“Quiet Luxury” - A nova tendência que acalma a moda

DO TEXTO: A tendência do “luxo silencioso” se consolidou nesta temporada de desfiles e deve continuar impactando a moda nas próximas temporadas e nos...
Vários modelos “quiet luxury".



Grifes como The Row, Miu Miu, Ferragamo, Bottega Venetta, Hermes, Max Mara, Giorgio Armani, Prada e Loewe estão abandonando designs chamativos em favor de peças atemporais e de qualidade duradoura



user-image
O mercado de moda de luxo está adotando uma tendência mais duradoura e discreta, conhecida como “quiet luxury".

O quiet luxury propõe a qualidade em detrimento da quantidade, oferecendo uma experiência de luxo autêntica, significativa e duradoura.

Depois de anos de logotipos óbvios e acessórios de grife reconhecíveis sendo reservados para aqueles que têm dinheiro e querem exibi-lo, os mega-ricos agora estão se voltando para roupas simples e de alta qualidade para compor seus guarda-roupas, peças que sussurram dinheiro em vez de gritar em altos brados.

A tendência do “luxo silencioso” se consolidou nesta temporada de desfiles e deve continuar impactando a moda nas próximas temporadas e nos próximos anos.

Marcas que antes focavam em estampar suas características pessoais nas peças procuram, agora, seguir a tendência de tranquilidade, fugindo dos modelos que performam a ostentação.

Grifes como The Row, Miu Miu, Ferragamo, Bottega Venetta, Hermes, Max Mara, Giorgio Armani, Prada e Loewe estão abandonando designs chamativos em favor de peças atemporais e de qualidade duradoura.

A designer britânica Phoebe Philo, que fez história na Celine, é a melhor referência para as novas ambições de um luxo mais discreto e tranquilo, sem tantos excessos.

A escalação do novo diretor criativo Sabato De Sarno para a Gucci dá a entender que a marca seguirá também um caminho menos extravagante que o ditado por Alessandro Michele. Especialistas apostam inclusive que o desejo da casa italiana é se voltar para uma moda mais atemporal, nos moldes das rivais que trabalham com este conceito, e que continuaram a crescer apesar da instabilidade econômica causada pela pandemia de coronavírus em todo o mundo.

O “luxo silencioso” é menos austero que o minimalismo, mas mais polido que a tendência “normcore” (normal ao extremo).

É também conhecido como 'riqueza furtiva' - uma prática da elite financeira de usar roupas caras, geralmente muito simples, reconhecíveis apenas entre outros mega-ricos.

Esse movimento é uma resposta à busca por significado e autenticidade, em contraste com o consumismo desenfreado e a constante exposição nas redes sociais.

Atributos como discrição, versatilidade e durabilidade, entre outros, fazem o combo dessa nova abordagem no estilo de vestir.

Esta tendência vem de um contexto social muito influenciado pelos últimos acontecimentos vivenciados pela sociedade, como a pandemia, as guerras e o cenário econômico que acabou afetando o mundo atual.

O estilo valoriza roupas discretas muitíssimo bem-feitas, alfaiataria ultrassofisticada, peças com códigos de perenidade, acabamento fenomenal, pensadas para durar. Um tipo de roupa que não anuncia seu valor de maneira óbvia (com logotipos e decorativismos). Que, ao invés de “gritarem” quando vestidas, sussurram um luxo mais secreto e iniciado, que faz mais sentido para quem está usando do que para o resto do mundo.

Um luxo sem excessos e sem ostentação, uma antítese da moda rápida, com foco em compras criteriosas e no uso de peças de verdadeiro investimento.

Uma justaposição à logomania que estava em alta nos últimos anos, uma abordagem mais minimalista para se vestir.

É o comprar com a intenção de ter peças que durem no armário e na sua vida, e não aquelas que estão na moda para a estação.

Na indústria da moda, um mundo regido pela hierarquia das marcas, a categorização do luxo permaneceu relativamente consistente, no entanto, a estética mudou com o passar das décadas.

Esta nova estética não é fácil de definir, e é mais um estado de espírito do que qualquer outra coisa, mas é um visual que resistirá ao teste do tempo, pois é essencialmente um sinônimo de qualidade.

Em síntese é a utilização e valorização de roupas básicas que ocultam etiquetas de luxo, combinando peças simples como uma camisa branca, calça jeans, sapatos fechados e bolsas sem logotipos.

O termo começou a ser pesquisado com frequência no início de abril.

De acordo com os dados do Google Trends, as pesquisas por 'luxo tranquilo' explodiram no ano passado em impressionantes 614%.

A hashtag #QuietLuxury no TikTok já tem quase 60 milhões de visualizações e conforme uma publicação da empresa WGSN, especializada em previsões de consumo e comportamento, a tendência do “luxo silencioso” não é apenas mais uma moda passageira pois representa uma mudança de posicionamento das grifes de luxo, refletindo a nova direção estética que o mercado está começando a adotar.

Fatores como a crise econômica e a crescente preocupação com a sustentabilidade social e ambiental têm impulsionado a tendência do “recession core” (tendência de recessão, em inglês), refletindo o aumento do custo de vida em todo o mundo e a necessidade de uma mudança no comportamento do consumidor.

A ideia é oferecer itens de qualidade durável que transmitam a sensação de estabilidade, em vez de algo passageiro que possa ser descartado facilmente. Por isso, as grifes têm substituído tons vibrantes por roupas básicas, discretas, versáteis e atemporais, como tons de bege, branco, cinza e preto, itens que possam ser passados de geração em geração.

Embora as marcas de grife mais discretas sejam o estopim desse luxo silencioso, não significa que você precise desembolsar um salário completo para seguir a tendência.

O uso de peças neutras, com detalhes sutis, cortes simples e clássicos, uma paleta de cores “quiet luxury” como preto, cinza, bege, off-white, toques metálicos, tons suaves de azul e cores mais terrosas são as bases para qualquer consumidor incorporar este estilo.

Para um visual 'luxo silencioso' sem gastar muito, invista em peças duradouras como uma camisa branca engomada, um terno de linho em um tom sutil e uma bolsa de qualidade entre outros itens que imprimem uma imagem de alta moda, sem a etiqueta de preço inacessível para muitos.

Este visual cápsula clean pode ser misturado com a troca de outros itens monocromáticos para incorporar looks do dia para a noite e obter o máximo de utilização de sua roupa sem comprometer o estilo.

Mas a principal mensagem desta nova tendência é priorizar a qualidade em detrimento da quantidade na hora de escolher peças básicas atemporais para o guarda-roupa. Menos é mais.

Lembre-se que o silêncio vale ouro na estética atual.

💢💢💢

*Xico Gonçalves, é de Porto Alegre, formado em jornalismo e desde os anos 1970 circula em todos os cenários do segmento moda. Quando foi entrevistado por Jô Soares em 2014, foi apresentado como “especialista em moda”. Leia Mais sobre o autor...

POSTS RELACIONADOS:
Enviar um comentário

Comentários