ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

5 de abril de 2015

Show de Roberto Carlos em Fortaleza - Emoções em detalhes


Dizem que é fácil descrever um sonho, um grande momento vivido. Mas não encontro palavras para contar a emoção que vivi há exatamente 1 ano atrás, dia 5 de abril de 2014, em Fortaleza, na Arena Castelão, quando realizei o sonho que me alimentava por longos anos: estar frente a frente com o rei Roberto Carlos, em seu camarim, e eternizar o momento com uma foto. 

Sou fã de RC desde meus 12 anos. Nem sei explicar como tudo começou. É como o amor, nasce e cada vez mais vai ficando forte, a medida em que é cultivado. E Roberto soube regar muito bem esse sentimento, através de suas lindas músicas, sua história de vida, seu exemplo como profissional e cidadão. Vários foram os fatos que aconteceram em minha vida, desde aquele longínquo 1995, quando coloquei pra tocar, pela primeira vez, uma fita k7 com as músicas do cantor (lançamento de 1994), presente de meu pai a minha mãe. De lá pra cá vivi uma adolescência feliz, me formei, consegui um emprego estável, me casei e agora sou pai. Como diz uma de suas músicas, vivi dramas, romances, comédias, paixões, um entrar e sair de ilusões... Mas uma coisa não mudou: minha admiração e respeito por Roberto Carlos. Sempre brinco que ele é igual à cachaça: quanto mais o tempo passa, melhor fica. 

Pois bem, apesar de ser um bom fã, só pude ir pela primeira vez a um show ao vivo 13 anos depois. Afinal, além da condição financeira, havia a logística que me dificultava, já que a distância de minha Tianguá a Fortaleza é de quase 350km. Fui em 2007 e prometi a mim mesmo que daquele dia em diante iria a todos. Dito e feito: não perdi mais nenhum depois daquela data. A última vez que RC havia vindo ao Ceará foi em 2010, e a ansiedade tomava conta de todos os muitos súditos do rei, que esperavam um show do ídolo em nossa terra. Quando soubemos que ele viria, a alegria foi geral. E pra compensar a demora, o momento seria num palco perfeito: a Arena Castelão, local onde, 3 meses depois, receberia jogos da Copa do Mundo, inclusive da Seleção Brasileira. 

Mas devo confessar que a vinda do rei não me trazia somente alegria. Havia um certo receio: será se dessa vez realizaria esse desejo incontrolável de conseguir uma foto com ele no camarim? Para um fã, realização maior não há. Já tinha saído dos shows passados frustrado por não ter conseguido, e a sensação é horrível. Esperar a próxima oportunidade é uma eternidade. Só quem é fã e já sentiu isso pode entender. 

Quanto mais o dia se aproximava mais a ansiedade aumentava. Comprei os ingressos para mim e meu pai, Ivan Frota, já que minha esposa dessa vez não podia me acompanhar, pois estava com meu filho recém-nascido. Pra aumentar minha ânsia, na véspera fui entrevistado pelo Jornal Diário do Nordeste, popular periódico do estado, sobre minha ida ao show(confira a matéria aqui). Cheguei a Fortaleza no dia anterior, e procurei entrar em contato com alguns amigos, como Auri Aguiar e Mazé Silva que, tal qual a mim, iria naquele sábado histórico conseguir pela primeira vez uma foto com Roberto Carlos. Precisa dizer se consegui dormir à noite?

Horas antes do show, na casa de um amigo, tomei uma, como dizemos aqui no Ceará, “lapada” de uísque pra acalmar os ânimos. Na ida à Arena, diferentemente do que RC disse numa canção, os sinais dessa vez se fechavam e todo mundo tinha pressa. Se não fosse a habilidade do motorista, talvez ainda estivéssemos lá. Assistir a um show dessa magnitude é um misto de alegria, emoção e confraternização. Pude rever alguns amigos que há tempos não via, como Fabiano Cavalcante e a própria Mazé, e conhecer alguns outros pessoalmente, como a amiga Ana Luiza, de MG, Sebasthião “Recurecu”, Vânia Arraes e Adailton Moura, de Fortaleza. Antes do show, o sereno começou a dar o ar da graça. Mas quem ligaria pra isso? Estava muito mais encantado com a fantástica estrutura e com tudo o que poderia acontecer ali. 

O primeiro a subir ao palco foi o cearense Tom Cavalcante, para saudar a todos e combinar um “parabéns pra você”, já que Roberto faria aniversário duas semanas depois. Quando nosso rei apareceu, a emoção tomou conta de todos os mais de 40 mil súditos presentes. Depois de mais de 3 anos estávamos vendo o maior cantor do Brasil com seu sorriso peculiar e sua maneira ímpar de cantar e encantar os corações. Ele chega, dá o seu já tradicional suspiro e emenda o indescritível “quando eu estou aqui...” emoção total. Robertão como sempre faz gol de placa e a torcida vai ao delírio. 

Vários foram os sucessos que seguiram, como Além do horizonte, Eu te amo, te amo, te amo, Cama e mesa, Ilegal, imoral ou engorda, Detalhes, O calhambeque, Mulher pequena, Pout-pourri Jovem Guarda, Pout-pourri “sensual”(ou seria caliente? rsr) Nossa Senhora e outros. Logo na introdução de Lady Laura não consegui conter as lágrimas. Lembrei de minha mãe e consequentemente de minha despreocupada e feliz infância. Voltei um pouco ao passado, afinal, estava feito criança naquele cenário de grandes emoções. O momento alto do show foi “Esse cara sou eu”, seu mais recente sucesso. Ninguém conseguia ficar sentado quando Roberto cantava o refrão. O delírio da galera confirmava: realmente esse cara é ele!

Quando mais ia se aproximando o fim, mais minha ansiedade aumentava. Será se esse vai ser o dia ou vou ter que esperar mais alguns anos? Lá da segunda fila, me agoniava mais e mais. Quando Robertão cantou “Jesus Cristo” foi a deixa: corremos, Mazé e eu, pra ponta do palco até esperar o “brigado” e brindarmos aquele momento lindo com uma rosa, deixar-lhe um mimo e ver se conseguíamos o tão sonhado acesso ao camarim. Foram segundos que duraram uma eternidade. Imprensado, pisado, empurrado, suado. Brigar por uma rosa é uma verdadeira guerra dos meninos. Nesses incontáveis segundos, me veio à mente tudo o que já vivi, as emoções que Roberto me proporcionou através de suas músicas, as letras que escrevia nos cadernos, os azuis que insistia em vestir, as ilusões e desilusões alimentadas e/ou aliviadas ao som de suas canções. 

Mas algo me dizia que aquele era o dia, e dito e feito: Roberto fez um sinal positivo ao seu assistente de palco confirmando que iríamos ao camarim. Fiquei atônico! Um misto de alegria, ansiedade, contentamento tomou conta de mim. Consegui! Os 30, 40 minutos em que esperei em seguida duraram uma eternidade. Conversava com as amigas Mazé e Ana Luiza, mas a cabeça estava mesmo era naquele tão sonhado encontro. Nesse ínterim, recebo uma ligação do amigo James Lima(PI), parabenizando-me e dizendo que estava muito feliz por mim. Lembrei de uma frase que o tremendão Erasmo disse em um dos especiais de RC: “se a lágrima de um amigo te deixar triste, você é um bom amigo, mas se alegria dele te deixar feliz, aí você é um grande amigo.” Valeu, bicho! 

Quando fomos chamados, nos disseram: sejam rápidos! Ora, pra quem esperou quase 15 anos, 228 meses, 6.939 dias e 166.550 horas, ser breve é mole. A amiga Mazé, como uma cearense autêntica, foi na frente e “chegou junto” ao rei: abraçou, beijou, falou, cantou. Fez tudo o que tinha direito em poucos segundos. Foi a primeira a fotografar. Duas fotos ao lado do mito. Depois foi a minha vez e em seguida fotografamos os três. Pronto! Estava realizado um sonho. Mas a ficha não caíra naquele momento, nem nos próximos dias. Acho até que, 1 ano depois, ainda nem caiu. Quantos milhões de fãs gostariam de ter tido essa oportunidade? Eu consegui! E confesso que já estou em contagem regressiva para o próximo show. 

Agradeço ao nosso Deus de bondade pela bênção e ao Roberto, por simplesmente existir e nos fazer feliz! Dedico esse momento lindo aos meus pais, minha esposa, meu filho, minhas amigas Mazé Silva e Ana Luiza e aos meus conterrâneos de Tianguá. E viva o rei!

Encontro de amigos-súditos na expectativa do show
Faltando pouco mais de uma hora pro show começar a chuva deu o ar da graça
Cantor Waldonys esteve presente, tietando o rei
Faltando cerca de 30 minutos pra começar o show, a multidão já era grande
Ele chega e a galera vai ao delírio
O público não se conteve e foi pra perto do rei
Como dizemos aqui no Ceará, o show estava lotadinho "da silva"
Você é o doce que eu mais gosto, meu café completo. A bebida preferida e o prato predileto"
Por isso de vez em quando você vai lembrar de mim
Gosto de você pequena, esse beijo me alucina. Coisa de mulher gostosa com um jeito de menina
Esse cara é ele!
O rei e o maestro Eduardo Lages
Do palco ou do telão, a emoção é indescritível
Pra fechar a noite com chave de ouro: rosa e foto no camarim do rei
Confira a matéria (FunTV) sobre o show de Roberto Carlos na Arena Castelão:

Leia também:
Derbson Frota

Sobre o autor

Derbson Frota - Professor, blogueiro, jornalista, radialista, cordelista e wikipedista, é graduado em História e especialista em Mídias na Educação e em Informática e Comunicação na Educação. Redator do Portal Splish Splash desde 2014. Leia Mais sobre o autor...

4 comentários:

  1. Ó pá! Está na cara que a tua emoção foi grande, tal como foi a da nossa amiga Mazé, mas olha que a descrição que fizeste deixou-me tanto ou mais emocionado pois tive até a sensação de eu próprio estar ao vosso lado tirando foto com o gajo, digo, com o cara. :)
    Escusado é dizer que fiquei feliz por ti e pela Mazé. É de ter pena da vossa Robertodependite Crónica. O cara vem cá a Portugal em maio deste ano (2015), mas eu vou-me prevenir com o Robertocalmex, sem dúvida melhor do que o teu uísque.
    Abraço Robertocarlistico!

    ResponderEliminar
  2. Grande Armindo, realmente foram muitas emoções, bicho! Grandes e inenarráveis! Em se tratando de show do rei, não poderia ser diferente. :-)
    Concordo que minha Robertodependite Crônica está cada vez maior. No entanto, acho que esse caso não tem solução! Acredito que nem o Robertocalmex dá mais jeito, pá. rsr
    Quando você encontrá-lo,agora em maio aí na terrinha, as emoções também serão tão fortes e intensas que, além do Robertocalmex, você vai precisar de um Robertônico. Rs

    Abraço RobertoCarlístico

    Derbson Frota
    Tianguá CE

    ResponderEliminar
  3. Sua história é linda demais, amigo Derbson. E você mereceu esse encontro frente à frente com o nosso querido e amado Rei. Como o Menino Armindo disse, em maio é a vez dos fãs europeus, depois de 9 anos de jejum, sem show de nosso Rei na Europa. Quem sabe se o Menino Armindo e eu não realizaremos o nosso sonho de tirarrmos, pela primeira vez (que é o meu caso), uma foto abraçados ao nosso Rei! Se Deus achar que eu mereço alcançar essa graça, acho que seria a realização de um sonho de sempre, pois nunca tirei uma foto abraçadinha com o Rei e nunca fui ao camarim!

    ResponderEliminar
  4. Agradeço suas palavras gentis, amiga Ocenilda.
    Imagino como está a ansiedade de vocês. Se Roberto ficou 3 anos sem vir aqui no Ceará e o nervosismo já foi tamanho, imagina 9 anos...
    Tenha fé que vai dar certo esse tão esperado encontro com o rei. Que Deus de bondade abençoe os passos de vocês.

    Derbson Frota
    Tianguá CE

    ResponderEliminar

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis