Cabo Verde na rede internacional de escolas de ensino artístico. Acesso ao visto como principal entrave



Escrito por  Fretson Rocha
Rádio Morabeza/Expresso das Ilhas

Cabo Verde faz parte de uma nova rede de instituições de ensino artístico de diferentes países. O projecto, denominado Atlantic Drama Network (ADN), arranca este ano e o objectivo é promover o intercâmbio entre os estudantes de arte dos países que fazem parte da rede, além da possibilidade de, no caso de Cabo Verde, alunos irem estudar em escolas estrangeiras.

A rede é composta por instituições de ensino artístico de Cabo Verde (ALAIM), de Portugal (InImpetus), Brasil (Rio de Janeiro) e Inglaterra (ALRA).

Segundo Cláudia Melle, da CAL, em entrevista à Rádio Morabeza, a ideia é que os alunos tenham oportunidade de se deslocarem a outros países para estudarem e conhecerem o funcionamento artístico e a respectiva cultura. No Brasil, por exemplo, a Casa das Laranjeiras oferece licenciaturas e pós-graduações, além de que é uma das escolas que tem dado mais actores para o tecido cultural artístico brasileiro.

“O interessante é que, por exemplo, os alunos daqui de Cabo Verde possam ir passar 10 dias, fazer aulas de corpo, interpretação, música, voz e também conhecer, conversar e conviver com alunos de outro país e poder fazer essa troca artística e cultural”, exemplifica.

No mesmo sentido, os alunos do Brasil, Londres e Portugal podem vir a Cabo Verde conhecer a cultura do arquipélago.

Burocracia na atribuição de vistos como principal entrave

Pedro Barão, director da Escola de Formação de Actores de Portugal e um dos mentores da ADN, afirma que, tal como já aconteceu em outras ocasiões, a instituição que dirige pretende receber mais alunos de Cabo Verde para formação artística. Um dos principais constrangimentos prende-se com a burocracia em torno da atribuição de visto para os potenciais estudantes cabo-verdianos.

“É, de facto, o mais moroso”, diz.

Pedro Barão acredita que, com a criação da rede, o processo poderá ser mais rápido. Aliás, o repto  foi lançado directamente ao ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abrão Vicente, que esteve presente na assinatura do memorando para a criação da ADN, no âmbito das comemorações, este sábado, 21, do primeiro aniversário da ALAIM.

Outro desafio lançado ao governo prende-se com a necessidade de criar um espaço físico em Cabo Verde, onde professores de arte das escolas internacionais possam ficar, durante algum tempo.

“O próprio Governo poderá ter interesse em ter cá dos melhores profissionais que existem nestes países, numa primeira fase de forma perfeitamente generosa", sugere.

Pedro Barão considera que não é um esforço impossível, uma vez que já se consegue fazer isso para outras actividades da cultura, nomeadamente a música.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário