conheci um outro fã. Acabei saindo de sua casa mais da meia noite, fui abordado pela polícia, quase fui preso. Nesse dia me hospedei na casa de um tio, voltei pra minha cidade no dia seguinte e uns 10 dias depois o show foi confirmado. Meu pai teve que arrumar dinheiro emprestado, pois nos pegaram de surpresa. Na ida, próximo a Serra Talhada, o ônibus em que íamos foi baleado por assaltantes. Felizmente o motorista conseguiu fugir do bloqueio. Tivemos ainda que fazer um boletim de ocorrência. Quando cheguei em Campina Grande, fui logo ao hotel onde RC estava hospedado. As coisas lá não foram nada agradáveis pra mim. Chorei de tristeza e chateação. De lá fui pra casa de show, o SPAZZIO. Era um pouco mais das 13hs, um sol escaldante, fiquei encostado numa pilastra aguardando pra falar com o proprietário da casa de show, que chegou umas 2 horas depois. O mesmo foi muito educado e gentil, mas não podia me ajudar. Porém nada disso mexeu com minha confiança. No dia do show, ao acordar, rezei pedindo a Deus que me ajudasse a realizar esse sonho. Para alguns poderia ser apenas algo sem fundamento, mas só Deus sabe o quando aqueles segundos, minutos, teriam uma grande importância na minha vida: ficar diante de uma pessoa que me traz alegria, sentimentos verdadeiros de um amigo. Às 7:30 da manhã, lá estava eu na frente do hotel com vários álbuns à espera de uma Luz Divina naquele dia. E às 17:30 lá vou eu saindo para em busca de viver aquele momento tão sonhado. Não me preocupei como iria ser tratado pelo cantor. Quando fiquei pela primeira vez ao seu lado, senti de imediato seu carisma, sua gentileza e fui aos prantos. Só eu mesmo poderia medir tudo o que passei pra estar ali. Duas coisas completariam meu sonho: dar um grande abraço e tirar uma foto. Roberto, bem sereno, foi me acalmando e me concedeu até uma entrevista, já que eu estava com um gravador. Às 22h fui conduzido ao camarim para que o sonho se completasse de uma forma abençoada na minha vida em 05 de dezembro de 1992. Um detalhe também inesquecível: antes de minha entrada, pus um halls na boca, deixando, sem querer, um pedacinho do papel nos meus lábios. Roberto viu e me perguntou sobre o tal papel em minha boca, então lhe disse que era de uma bala, pois desde às 7 da manhã até aquele horário não tinha comido e bebido nada, e que também não estava com fome, só sede. Nisso RC pediu a Carminha água, trazida por ela num copo descartável. Em seguida, gentilmente ele me deu um autógrafo. No ato, pedi-lhe também a caneta. Ele sorriu e me deu. Lembro-me como se fosse hoje esses detalhes pequenos. Relato isso com o coração emocionado. Deus eternizou em mim a realização de uma criança sonhadora. Roberto, que Deus de Bondade te guie e te dê muitos anos de vida, amém. 
Aqui foi apenas uma pequena narrativa de um sonho realizado. Seja qual for seu sonho, vá em frente e coloque Deus na frente, mesmo que não venha conseguir, mas sinta-se vitorioso por ter tentando e acredite que isso também será uma conquista. Quero aproveitar o espaço e deixar meu abraço algumas pessoas que foram importantes nessa realização em minha vida: meu tio Antônio, Baiano (saudoso componente do grupo RC), Dedé, Genival Barros, Dr. Desterro, Agnaldo e demais. Obrigado e que Deus abençoe vocês.

PSS - Responda à pergunta que não fizemos e que gostaria que lhe tivéssemos feito.

AT  - Parabenizo pelo trabalho. Ao meu ver, todas as perguntas foram feitas.


Entrevista conduzida por
Derbson Frota

6 comentários:

  1. Meu Querido Adriano!!!
    Ser sua amiga é um prêmio!! e como presente de DEUS ver a sua lindíssima entrevista de fã.Li tudinho como se fosse eu a vivenciar cada momento seu.É assim mesmo, quando se deseja o SONHO MAIOR, a chave principal para abertura dessa porta é a fé em DEUS!!, ELE DIS FAÇA POR ONDE QUE TE AJUDAREI e VC fez, engatinhou, andou e correu atrás dessa realização.PARABÉNS infinitamente pela publicação de sua história com o Rei Roberto Carlos aqui neste Portal tão precioso, aos organizadores/administradores e ao diretor Armindo Guimarães pela excelente oportunidade que disponibilizaram aos fãs em geral, e agora a SUA HISTÓRIA DE AMOR AO REI DA MPB..Se me permite cito o Espaço Cultural Emoções fundado aí em Petrolina sob o aval e carinho dele(RC).Redobro as minhas considerações a VC pelo merecimento sem igual.Pode contar comigo no que for preciso,,,Seja abençoado, próspero e feliz cuidando da Obra do Rei da MPB com amor.
    Meu grande abraço.
    Kisses blue

    Malvina Carriço RC

    ResponderEliminar
  2. Adriano é merecedor de todas as homenagens e quem o conhece pessoalmente, presencia um cara do bem, cheio de Luz!

    ResponderEliminar
  3. Parabéns amigo Adriano Thales, me emocionei demais ao ler o que narras, como é lindo de ver o amor, o carinho, a dedicação que demonstras ao NMQT. Impressionante e maravilhosa a tua vida de Robertodependente. Que a tua força, a tua fé, a tua garra em realizar o tão grande sonho de estar ao lado do nosso rei RC sirva de estímulo e exemplo para nossos amigos.
    Mais uma vez parabéns!
    Parabéns amigo Derbson Frota, por tão brilhantemente dirigir essa linda e marcante entrevista.
    Não posso deixar de parabenizar a amiga Carmen Augusta que também está envolvida nesse belo trabalho e o nosso querido menino Armindo Gonçalves Guimarães, por essa fantástica iniciativa, que está sendo um sucesso.
    Parabéns!

    Abraços Robertocarlísticos!
    Alba Maria

    ResponderEliminar
  4. O Adriano Merece todos os Parabéns
    Uma Dedicação e um Amor Integral com que ele faz em tudo que é relacionado a Roberto Carlos....Deus continue te abençoando amigo Adriano.

    JOSÉ ORLANDO-Passira-Pernambuco

    ResponderEliminar
  5. Adriano, todos nós sabemos da tua dedicação e admiração por Roberto Carlos. E ele também te admira muito. Podes crer.

    ResponderEliminar
  6. Amigo Adriano vc também foi um anjo na minha pois com a sua amizade e ajuda realizei o maior sonho da minha vida, obriga amigo por vc existir.
    adorei a sua matéria pois expressa todo o amor de um fã por seu idolo.

    ResponderEliminar

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo