Festival MADA público soltou o corpo no encontro de culturas e sonoridades

Do Texto: Festival MADA - Em sua edição de 24 anos, o evento mostrou que tem fôlego de sobra para mais duas décadas.
Festival MADA

25mil pessoas estiveram presentes nos dois dias de evento que reuniu nomes consagrados e novas apostas da música brasileira

O Festival MADA encerrou a edição dos 24 anos neste sábado (24) deixando o legado como grande catalisador de tendências musicais e agregador em equidade de gênero, além de inovar na produção de conteúdo e no protagonismo da nova identidade da música pop brasileira. Fotos aqui.

Em sua edição de 24 anos, o evento mostrou que tem fôlego de sobra para mais duas décadas. Com um público estimado em 25 mil pessoas nas duas noites, o festival acertou em suas apostas, compondo um line up de artistas e bandas de projeção nacional e internacional com seus trabalhos singulares, como Gloria Groove, Emicida, Josyara e Terno Rei, que se apresentaram na sexta (23) e Linn da Quebrada, BaianaSystem, Mayra Andrade (Cabo Verde) e Luísa e os Alquimistas no sábado. Luísa que, inclusive, chegou ao posto de primeira headliner natalense na história do festival. Além disso, trouxe o que há de melhor na música periférica da cidade nos afters com Pajux, Elisa Bacche, Javita, Iguia T na sexta, e o Baile do DK no sábado.

O evento disponibilizou tradutores de Libras nos shows, além do acesso aos equipamentos e lista trans-free. Para o produtor a frente do festival, Jomardo Jomas, é preciso entender o acesso como algo integral, para todas as pessoas. “O MADA com sua história não poderia ser diferente, a inclusão é uma responsabilidade de todos e cada vez é mais necessário quebrar as barreiras. A música tem esse papel agregador”, disse.

Quem estava à procura de novas batidas perfeitas, certamente encontrou. Foi um fim de festa marcada pelo encontro de ritmos, danças, sons e culturas, com pontos de destaque para o show inédito da cantora Mayra Andrade, a cabo-verdiana mais celebrada da atualidade, a estreia do Afrocidade nos palcos natalenses e o lançamento do novo álbum de Luísa e Os Alquimistas. Assim como a apresentação sempre poderosa do BaianaSystem, com sua estética afro futurista no encontro da guitarra baiana com os ritmos jamaicanos, latinos e africanos. Elementos também presentes no show disruptivo e combativo de Linn da Quebrada. 

A noite foi aberta por Uma Senhora Limonada e Fortunato e os Jovens de Ontem, grupos que estão renovando a cena natalense. O primeiro, incorpora pop, rock, folk e elementos regionais. Já Fortunato trouxe ao palco a banda Frevo do Xico, em um casamento do pop rock e MPB com o frevo. As guitarras e psicodelia tiveram seu bom momento com a Boogarins, uma das bandas mais destacadas do indie rock brasileiro. Foi o contraponto para a big band baiana Afrocidade. Oriunda de Camaçari, região metropolitana de Salvador, ela é uma das responsáveis pela renovação da música preta na Bahia. O combo percussivo levou o público a formar a primeira “roda” da noite. Carisma de sobra para vir mais vezes a Natal. Aguardem o próximo verão. O prenúncio da estação, entretanto, ficou no som da mineira Marina Sena, um dos nomes do indie pop atual. Marina trouxe sucessos do seu disco de estreia “De Primeira” com sucessos como “Por Supuesto” e “Me Toca”, além de “Ombrim”, essa última de quando era cantora da banda Rosa Neon.

Mas a noite foi arrebatada por Mayra Andrade, cantora de Cabo-Verde, país africano de língua portuguesa, atualmente radicada em Portugal. Mayra trouxe sua primeira turnê ao Brasil e o MADA foi o palco de encerramento. Grávida de sete meses, ela apresentou um show impecável, cantando em seu português perfeito, como também no dialeto crioulo, francês e espanhol. Universalidade e riqueza de sua música foram uma lufada de renovação. 

Na plateia estavam também conterrâneos de Cabo Verde que fizeram a festa agitando a bandeira de sua terra natal. Segundo o produtor de Mayra Andrade, Joa Azria, a caravana de cabo-verdianos recebeu uma ajudinha do consulado de Cabo Verde em São Paulo, para a turma acompanhar todos os shows. “Cabo Verde marcou presença durante essa tour e foi incrível poder receber nossa linda comunidade em todas as paradas que fizemos”, comentou Joa. 

Chegou o momento de BaianaSystem voltar ao MADA pela quarta vez. Vestidos nas cores de preto e vermelho, o grupo trouxe o show Sulamericano, o qual mergulha ainda mais na ancestralidade afrolatina. A banda cantou músicas do álbum OXEAAXEEXU, lançado no ano passado, e dos discos anteriores. Momento certo para abrir a roda na plateia e dançar como um Saci. A surpresa para um show já tradicional em Natal foi a presença da cantora chilena Claudia Manzo. 

Destaque histórico para a apresentação da banda Luísa e os Alquimistas com o lançamento do álbum Elixir. A potiguar Luisa Nascim é a primeira frontwoman a ocupar um dos lugares de maior destaque da cultura dos festivais: o encerramento de um palco. Embalados por ritmos latinoamericanos, a banda manteve a energia tropicalista que regeu a noite, mesclando elementos da música pop à diversidade linguística. 

Tudo a ver com as palavras de ordem, a percussão afrolatina e a potência da música eletrônica elementos que Linn da Quebrada apresentou para o público do festival. A multiartista encerrou o segundo palco do MADA com a participação já esperada de Luísa Nascim na faixa ‘Dispara’ seguida dos beats progressivos de ‘Pense & Dance’ com participação de Potyguara Bardo, surpresa absoluta do público. 

A after party ficou sob o comando de Danilo Kauan e o Baile do DK, um espetáculo teatral que potencializou sucessos do funk brasileiro por meio de um ballet sincronizado, cenografia, iluminação e um anfitrião que deixou claro qual era o seu papel no festival. 

O MADA 2022 é uma realização do MADA Produções e contou com patrocínios da Coca-Cola, Brisanet, Unimed Natal e Cerveja Tiger e com apoio da Prefeitura de Natal e InterTV. Para acesso à Arena das Dunas, o festival terá como exigências o comprovante de vacinação com, pelo menos, duas doses ou dose única, junto com documento de identificação com foto. Vendas, na Sympla - aqui , Loja Sem Etiqueta do Natal Shopping e Ecológica do Midway Mall.

O QUE ROLOU
SEXTA 23/09
V Motta Feat A.V.S. e Fernanda Azevedo
Cazasuja feat Amen Ore
Projeto Retrovisor
Josyara
Terno Rei
Potyguara Bardo
Letrux
Emicida 
Gloria Groove
Djonga
Pajux B2B Iguia T (after)
Janvita B2B Elisa Bacche (after)

SÁBADO 24/09
Fabiano Nasi
Uma Senhora Limonada
Fortunato e os Jovens de Ontem convida Frevo do Xico 
Boogarins
Afrocidade
Don L
Marina Sena
Mayra Andrade 
BaianaSystem
Luísa e Os Alquimistas 
Linn da Quebrada
Baile do DK 
Também pode ler:

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !