Roberto Carlos 1970

DO TEXTO:



Por: Danilo Bezerra
dnlbzrr@gmail.com








Dando início a nossa série de comentários dos discos da carreira do nosso Rei Roberto Carlos, série esta que contará com a sua ajuda na escolha dos anos, vamos voltar no tempo, lá para dezembro de 1970, quando Roberto Carlos lançava no Brasil seu 11º álbum musical, sendo seu 12º LP (em agosto daquele mesmo ano ele lançou o Pedro e o Lobo, OP. 67), o "Roberto Carlos". Esse Long Play trazia 12 faixas e já mostrava um Roberto Carlos mais romântico (vale lembrar que no álbum do ano seguinte ele colocaria todo o seu romantismo em canções com letras do tipo "não adianta nem tentar me esquecer...") e mais sensível em relação a sua vida particular.

Uma das primeiras faixas era dedicada a uma de suas filhas,"Ana", que é filha adotiva do nosso Rei, fruto do primeiro casamento de sua esposa na época, Cleonice Rossi. Nessa música vemos o carinho que ele tinha pela pequena Ana, "oh Ana, oh Ana, oh, oh, oh, Ana, que saudade de você!". Mas não seria só nesta faixa que Roberto Carlos falaria de sua vida, ele recorda sua infância com versos "eu passo a vida recordando /de tudo quanto aí deixei /Cachoeiro, Cachoeiro/ vim para o Rio de Janeiro/ para voltar e não voltei..." na canção "Meu Pequeno Cachoeiro", canção esta que retrata a saudade e o carinho do Rei por sua terra natal, dessa "terra entre as serras, doce terra onde eu nasci", e nessa gravação de 1970 entre uma parte e outra da musica fala de sua relação com Cachoeiro. 

Mas ele vai além e pega sua "nave espacial" e sobe aos céus chegando ao espaço com "O Astronauta", canção esta que trazia uma batida com influências do Rock e frases como "não tenho mais nenhuma razão para continuar vivendo assim...". Com "Se eu pudesse voltar no tempo" ele retrata um amor perdido e diz que quer voltar no tempo "pra ser feliz", declara seu romantismo ingênuo em "Minha Senhora", e diz "Preciso lhe encontrar" para fechar uma linha de canções intimistas do Rei. Com esse álbum surge o maior sucesso religioso da carreira do Rei, musica esta que tornou-se frequente em todos os shows de sua majestade, "Jesus Cristo". Com uma batida leve e de pouco arranjos mas uma mensagem forte e de refrão marcante, "Jesus Cristo, Jesus Cristo eu estou aqui!", Roberto Carlos expõe seu lado religioso e sempre dedicaria dali para frente em todos os seus discos (salvo alguns poucos álbuns) uma ou mais canções a Deus. 


"Vista a roupa meu bem", "Uma palavra amiga", "Pra Você" e "Maior que o meu amor" faziam parte também desse repertório dos ano de 1970. No entanto ainda falta uma faixa para formamos nossas 12 canções... "as coisas estão passando mais de pressa/ o ponteiro marca 120/ o tempo diminui/ as árvores passam como vultos..." A faixa "120... 150... 200 km por hora" era sem duvidas a faixa mais intimista deste álbum, sendo que ela saiu em dois álbuns, o do Rei e no "As 14 mais", disco que reunia as canções mais tocadas na época, esta canção trazia uma melodia simples mas com um refrão forte e de uma instrumentalização marcante quando dizia "eu vou voando pela vida/ sem saber onde chegar/ nada vai mudar meu rumo e nem me fazer voltar/ as vezes sinto que o mundo se esqueceu de mim/ Não, não sei sei por quanto tempo ainda eu vou viver assim" Essa faixa fez parte do segundo filme da carreira do Rei, o "Roberto Carlos e o diamante cor de rosa". 


Tantas histórias para um único álbum? Só podia ser do nosso Rei Roberto Carlos! Estou esperando sua mensagem, qual álbum do Rei quer ver aqui no nosso portal comentado? Envie para meu e-mail ou deixe seu recado aqui que em breve traremos a análise dele. Até o próximo!


120... 150... 200 Km por hora - Roberto Carlos


POSTS RELACIONADOS:
3 Comentários

Comentários

  1. LEMBRANDO AINDA QUE NA MUSICA JESUS CRISTO ELE TAMBEM SE REFERE A SUA TRISTEZA EM RELAÇAO A SITUAÇAO ATUAL DO BRASIL EM RELAÇAO A DITADURA. NO TRECHO:
    "Toda essa multidão
    Tem no peito amor
    E procura a paz
    E apesar de tudo
    A esperança não se desfaz..."
    SEMPRE COM SEU TALENTO INCRIVEL DE PASSAR MENSAGENS DE FORMA SUTIL E INTELIGENTE.

    ResponderEliminar
  2. Mais uma óptima matéria, Danilo!
    Aqui bem poderá der o nosso ponto de encontro para falar sobre ele (RC). Perscrutando a sua discografia entramos em todo o seu mundo, pois que toda a sua obra é autobiográfica. Também muito interessante está o comentário acima .
    Eu gosto de todos os álbuns do Roberto, mas em primeiro lugar está " O Inimitável", e... eu gostaria muito que tu Danilo, o comentasses!
    Um abraço cheio e orgulho por ti

    Lita (Natália Pires)

    ResponderEliminar